Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Governo gastou mais em 2019 para manter 18 estatais dependentes.
| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Bom dia!

Para começar. Depois de anos gastando mais do que deveriam, o poder Judiciário, o Ministério Público da União e a Defensoria Pública da União terão de apertar o cinto. Acabou o período de transição à regra do teto de gastos e o Executivo não vai mais poder cobrir as despesas dos demais poderes que vierem a ultrapassar o limite de gastos estabelecidos pelo teto. Veja o que muda na reportagem da correspondente em Brasília Jéssica Sant’Ana.

Outro prejuízo do Tesouro. Por falar em socorro do Tesouro Nacional, no primeiro ano de mandato do presidente Bolsonaro, o governo acabou ficando no “prejuízo” quando o assunto é a manutenção das estatais. O Tesouro gastou R$ 30,1 bilhões no ano passado com suas empresas, e recebeu em troca R$ 20,9 bilhões na forma de dividendos e participações, mostra a repórter Jéssica Sant’Ana.

O mais importante de ontem no Brasil

Nossa visão

Nossa opinião. Nosso último editorial é sobre a era dos juros baixos, uma experiência nova para o Brasil, acostumado com taxas altas e instabilidade econômica:

“Somente a prática e a realidade dos fatos nos próximos meses e anos dirão se o Brasil adquiriu as condições efetivas para ingressar na era dos juros baixos ou se esse movimento ousado do Banco Central não se sustentará no longo prazo."

Editorial de domingo. Os caminhos para a prisão em segunda instância foram tema do nosso editorial de domingo (9). O Congresso tem agora uma chance de fazer a coisa certa, já que o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) listou entre as prioridades do Legislativo a aprovação da prisão após condenação em segunda instância:

"Qualquer das PECs terá servido a contento se cumprir o objetivo de consagrar na Constituição a possibilidade de se cumprir a pena a partir da condenação em segunda instância."

Mundo

Argentina. A vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, disse que o governo não pagará "nem meio centavo" da dívida com o FMI enquanto o país ainda estiver em crise. A declaração vai de encontro às propostas do presidente Alberto Fernández, que afirmou que a Argentina pagará toda a dívida quando o país tiver um "crescimento sustentável". Uma comissão do FMI chegou ontem ao país para negociar um cronograma.

Cuba. O ex-presidente da Bolívia Evo Morales, que está refugiado na Argentina, viajou ontem para Cuba "por motivos de saúde", informou a sua assessoria. Na Bolívia, muitos acreditam que a viagem é uma "desculpa" para liberar Alberto Fernández das pressões contra a presença de Evo na Argentina.

El Salvador. Militares e policiais armados entraram na Assembleia Legislativa de El Salvador no domingo para mostrar apoio a um plano de segurança do governo que será votado pelos deputados. A ação foi amplamente considerada uma forma de intimidação aos opositores, que são maioria na Casa.

Para inspirar

Esquerda e direita unidas? Existe um ambiente na Câmara dos Deputados em que bolsonaristas e petistas sentam à mesma mesa e onde as diferenças ideológicas são posicionadas em segundo plano. Parlamentares se unem pelo que têm em comum e lutam por causas conjuntas. Esse ambiente é a bancada feminina, como mostra o correspondente em Brasília Olavo Soares.

Tenha um ótimo dia!

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]