i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A classificação dos programas de TV

  • Por
  • 30/07/2007 19:24

Embora menos rígida do que a proposta inicial, a classificação indicativa para programas de rádio e televisão adotada pelo Ministério da Justiça continua contaminada por vícios, ao impor obrigações não cogitadas pela Constituição para os operadores dos meios eletrônicos de comunicação. Tanto que um partido político já bateu às portas do Supremo Tribunal Federal para derrubá-la, sob a justificativa de que ao regulamentar a classificação vinculada ao Estatuto da Criança e do Adolescente, o governo criou regras novas, ferindo a liberdade de expressão assegurada no pacto fundamental.

A disputa vem de longe: sob o argumento de que é preciso proteger determinado segmento de telespectadores, o Ministério da Justiça pretendia restaurar a censura prévia que vigorou no período autoritário. Sob esse viés ditatorial até programas jornalísticos estariam sujeitos à censura prévia, num atentado à liberdade de expressão do pensamento que integra o conjunto de regras fundamentais do Estado democrático de direito.

A resistência da sociedade e do Congresso fez os mentores dessa solução autoritária recuarem, com a edição de nova portaria sobre a matéria (sob n.º 1.220). Ela define a classificação de programas como responsabilidade da emissora; o Ministério apenas monitora a exibição dos programas para verificar a adequação do seu conteúdo ao perfil fixado na autoclassificação. Aspectos obscuros ainda pesam sobre as redes de comunicação, facilitando a ingerência do Estado até o ponto de rejeitar os requerimentos de autoclassificação, remeter processos de eventual violação das tabelas de classificação ao Ministério Público e assim por diante.

Porém, mantidos os limites, vários países aceitam a classificação indicativa, para evitar que o público infanto-juvenil seja surpreendido por tipos de conteúdo não adequado à sua faixa etária – na visão do advogado Alexandre Ditzel Faraco. Esse jurista avalia que por mais importante que seja numa democracia, a liberdade de expressão não pode ser entendida em termos absolutos, comportando responsabilidade por parte daqueles que a exercem. "Como qualquer outra liberdade, sua legitimidade se constrói dentro de certos limites"; entre eles a admissão de "restrições cuja finalidade seja criar mecanismos que protejam crianças e o próprio direito–dever dos pais de educá-las".

Mas, para ser compatível com a liberdade de expressão, a política de classificação deve ser estabelecida de forma criteriosa, sendo negativo o controle prévio feito por órgãos estatais – censura que submete os autores dos programas à tutela do Estado. O ideal, inclusive, seria que as entidades setoriais de rádio e televisão fortalecessem seus próprios códigos de auto-regulamentação, como procederam os publicitários no alvorecer da atual fase de redemocratização.

Enfim, há questionamentos sobre as novas regras de classificação indicativa, que precisam ser afastados para assegurar a vitalidade da democracia brasileira – tão arduamente reconquistada por nossa geração.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.