i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Heitor Cony

Bandeira branca

  • Porredacao@gazetadopovo.com.br
  • 10/02/2010 21:10

O carnaval está chegando e, com ele, aquela trégua provisória em nosso cotidiano, mesmo para aqueles que esnobam ou detestam o que por aí chamam de "folia". A vantagem desses últimos é que não precisam fazer nada a não ser deixar o carnaval passar. E ele passa, inexoravelmente passa, como passam todas as coisas boas e más do mundo, até mesmo as mais ou menos.

Não é preciso fantasia ou atavio outro para entrar no clima e aproveitar o "stand by" que ele nos traz. Governo parado, Congresso em recesso, bancos fechados, não há possibilidade de cobranças e pagamentos. Os compromissos podem esperar, a não ser os que estão comprometidos com o amor ou a morte.

Não é obrigatório sair por aí, pulando ou dançando. Se fosse, seria bem pior. Em criança, cismaram de me fantasiar de chinês. O estrago foi enorme aqui dentro. Até hoje justifico todos os meus fracassos e faltas (graves ou leves) pelos três dias em que me vestiram de chinês, com bigode de rolha queimada na cara e um chapéu cônico em que meu irmão urinou dentro. Resistir, quem há de?

Ver os outros pular e dançar, além de um prazer visual, é a pausa anual nos dias cheios de violência, corrupção, enchentes, engarrafamentos. Neste particular, "evviva" Momo.

Os saudosistas garantem que os carnavais antigos eram melhores, talvez porque, acima da alegria, pairava um toque dramático em tudo. Não sei não. Havia certa melancolia nas músicas, arlequins chorando pelo amor das colombinas, tristeza, por favor vá embora, bandeira branca, amor, não posso mais.

Um primo meu, cujo apelido era Zuth, tinha bom gosto e dinheiro. Mandou fazer um pierrô suntuoso, de lamê prateado com pompons grená. Usou-o em vários carnavais. No último, pediu que fosse enterrado com ele.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.