i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
resumo

A solução para as contas do governo: revisão de meta, salário congelado dos servidores e pedalada perpétua

E mais: Câmara vota reforma política, a meia justiça do 29 de abril, as melhores empresas para trabalhar e uma pitada de Drummond

  • PorLeonardo Mendes Júnior
  • 16/08/2017 06:37
 |
| Foto:

Bom dia!

 

O governo federal deu a solução esperada para o iminente não cumprimento da meta fiscal: aumentou a meta. Um anúncio em que o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), furou o ministério da Fazenda. 

 

O reconhecimento da incapacidade de cumprir o orçamento que o próprio governo montou foi acompanhada de medidas que afetam mais diretamente os servidores públicos. Sessenta mil cargos serão extintos, o reajuste prometido para o ano quem vem ficará congelado por um ano e o sistema previdenciário será equiparado ao da iniciativa privada. 

 

Os servidores, claro, reagiram com anúncio de greve para o fim deste mês. 

 

Guido Orgis rotula a revisão anunciada por Henrique Meirelles como a perpetuação do modo pedalada no governo brasileiro. Pedaladas diferentes das que derrubaram Dilma, dadas para maquiar dados. Mas pedaladas para modificar às claras uma meta irreal desde que foi estipulada. 

Hoje, reforma 

A Câmara vota hoje a PEC da reforma política. É necessário o apoio de dois terços dos deputados para a proposta passar. Os carros-chefe são o financiamento público de campanha e a troca do voto proporcional pelo majoritário para o legislativo. 

 

O financiamento prevê a criação de um fundo partidário de R$ 5,6 bilhões, com claro benefício às maiores legendas. O campeão de receita será o PMDB, presente em todos os escândalos dos 30 últimos anos, lembra André Gonçalves. Logo atrás virá o PT, partido que elevou a corrupção ao estágio de arte e terá 21 vezes mais dinheiro para tentar reeleger Lula, condenado em primeira instância, do que, por exemplo, o Patriota de Jair Bolsonaro

 

Ricardo Amorim vê uma conexão direta entre fundo partidário e o fim da eleição proporcional. O "distritão" é boi de piranha dos políticos para desviar a atenção do fundo bilionário. 

 

Mesma linha adotada pelos procuradores da Lava Jato, Deltan Dallagnol e Carlos Fernando Lima. Em vídeo na internet, os dois conclamaram a população a dizer não "a essa falsa reforma política"

 

Para o professor de Ciência Política, Doacir Gonçalves de Quadros, está em normas rígidas de financiamento, não no "distritão" o antídoto para o caixa 2 que virou padrão nas eleições brasileiras. 

 

Sergio Souza (PMDB-PR), integrante da comissão que discute a reforma política, vê o "distritão" como um caminho para o sistema ideal, o distrital misto, previsto para a partir de 2022. Ano que vem, ele admite a Catarina Scortecci, "será cada um por si e Deus por todos". 

 

Se o "distritão" valesse já em 2018, Souza teria sido eleito da mesma maneira. O mesmo não se pode dizer de três outros deputados federais e nove estaduais do Paraná, que só entraram graças ao sistema proporcional, como mostra Euclides Lucas Garcia. 

Diário da Lava Jato 

O MPF suspendeu a negociação de delação premiada do ex-deputado Eduardo Cunha. Sobram ataques a inimigos políticos, faltam consistência nas informações e revelações sobre Michel Temer. 

 

O STF decidiu tirar de Moro os trechos da delação da JBS que citam Guido Mantega e Lula. Os ministros da segunda turma acataram o argumento de que, se sair do Supremo, o caso deve ir para a Justiça Federal de Brasília, origem da delação. 

Quer ganhar dinheiro com a Petrobras? 

Fabiane Ziolla Menezes traz um guia para você investir (e ganhar dinheiro) com a oferta de debêntures prometida pela Petrobras para as próximas semanas

Meia justiça 

Felippe Aníbal informa: a Justiça do Paraná absolveu Beto Richa e o governo do estado do confronto de 29 de abril de 2015, a batalha do Centro Cívico. A juíza Patrícia Bergonse responsabilizou os manifestantes pelo confronto. 

 

Em nosso editorial, apontamos o acerto da juíza em reconhecer os excessos dos sindicalistas e manifestantes que levaram ao confronto. Mas a magistrada erra brutalmente ao considerar inevitável a reação da polícia que deixou mais de 200 feridos. 

A reação da PM não se limitou a proteger a Assembleia, mas partiu para a perseguição aos manifestantes, o que é verificável pelos abundantes registros em fotografia e vídeo. 

Financiamento das universidades 

No Sínteses, discutimos o sempre polêmico financiamento das universidades públicas. 

 

O doutor em Teoria do Direito Adrualdo Catão diz que a realidade impõe a discussão sobre cobrar mensalidade de quem pode pagar

As instituições públicas têm ainda um motivo bastante relevante para defender a cobrança de mensalidades: a preservação de sua autonomia. Hoje, reitores vivem de pires na mão junto ao Executivo e não possuem qualquer autonomia para tomar decisões estratégicas. 

 

O doutor em Educação Daniel Medeiros diz haver várias outras maneiras de financiar a universidade pública sem ser via mensalidade dos alunos

Só para dar um exemplo: por que não criar um imposto sobre grandes fortunas, igrejas e templos ou cobrar uma taxa sobre os Refis e destinar para a universidade pública? 

América de Trump 

Embora Kin Jong-un tenha dito oficialmente que desistiu de bombardear Guam, a relação entre Estados Unidos e Coreia do Norte segue em tensão máxima. Para especialistas, a discussão sobre os norte-coreanos atacarem os americanos com um míssil nuclear passou de "se" para "quando". 

 

Rodrigo Constantino segue a análise dos desdobramentos do confronto de Charlottesville. Google e GoDaddy baniram um site com apologia ao nazismo. Constantino aplaude, mas cobra o mesmo rigor com páginas que propagarem discurso de ódio de esquerda. 

 

Marcos Tosi traz uma análise de como o rompimento de acordos comerciais por Trump vem abrindo portas para o agronegócio brasileiro. Este será um dos temas do 5º Fórum de Agricultura da América do Sul, que a Gazeta do Povo organiza nos dias 24 e 25 deste mês. 

Entre as melhores 

Saiu a lista da 21ª edição do Great Place to Work. O Paraná tem 11 empresas entre as melhores para trabalhar no Brasil. Confira o ranking. 

Que Primeira Liga? 

Acredite, a Primeira Liga 2017 ainda não acabou. Hoje tem quartas de final em jogo único. Paraná e Flamengo tiram o pó do Mané Garrincha, em Brasília, sem jogo desde maio. O Londrina recebe o Fluminense. Ainda tem Cruzeiro x Grêmio e Internacional x Atlético-MG. 

 

Lembrete: a dupla Atletiba rompeu com a liga e não jogou o torneio deste ano. 

Tá com muito 

O curitbano que ganhou R$ 51 milhões na Mega-Sena enfim foi sacar seu prêmio. Entendo: eu também ficaria alguns dias paralisado com o bilhete na mão conferindo os números. 

Uma dica 

O novo milionário da cidade pode começar a vida nova dando um upgrade da mobília de casa. O dono de uma mansão no Alphaville vai fazer um bazar no fim de semana para vender tudo que tem no imóvel, com preços a partir de R$ 3 (TRÊS REAIS). 

Apenas Drummond 

Para encerrar nossa conversa, Francisco Escorsim fala de Sararah, solidão e Drummond. Um pouquinho de Carlos Drummond de Andrade e ótimo dia a todos. 

Se procurar bem, você acaba encontrando 

não a explicação (duvidosa) da vida, 

mas a poesia (inexplicável) da vida

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.