i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Giro de opinião

Cristofobia

  • PorLhuba Saucedo
  • 26/12/2016 23:01
 | James Chan/Free Images
| Foto: James Chan/Free Images

Desde que a filosofia moderna e sua cria, a ciência moderna, juntas amputaram a dimensão espiritual da realidade, essa coisa chamada “religião cristã” – a fundadora da civilização ocidental – foi (e está) progressiva e lentamente perdendo espaço na cultura, ao ponto de já ser amplamente encarada como um aspecto exótico da vida privada de alguns. Tal como aquele cara tem uma coleção de tampinhas de garrafa, aquele outro é “cristão praticante”, ou seja, pode ser enquadrado no subtipo “carola” ou “crente”. Percival Puggina, observando as mudanças culturais no ocidente, diagnostica o surgimento de uma militância cristofóbica, que hoje dita o politicamente correto em matéria de religião: caso você não seja ateu (o que seria o ideal), você até pode levar a sua religião a sério, falar dela abertamente, querer que ela não seja profanada, mas desde que você não seja cristão.

A soberania da consciência individual

O típico homem ocidental dos tempos atuais é um herdeiro ingrato de uma cultura que atribuiu à consciência individual o seu verdadeiro protagonismo. Thiago Cortês explica como as noções que temos de liberdade e responsabilidade não existiriam sem o advento do cristianismo, e alerta para o risco que corremos de jogar esse legado no lixo.

O ofensivo “Feliz Natal”

Flávio Morgenstern comenta a moda de desejar “Boas festas” em vez de “Feliz Natal”, mostrando que a dessacralização da nossa cultura não está pavimentando o caminho para o ápice do desenvolvimento humano, quando tudo será iluminado pela onipotente razão, mas antes está debilitando os fundamentos de uma civilização inteira e abrindo espaço para o avanço do islã.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.