i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
E ainda: desaceleração da Covid

Privatização dos Correios ou “Nova CPMF”: qual polêmica chega antes ao Congresso?

  • 24/09/2020 07:00
Governo quer descobrir como privatizar o serviço postal dos Correios
Sede dos Correios, em Brasília.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Para começar esse resumo de notícias. O projeto de lei que abre caminho para a privatização dos Correios está na fase de ajustes finais na Casa Civil e já foi assinado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. A venda da estatal certamente vai gerar polêmica no Parlamento. Contudo, já há interessados na privatização dos Correios: Magazine Luiza e Amazon, no varejo, e Fedex, DHL e UPS (empresas logísticas). De Brasília, Jéssica Sant’Ana explica por que há tantos grupos de olho na estatal.

Reforma tributária. A disputa pela privatização dos Correios divide espaço com o foco atual da equipe econômica: a reforma tributária, que vem sendo “fatiada”, ou seja, apresenta em diferentes projetos. O primeiro, entregue em julho, propõe unificar o Pis e a Cofins. Guedes havia prometido o segundo para setembro, justamente o mais polêmico: a criação do novo imposto sobre transações digitais, semelhante à finada CPMF. Nossa correspondente mostra que o governo conquistou aliados e a “nova CPMF” ganhou terreno no Congresso; entenda.

Utilidade pública

Atualização. Em 24 horas, o Brasil registrou 869 mortes por coronavírus e 33.281 casos. Segundo o último boletim do Ministério da Saúde, são 4.624.885 diagnósticos, 138.977 óbitos e 3.992.886 recuperados. Segundo a pesquisa Epicovid-19 BR, o percentual de brasileiros com anticorpos contra a Covid-19 caiu de 3,8% em junho para 1,4% em agosto. Para os autores do levantamento, há sinais de desaceleração na maior parte do país; entenda.

Vacina chinesa e paranaense. Nesta quarta (23), o governador de São Paulo, João Doria, voltou a cogitar o início da imunização da população em dezembro, com doses da  vacina chinesa Coronavac, produzida em parceria com o Instituto Butantã. O estado apresentou novidades sobre segurança e eficácia da fase 3 dos testes da vacina chinesa; confira.  Já a Universidade Federal do Paraná destacou resultados promissores em testes iniciais de uma vacina; saiba mais na reportagem de Célio Yano. Vale lembrar: o Paraná irá testar e distribuir a vacina russa Sputnik.

Além da privatização dos Correios e da Nova CPMF

No Congresso. Levantamento do correspondente em Brasília Olavo Soares mostra que Câmara e Senado diminuíram gastos parlamentares, mas passaram longe de “cortar na carne”. A contenção foi na cota parlamentar; confira quais itens tiveram menos gastos. Também no Congresso, o relator proposta de emenda à Constituição (PEC) do pacto federativo, Marcio Bittar (MDB-AC), adiou novamente seu parecer sobre a proposta de um novo programa social em substituição ao Bolsa Família. Confira por que não houve acordo com o presidente Jair Bolsonaro.

Na Economia. Nesta quarta-feira (23), a Justiça Federal concedeu liminar para suspender o retorno dos médicos peritos ao atendimento presencial nas agências do INSS, enquanto 1 milhão de brasileiros aguardam para conseguir benefícios ou retornarem ao trabalho. Já a taxa de desemprego aumentou de 13,1% em julho para 13,6% em agosto, segundo o IBGE. Novidades também sobre o auxílio emergencial para beneficiários que não fazem parte do Bolsa Família: o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, disse que o calendário de pagamentos deve sair até a próxima segunda-feira (28).

Giro pelo mundo. Nos Estados Unidos, em um aceno a eleitores latinos, o presidente Donald Trump anunciou novas sanções contra Cuba. Na França, a Torre Eiffel foi evacuada após suspeita de bomba. No Tibete, a repressão chinesa escalou. Editora de mundo, Isabella Mayer mostra como a China coagiu meio milhão de tibetanos de zonas rurais a fazerem treinamentos de capacitação industrial.

O que mais você precisa saber hoje

Colunas e artigos

Cristofobia. Em seu discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU, o presidente Jair Bolsonaro falou em Cristofobia. O colunista da Gazeta do Povo Rodrigo Constantino revela por que realmente devemos falar sobre o tema. Já a jornalista Madeleine Lacsko apresenta várias faces da chamada Cristofobia. Neste sentido de ataques a ideias e religiões, o escritor Paulo Polzonoff fez uma investigação sobre o ódio virtual: uma viagem superficial ao coração do outro.

Assembleia da ONU. O professor Francisco Razzo complementa o debate surgido na ONU com um texto sobre comportamento cristão esperado na Assembleia da ONU. O evento, aliás, também é pauta para o comentarista de política internacional Filipe Figueiredo: ele fala sobre a ausência de uma verdadeira assembleia. No espaço da ONU, aliás, o presidente brasileiro lançou um debate sobre a ditadura do venezuelano Nicolás Maduro. Recomendamos que você conheça nossas sugestões de leitura para entender como o socialismo bolivariano destruiu a Venezuela.

Nossa visão

Bolsonaro na ONU. O chefe de Estado brasileiro sempre dá início aos debates da Assembleia Geral da ONU. Deveria ser uma ocasião festiva, mas a pandemia do coronavírus forçou a sessão a ter apenas discursos gravados e transmitidos por vídeo. A Covid-19, na fala de Bolsonaro, dividiu o centro das atenções com a questão ambiental. Tema para editorial da Gazeta do Povo: Bolsonaro na ONU e a questão ambiental.

Alegar que o Brasil é vítima de interesses escusos estrangeiros não será suficiente para convencer a comunidade internacional. Mesmo dentro do governo há alas que pressionam por uma resposta mais efetiva contra as queimadas e o desmatamento, pois será justamente o agronegócio brasileiro a principal vítima caso o mundo se convença de que o Brasil não está fazendo o suficiente.

Para inspirar

É verdade esse bilhete. Repórter da Equipe Sempre Família, Lucian Haro apresenta uma história de honestidade. Um menino que bateu a bicicleta em um carro deixou pedido de desculpas e se ofereceu para pagar o conserto.

Aproveite sua quinta-feira!

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • P

    Pzig

    ± 0 minutos

    Correios privatizados é unanimidade pela opinião dos usuários e de quem tem bom senso. Péssimos serviços, empresa cada vez mais quebrada. Só interessa anão privatização a sindicato fisiológico e a escalão de funcionários mamadores. Funcionários que trabalham e que tiveram sua previdencia roubada pelo PT também apoiam com certeza.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]