i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Após oito anos, o povo sírio ainda sofre com a guerra

  • PorGazeta do Povo
  • 26/12/2019 21:17
Famílias sírias da província de Idlib são forçadas a deixar suas casas por ataques aéreos do regime da Síria com apoio da Rússia
Famílias sírias da província de Idlib são forçadas a deixar suas casas por ataques aéreos do regime da Síria com apoio da Rússia| Foto: Aaref WATAD / AFP

O drama humanitário vivido pela população síria parece estar longe de terminar. Após a saída das tropas americanas da fronteira da Síria com a Turquia – anunciada de maneira abrupta por Donald Trump – que teve início em outubro deste ano, Rússia e o ditador sírio Bashar al-Assad não estão medindo esforços (talvez seja melhor dizer “as consequências”), para acabar com as zonas rebeldes do país.

Segundo fontes locais, uma ofensiva militar esmagadora do governo da Síria e de seus aliados russos no norte da Síria matou dezenas de civis e deslocou mais de 100 mil pessoas em menos de dez dias.

O ataque na província de Idlib, região do noroeste da Síria, é parte de uma ação do governo sírio para recuperar o controle de estradas estratégicas e a última grande área controlada pelos rebeldes do país.

A ação militar localizada e os ataques aéreos da Rússia provocaram um êxodo de pessoas em pânico que as organizações de ajuda alertam que poderia levar a uma das piores catástrofes humanitárias da guerra civil da Síria, que já dura oito anos.

A grande quantidade de pessoas desabrigadas coloca em risco a população durante esse período do ano, em que as noites são muito frias.

Essa ação foi criticada pelo presidente Donald Trump que em seu Twitter oficial escreveu: “Russia, Síria e Iraque estão matando, ou a caminho de matar, milhares de civis inocentes na província de Idlib. Não façam isso! A Turquia está trabalhando duro para impedir essa carnificina.”

Mas a forma funesta da Rússia conduzir a guerra na Síria não se resume apenas a bombardeios.

Na sexta-feira passada, a Rússia e a China vetaram uma Resolução do Conselho de Segurança da ONU que renovaria parcialmente a autorização internacional para rotas transfronteiriças que permitem que alimentos, água e remédios sejam transportados às partes da Síria que estão fora do controle do governo sírio. As rotas, da Turquia, Iraque e Jordânia, receberam aprovação da ONU nos últimos seis anos.

O governo russo acredita que negar comida às pessoas que ainda resistem ao regime de Assad é uma maneira eficaz de ajudá-lo. Contudo quem acaba por sofrer as piores consequências são os civis que sentem a falta de alimentos e de medicamentos. Fontes médicas locais afirmam que não será possível o atendimento adequado da população devido ao aumento do número de feridos em decorrência direta ou indireta da guerra.

Os EUA estão tentando reverter a situação e encontrar uma rota alternativa para envio das remessas de ajuda pelas fronteiras, cuja autorização expira em 10 de janeiro. Contudo é de se perguntar se as escolhas erráticas de Donald Trump para a região não contribuíram para que a preponderância russa crescesse na Síria. Talvez se os EUA alinhassem sua política com a de outros países desenvolvidos, o sofrimento desse povo poderia ser evitado. Oxalá, com o fim da guerra

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Maria Alice Mendes

    ± 0 minutos

    Comovente e excelente matéria. Jornalismo sério e sensível. Mas me parece que o mundo está, a cada dia, mais restrito. A morte de um cachorro ( no próprio bairro) importa mais que os milhares de seres humanos que sofrem, mundo à fora.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]