i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A importância do voto na eleição municipal

  • PorGazeta do Povo
  • 13/11/2020 17:00
Transporte coletivo é tema frequente na pauta das eleições municipais.
Transporte coletivo é tema frequente na pauta das eleições municipais.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Com a circulação de pessoas diminuída pelo medo de contágio do coronavírus ou por restrições ainda em vigor em muitos estados e municípios, e com quase todas as atenções voltadas para a pandemia, esta eleição municipal já pode ser considerada bastante atípica, a começar pelo adiamento provocado justamente pela Covid-19. Mas, ainda que ela tenha deixado de ser o tema predominante neste fim de 2020, não há como negligenciar a escolha de prefeitos e vereadores.

Certamente os prefeitos que buscam a reeleição serão julgados pela maneira como conduziram o combate à pandemia em suas cidades, por exemplo na intensidade das medidas restritivas e na preparação da rede hospitalar. Mas a Covid-19 não pode ser o único critério de uma escolha cujas consequências durarão por quatro anos. A pandemia deve e irá passar, especialmente se os esforços pela obtenção de uma vacina se mostrarem bem-sucedidos, e quando isso ocorrer ficarão ainda mais evidentes as convicções dos eleitos sobre os temas tradicionais da administração municipal.

A eleição municipal, é bem verdade, deveria ter ainda mais relevância. Vários políticos, ao longo de décadas, vêm repetindo o bordão de que “as pessoas não moram na União nem no estado, e sim no município”, mas o federalismo torto do Brasil inverte essa lógica, centralizando decisões e normas em Brasília. Normalmente, a autonomia que resta aos municípios se aplica apenas àquelas temas para os quais não há legislações federais e estaduais, ou nos quais a União e os estados formalmente abrem mão da regulação, deixando-a para os prefeitos e câmaras municipais. Em um federalismo sadio, guiado pelo princípio da subsidiariedade, municípios teriam muito mais autonomia para gerir seus assuntos, cabendo às esferas superiores de governo o auxílio nos temas que os municípios não fossem capazes de administrar sozinhos, ou que envolvessem um número maior de cidades.

Mesmo assim, prefeitos e vereadores ainda têm diversos temas em que podem implementar seu ideário, especialmente no que diz respeito ao urbanismo. O uso do solo, as questões de mobilidade – que envolvem, por exemplo, o transporte coletivo –, a destinação de resíduos e o saneamento básico, agora regido por um novo marco regulatório que pode trazer melhorias substanciais a esse serviço: tudo isso é de competência municipal, sem esquecer da atenção básica à saúde e ao ensino nos primeiros anos de vida das crianças.

Ao atrair tanto as atenções dos cidadãos, a pandemia pode ter atrapalhado a busca do eleitor por informação sobre os candidatos. Os debates, que sempre foram uma ocasião propícia para o eleitor decidir seu voto ao presenciar o embate de plataformas, foram drasticamente alterados ou até mesmo cancelados em várias cidades. Além disso, houve um aumento no número de candidatos a prefeito, motivado pelo fim da coligação nas eleições proporcionais (para vereador); com isso, vários partidos lançaram candidatos ao cargo majoritário como maneira de aumentar a visibilidade dos candidatos a vereador. Mas mesmo o pouco tempo que ainda resta até que as urnas se abram ainda pode servir para o necessário trabalho de pesquisa sobre biografias e propostas dos aspirantes aos cargos de prefeito e vereadores. O voto da eleição municipal é importante demais para ser desperdiçado ou tratado com desleixo.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    Luzalvo

    ± 8 horas

    Farto de política, farto do lixo que emerge a esquerda, a direita e ao centro, só tem m. para todos os lados. Esse país é um lixo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.