i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições na Bolívia

Bolívia elege candidato de Evo Morales. E a fusão das estatais do “trem-bala” e ferrovias

  • 20/10/2020 07:00
Eleições na Bolívia: Luis Arce foi ministro de Evo Morales.
Eleições na Bolívia: Luis Arce foi ministro de Evo Morales.| Foto: Divulgação/MAS/Facebook

Para começar esse resumo de notícias. Um ano após serem anuladas por suspeita de fraude, as eleições na Bolívia ocorreram neste domingo (18). As pesquisas de boca de urna garantem: o virtual vencedor é Luis Arce, do partido Movimento para o Socialismo (MAS), do ex-presidente Evo Morales.

Guinada à esquerda. Principal adversário de Arce, Carlos Mesa já reconheceu a derrota, assim como a presidente interina do país, Jeanine Añez, que assumiu o posto após a crise política gerada pelas eleições da Bolívia no ano passado. Exilado na Argentina e suspeito de comandar a fraude no pleito de 2019, Evo Morales já planeja fazer as malas para voltar ao país. A equipe de Mundo da Gazeta do Povo explica quem é Luis Arce, o economista “afilhado” de Evo que deve repatriar o ex-presidente após a confirmação da vitória nas eleições da Bolívia.

Utilidade pública

Vacina no Brasil. O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda (19) que a vacina contra Covid-19 no Brasil não será obrigatória. A fala foi uma resposta ao governador João Doria (PSDB), de São Paulo, que disse que a imunização chinesa seria obrigatória no estado. Já os responsáveis pela vacina russa Sputnik V veem o Brasil como prioridade, segundo destacou o fundo financiador da pesquisa nesta segunda. Ainda não há previsão de início dos testes da vacina russa no Brasil.

Vacinação global e testagem. Também sobre o tema, a Organização Mundial da Saúde (OMS) destacou que os testes de imunização estão apresentando bons resultados; saiba mais sobre a expectativa de início de aplicação de imunizantes. Enquanto não existe vacina, a testagem de Covid-19 continua sendo a melhor aliada, e a boa notícia é que uma empresa alemã criou um teste para pessoas sem sintoma.

Atualização. Segundo o último boletim do Ministério da Saúde, em 24 horas, o Brasil registrou 15.383 diagnósticos do novo coronavírus, com 271 óbitos. Ao todo, são 5.250.727 contaminações, 154.176 óbitos e 4.681.659 recuperados no país. Pelo mundo, o número de diagnósticos superou 40 milhões nesta segunda-feira (19), de acordo com monitoramento da Universidade Johns Hopkins. Foram 10 milhões de novos contágios em 33 dias.

Política e economia: além das eleições na Bolívia

Fusão de estatais e reformas. Nesta segunda-feira (19), o Ministério da Infraestrutura informou que vai unificar as estatais Valec e a Empresa de Planejamento e Logística (EPL), a “estatal do trem bala”. Veja todos os detalhes da fusão na reportagem de Jéssica Sant’Ana, correspondente em Brasília. Também nesta segunda, o presidente Jair Bolsonaro disse que a reforma administrativa é prioridade. Contudo, para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o tema “concorre com outros”. De Brasília, Olavo Soares explica por que Maia quer jogar para o ano que vem a reforma administrativa.

Eleições no Brasil.  A editora Giulia Fontes separou todos os dados da última rodada de pesquisas de intenção de voto em dez das principais capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Salvador, Porto Alegre, Fortaleza, Manaus, Vitória e Natal. Veja o compilado de pesquisas Ibope. E já há quem esteja pensando nas eleições 2022. Em ruas e estradas do Brasil, entidades ruralistas e empresariais instalaram outdoors com a foto do presidente Jair Bolsonaro, em apoio à reeleição; confira a reportagem.

Eleições nos EUA. Em campanha pela reeleição, Donald Trump atacou o principal cientista do governo Anthony S. Fauci, e se referiu a ele como "um desastre" quanto a opiniões sobre o coronavírus; entenda o contexto da crítica. A eleição presidencial já é dia 3 de novembro e o editor Rafael Salvi mostra como está o clima para a eleição presidencial nos estados decisivos e a editora Helen Mendes mostra por que o sistema eleitoral americano torna as pesquisas menos confiáveis.

O que mais você precisa saber hoje

Colunas e artigos

Debates essenciais. Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves defendeu a prisão de Robinho, jogador condenado na Itália por violência sexual. Robinho, claro, não é o único. Aqui, no Brasil, segundo o anuário da segurança, uma mulher foi agredida a cada 2 minutos no Brasil em 2019. Colunista da Gazeta do Povo, Madeleine Lacsko mostra o caso de um homem que continua solto após 11 queixas por violência contra a mulher. Já no campo político, Mariana Bazzo e Daiana Allessi Nicoletti escrevem um artigo sobre a importância de mais mulheres na política.

Debates pandêmicos. Quanto a crise da Covid-19 custou até agora? Um novo estudo estima em US$ 16 trilhões; leia no artigo de Jon Miltimore, da Foundation for Economic Education. Também em artigo, a educadora Claudia Kochhann de Lima avalia outro custo: o da educação infantil, e questiona como é possível reinventá-la. E em uma reflexão sobre vacina, o escrito e jornalista Paulo Polzonoff pondera sobre o que a discussão sobre obrigatoriedade da vacina revela sobre o abismo entre o mundo virtual e real.

Nossa visão

Editorial. Mais de um ano depois do julgamento em que o Supremo Tribunal Federal equiparou a homofobia ao racismo, foi publicado, no último dia 6, o acórdão da decisão, com uma omissão Entenda no editorial da Gazeta do Povo: Homofobia e liberdade de expressão.

Que a homofobia precisa ser combatida é algo indiscutível; mas a maneira que o Supremo encontrou para atingir este objetivo, simplesmente equiparando-a ao racismo e incluindo a discriminação contra a população LGBT na Lei 7.716/89, foi equivocada. Isso porque a mera transposição de vários dos artigos desta lei para o caso de homossexuais ou transexuais dá margem para se considerar “discurso de ódio” não apenas aqueles casos em que isso evidentemente ocorre.

Para inspirar

Novos hábitos. Após largar o vício do tabaco, muitos enfrentam o desafio da ansiedade, que pode estimular o consumo de alimentos gordurosos e doces, levando ao ganho de peso. Para ajudar neste sentido, o editor de Saúde Adriano Justino esclarece o que incluir no cardápio para evitar recaídas após parar de fumar.

Tenha uma boa semana!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.