i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
flavio quintela

A Europa salvará o mundo

  • Porcolunagp@flavioquintela.com
  • 06/01/2016 23:01

Muitas vezes, tudo de que precisamos para tomar uma atitude mais concreta e enérgica é que o perigo chegue bem perto de nós. Você posterga a instalação daquele sistema de alarme até o dia em que seu vizinho é assaltado; ou resolve começar a se cuidar depois que um infarto manda seu amigo querido e sedentário para a sala de cirurgia. A desgraça alheia, quando próxima o suficiente, pode servir de conscientização e motivação, tanto individualmente como coletivamente.

Quando falamos de desgraças, logo vêm à mente esclarecida as ideologias de esquerda. Os mais de 100 milhões de mortos em regimes socialistas e comunistas dos últimos 100 anos corroboram o poder destruidor das ideias plantadas por pensadores como Rousseau, Comte e Marx. Certas ideias e padrões mentais funcionam como uma droga, sequestrando a capacidade da pessoa de tomar decisões fundamentadas e equilibradas. O psiquiatra Lyle H. Rossiter, em seu excelente The liberal mind, esclarece que a mente esquerdista radical é fruto de uma patologia cujo resultado é a destruição de características importantes para a vida competente em sociedade, tais como confiança, autonomia e iniciativa.

A eleição de um novo presidente nos Estados Unidos é o evento mais importante das últimas décadas

A Europa, mãe de todos os filósofos e pensadores de esquerda, vive hoje as consequências mais nefastas de algumas décadas de governos sociais-democratas e progressistas. O continente caiu de joelhos diante das demandas igualitárias e politicamente corretas, abandonou a moral judaico-cristã e abraçou o multiculturalismo, acreditando – como o drogado acredita que vai se sentir melhor depois da próxima carreira – que o mundo seria melhor desse jeito, e que todos seriam felizes. A abertura das fronteiras para os refugiados sírios, no ano passado, foi apenas o último episódio de uma longa história de concessões absurdas, que acabarão por criar um grande califado no Hemisfério Norte.

Mas, como disse no começo deste texto, o infortúnio de meu vizinho é minha última chance de me consertar para evitar o mesmo destino. Os ataques e estupros perpetrados por homens muçulmanos na Alemanha, na virada do ano, são o prenúncio claro do que os países europeus enfrentarão nos próximos anos: imigrantes que levam consigo uma cultura bárbara e que, por inação e palermice de governos covardes, conseguem impô-la a toda uma nação. Se o povo americano olhar para o leste e entender o que está acontecendo com os vizinhos europeus, se ligar os pontos e enxergar que Barack Obama e a maioria dos democratas seguem a mesma agenda e perseguem os mesmos resultados, os Estados Unidos terão uma chance de reverter essa situação, e isso seria de extrema importância para o mundo inteiro.

O ano de 2016 começa com um grande peso nas costas. A eleição de um novo presidente nos Estados Unidos é o evento mais importante das últimas décadas. Se os democratas vencerem, darão continuidade à agenda antiamericana de Obama, diminuindo a influência do país cada vez mais e ampliando espaços para o radicalismo muçulmano e para os nada democráticos Rússia e China. A vitória de um republicano – seja ele Trump, Cruz, Rubio ou qualquer outro pré-candidato atual – pode restaurar o equilíbrio de que o mundo precisa e dar força a partidos e governos de direita em diversos países.

Torçamos e rezemos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.