i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

2021, o ano das reformas para enfrentar o desemprego

    • Gazeta do Povo
    • 30/12/2020 20:35
    Fila de trabalhadores no teatro municipal para se candidatar a uma vaga de emprego. Imagem ilustrativa.
    Fila de trabalhadores no teatro municipal para se candidatar a uma vaga de emprego. Imagem ilustrativa.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

    Entre 2019 e 2020, o nível de desemprego do trimestre móvel encerrado em outubro cresceu 2,7%. No mesmo período do ano passado, o índice atingia 11,6%. Agora, chega aos 14,3%. É um número que permanece abaixo das expectativas dos especialistas, que esperavam um teto de desemprego orbitando nos 15%, mas não há o que comemorar de fato: 14,3% da força de trabalho hábil brasileira está fora dos postos de trabalho. Em números absolutos, são 14,1 milhões de pessoas sem ter como sustentar a si e aos seus.

    Se o número não chegou à previsão dos especialistas, o motivo, em parte, deve ser atribuído às medidas tomadas pelo Governo Federal para o enfrentamento da crise econômica gerada pela pandemia. Apesar de algumas vacilações, sobretudo nas medidas de auxílio à obtenção de financiamento para microempresas e empresas de pequeno porte, Executivo e Congresso introduziram com celeridade iniciativas e políticas que construíram um muro de contenção contra a miséria que se desenhava no cenário econômico do país.

    Merece uma menção especial o auxílio emergencial — o chamado “coronavoucher”. Cento e vinte milhões de brasileiros foram contemplados pelo pagamento efetuado pelo Governo Federal para mitigar os efeitos da crise financeira gerada pela pandemia. Mesmo com a União gastando mais do que fosse desejável para estender o término do auxílio ao máximo, os R$ 356 bilhões gastos com o auxílio ajudaram a retrair as previsões de queda do PIB de 6,5% para 4,4%.

    Em parte, o auxílio foi essencial na manutenção da renda da população — especialmente entre aqueles que perderam o emprego e outras fontes de sobrevivência durante este ano calamitoso. Graças ao auxílio, as famílias continuaram consumindo — e é justamente esse consumo que é responsável pelo grosso do PIB: segundo as estimativas, 65% do Produto Interno Bruto brasileiro é formado por consumo. Ou seja, o auxílio foi essencial não só para a sobrevivência de milhões de brasileiros, mas para manter a economia rodando, num contexto de alto desemprego e atividade econômica em depressão.

    Pensar num 2021 sem auxílio emergencial e com a continuidade desse alto índice de desemprego não traz bons sentimentos. Segundo dados revelados pelo Datafolha, 36% das famílias que foram contempladas pelo auxílio durante este ano não tinham outra fonte de renda. Além disso, o mercado formal ainda está muito desaquecido: segundo a Pnad Contínua, 38,8% dos brasileiros em vagas de trabalho estavam na informalidade — justamente o setor mais afligido pelos efeitos da crise econômica do coronavírus.

    Levando-se em conta esses dados, tudo indica que os problemas que o auxílio emergencial conseguiu afastar durante o ano que se finda voltarão em 2021 e precisarão ser tratados com medidas corajosas e assertivas a partir de 1.º de janeiro. O que se fez até agora foi um paliativo. O prolongamento do auxílio pode ser discutido pelo Congresso e pelo Governo Federal sob a forma de um novo programa de transferência de renda. Porém, é importante ter em mente que tudo isso tem um custo e não caminha na direção de uma solução sustentável. A dívida pública brasileira já chega aos 96% e o crescimento entre 2011 e 2020 foi de apenas 0,2% — o menor do século. Então, resta a pergunta: como reverter essa situação de maneira economicamente sustentável?

    Não existe um jeito de fazer a transformação profunda que a nossa economia exige sem investimentos. Estes investimentos têm de vir tanto do setor público como da iniciativa privada. A questão é que na atual conjuntura, não há como se esperar que o investidor privado deixe dinheiro no Brasil sem que o Governo crie um mínimo de condições que estimulem o crescimento e restaurem a confiança no futuro do país.

    Há três grandes áreas onde o Governo Federal pode atuar. Duas delas dizem respeito às duas reformas que precisam ser destravadas no ano que vem — as reformas tributária e administrativa. A terceira, diz respeito à pauta de investimentos em infraestrutura. Já não é mais possível postergar essas medidas. Claro está que, desde a perspectiva da viabilidade política, as reformas são especialmente problemáticas.

    A reforma tributária mexe em inúmeros vespeiros. Se a ideia é manter o volume total de arrecadação nos níveis atuais, isso só se fará alterando seja, de um lado, a partilha da receita entre os entes da federação, seja, de outro, os setores da economia que pagam mais ou menos impostos. Os prejudicados, seja alguns estados e municípios, pelo lado da receita, seja determinados setores privados, pelo lado do desembolso, mobilizarão todos os seus recursos para inviabilizar a reforma.

    Poucas medidas, no entanto, podem sinalizar melhor a determinação de pôr o país nos trilhos do que ela. Em média, as empresas brasileiras despendem 1.501 horas de trabalho para pagar impostos e regularizar seguros. Segundo o Banco Mundial, somos os recordistas mundiais nessa estatística. O Equador, sexto colocado na lista, passa menos da metade do tempo pagando impostos: 664 horas. Segundo o Índice de Complexidade Corporativa,  o Brasil se encontra logo atrás da Indonésia como segundo colocado no ranking dos ambientes de negócio mais complexos do mundo, em grande parte devido às leis contábeis e fiscais existentes. Isso significa tempo desperdiçado e, portanto, dinheiro. Esses recursos poderiam ser empregados para dinamizar o mercado, diminuir preços e aumentar a renda de milhões de pessoas.

    Já quanto à reforma administrativa, as dificuldades são os inúmeros lobbies do funcionalismo, que assustam tanto um número gigantesco de parlamentares quanto o presidente e muitos de seus principais conselheiros políticos. Paulo Guedes havia anunciado um pacote de medidas que representariam uma economia de R$ 300 bilhões aos cofres públicos, injetando mais dinamicidade e eficiência no Estado brasileiro. Porém, as expectativas não tardaram a ser minoradas. Militares, magistrados e parlamentares ficaram de fora da simplificação de carreira e da redução de benefícios que eram a razão de ser do programa de reformulação do funcionalismo público. O que era para ser a reforma mais ousada do Estado brasileiro na sua história recente logo se mostrou mais um embaraço entre o Presidente, a equipe econômica, os deputados aliados e grupos de pressão próximos do bolsonarismo. O seu destino, portanto, também permanece desafortunadamente incerto. Ainda que a demanda seja premente.

    Quanto à infraestrutura, a necessidade de aceleração de todos os projetos é evidente. O Ministério de Tarcísio de Freitas já está se movimentando, e prevê contratar R$ 137,5 bilhões em investimentos, entre leilões, renovação de concessões e privatizações. São mais de 50 leilões previstos para o ano que vem.

    Mas é preciso mais. Segundo o relatório do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Brasil é o país que menos aplica recursos em infraestrutura em toda América Latina (apesar de concentrar 25% de todo investimento privado na área em todo o subcontinente).

    O importante é compreender que  todas as medidas listadas acima passam por uma mudança de postura da parte da gestão federal. O governo tem de sair das cordas e tomar decisões claras e firmes sobre os rumos que o país deve seguir, sejam elas amargas ou não. Escolher é sobreviver. Não é possível deixar que grupos de pressão pouco relevantes para o desenvolvimento econômico nacional continuem ditando os rumos do país. Não é possível tampouco dar prioridade a uma agenda política de reeleição quando o que está em jogo é a própria viabilidade econômica do país. Tocar uma agenda de reformas com medo de desagradar parcelas do eleitorado, sem pensar nos benefícios de curto, médio e longo prazo do ponto de vista do bem comum, é uma armadilha na qual o país não pode se dar ao luxo de cair. Da mesma forma, o Governo Federal precisa ter maturidade na articulação política para saber se relacionar com o Congresso, independentemente do resultado das eleições para a Presidência da Câmara e do Senado. Crise muitas vezes também significa oportunidade, mas é preciso coragem, inteligência e determinação para fazer a coisa certa.

    14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 14 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • L

      Luca

      31/12/2020 16:01:40

      No Brasil há grupos de servidores muito bem pagos, que só querem cada vez mais do erário público e sempre conseguem, há grupos de empresas que se servem do erário e não querem de jeito nenhum perder essas mordomias. Mexer nesse “vespeiro” como dizem, nada mais é que acabar com a mordomia exagerada de 3% da população. O problema é que o Bolsonaro está do lado desses 3%, assim como grande parte do congresso. O grande problema do Brasil é só esse, mas já vem de séculos.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        Cristiano Dionísio

        31/12/2020 14:26:22

        A Administração Bolsonaro é uma ode à incompetência. A oposição diminuta e desarticulada nada precisou fazer. As intrigas internas dessa gestão é de tal forma pusilânime que conseguiu isolar o país em termos políticos, econômicos e, agora sanitários. Não reforma possível, seja ela qual for, sob a presidência negacionista e irascível do Sr. Bolsonaro. Para o Corona vírus já existe vacina, a vacina democrática capaz de imunizar o país contra Bolsonaro virá, infelizmente, somente em 2022.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • A

          AMAURI

          31/12/2020 14:24:48

          O que esperar do Bozo? O "gado" que responda.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • F

            Flavio Pereira

            31/12/2020 13:12:19

            Reforma aqui no Brasil virou sinônimo de tirar direito do povo para beneficiar grupo político e empresarial amigo do governo. Mentem descaradamente como mentiram na reforma trabalhista e previdenciária ao dizerem que com a reforma teríamos empregos e melhoria na qualidade de vida. Na realidade, aumentou o desemprego e ainda piorou a qualidade de vida da população. Reforma vem depois de um terrorismo para justificar a maldade contra a população já explorada.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • B

              Bruno Santos Teles

              31/12/2020 12:55:44

              se não tivermos um nhonho 2.0, quem sabe dá certo?

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • F

                FERNANDO LUIZ POZZOBON

                31/12/2020 12:29:00

                Enquanto ficar esta disputa entre Bolsonaro, Guedes e maia nada vai acontecer. Todos se repelem...

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • F

                  Freitas

                  31/12/2020 12:28:53

                  Nesta questão, concordo com o ministro Paulo Guedes: a ECONOMIA só crescerá quando tivermos sido vacinados. >>> “O capítulo mais importante vem agora, que é a vacinação em massa. São mais de R$ 20 bilhões para a vacinação em massa dos brasileiros”, afirmou. “Aí o Brasil vai bater as duas asas e vai voar”. O ministro reiterou que o custo da imunização é mais barato do que prorrogar o auxílio emergencial, que custa cerca de R$ 50 bilhões por mês."

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  1 Respostas
                  • F

                    Flavio Pereira

                    31/12/2020 13:16:53

                    O problema que o governo de Bolsonaro é lento para conseguir a vacina e até lá os que necessitam desse auxílio para sobreviver perecerão. Pensaram nos bilhões, mas não incluíram os carentes no orçamento.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                • O

                  Osvaldo

                  31/12/2020 10:33:01

                  Sem medo de ser feliz , 2021 o ano das reformas que a nação necessita ! Menos estado , mais Brasil estamos de olho nos deputados e senadores traidores para 2022 ..se liguem !! o futuro não tem volta ..

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • L

                    Leandro

                    31/12/2020 10:11:24

                    Uma das grandes desgraças tem sido os partidos de esquerda, no congresso. Ali ninguém se importa com emprego, crescimento do país ou qualquer maravilha para o povo. O negócio é prejudicar o governo, não importa quanto mal tenha que ser feito a um país com mais de 200 milhões de pessoas

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • N

                      Natan Monteiro

                      31/12/2020 2:59:24

                      "Não é possível deixar que grupos de pressão pouco relevantes para o desenvolvimento econômico nacional continuem ditando os rumos do país.". Esse trecho do texto resume tudo. 2021 tem que ser o ano das reformas e privatizações. Sem medo de enfrentar qualquer grupo de interesse que seja.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      • B

                        Bingo Two

                        31/12/2020 2:39:40

                        Te manca Gazeta! Te manca! Como diriam os bolsonaristas mais convictos: "menas, menas!" As tais reformas só geraram desemprego e subemprego. Pode ir. Sofrimento e servidão. O papinho da reforma foi para enganar trouxa. Pode ir Gazeta! "Menas! Menas!"

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                        • B

                          Bingo Two

                          31/12/2020 2:39:40

                          Te manca Gazeta! Te manca! Como diriam os bolsonaristas mais convictos: "menas, menas!" As tais reformas só geraram desemprego e subemprego. Pode ir. Sofrimento e servidão. O papinho da reforma foi para enganar trouxa. Pode ir Gazeta! "Menas! Menas!"

                          Denunciar abuso

                          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                          Qual é o problema nesse comentário?

                          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                          Confira os Termos de Uso

                          • J

                            julio marcos Correia

                            31/12/2020 1:50:08

                            Me engana que EU GOOOSSSSTTTTOOOO...

                            Denunciar abuso

                            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                            Qual é o problema nesse comentário?

                            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                            Confira os Termos de Uso

                            Fim dos comentários.