i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Bolsonaro e os desejos do eleitor

Candidato do PSL trouxe à tona uma pauta liberal-conservadora que ecoava o sentimento de parte da população, mas que era praticamente ignorada pela política tradicional

  • PorGazeta do Povo
  • 30/10/2018 00:01
 | Mauro Pimentel/AFP
| Foto: Mauro Pimentel/AFP

Ao conquistar, na noite de domingo, a Presidência da República com o voto de 57,8 milhões de eleitores, Jair Bolsonaro agradeceu a todos os que nele votaram e que o ajudaram voluntariamente durante a campanha, cumprindo o papel que anteriormente cabia à propaganda eleitoral no rádio e televisão, ou à militância paga. Mas a novidade trazida com a vitória de Bolsonaro não se resume a esse estilo novo de campanha: uma mobilização deste porte não teria sido possível se não houvesse uma parte relevante da população que se viu representada não só pela rejeição ao PT encarnada por Bolsonaro, mas também pelo ideário que o candidato vitorioso assumiu para si – em alguns casos, até mesmo rompendo com o que ele havia defendido no passado.

O processo eleitoral de 2018 representou uma espécie de “redenção” para um leque de ideias razoavelmente amplo e que havia sido relegado ao ostracismo por décadas de dominação da esquerda no campo político e intelectual, mas que nunca deixaram de fazer parte da essência do brasileiro. Isso é especialmente verdadeiro no campo dos costumes.

Quem observasse apenas as políticas de governo adotadas especialmente durante os governos petistas (e que não chegaram a ser abandonadas nos dois anos e meio de Michel Temer no Planalto), bem como a produção cultural, o mundo do entretenimento e boa parte da imprensa, poderia imaginar que o brasileiro, em sua maioria, teria uma postura totalmente permissiva no que diz respeito a temas como aborto, drogas, questões de gênero e até a violência urbana, para ficar em apenas alguns deles. A realidade, no entanto, é bastante diferente: o brasileiro defende a vida desde a concepção; não quer ver sua família envolvida com vícios mortais; deseja oferecer a seus filhos uma educação moral de acordo com suas convicções, sem imposições de teorias que negam o óbvio; e deseja viver em segurança, contando que os criminosos serão responsabilizados pelas escolhas erradas que fizeram.

2018 foi o ano em que a “janela de Overton” brasileira se alargou

A pauta conservadora em termos de costumes, no entanto, nunca havia sido plenamente abraçada por candidatos eleitoralmente fortes nos pleitos anteriores. Os brasileiros que dão valor a esses temas – e eles são muitos – passaram por várias eleições praticamente órfãos, tendo de optar entre “males menores”. As mobilizações populares contra a implantação da ideologia de gênero nos planos de educação e a luta contra a legalização do aborto permitem concluir que a classe política não pode alegar que não sabia o que o brasileiro realmente pensava. Mas, pelos mais diversos motivos – da miopia político-eleitoral ao desprezo puro e simples pela pauta conservadora –, os grandes partidos não souberam responder a esse anseio, jogando todo esse eleitorado no colo daquele que assumiu tais pautas com convicção.

E também é com otimismo que vemos a ascensão de uma pauta liberal em temas econômicos. Muitas décadas de estatismo causaram um estrago considerável na cultura do brasileiro, que, se por um lado jamais deixou de ser empreendedor – às vezes mais por necessidade que por convicção –, ao mesmo tempo se acostumou a ver no Estado um grande provedor. Infelizmente, a máxima de que “não existe almoço grátis” foi aprendida à custa de muito sofrimento, causado pela crise cuja origem estava justamente em políticas intervencionistas e que não colocavam limite no gasto público.

“Vamos desburocratizar, simplificar e permitir que o cidadão, o empreendedor, tenha mais liberdade para criar e construir o seu futuro. Vamos ‘desamarrar’ o Brasil”, prometeu Bolsonaro em seu discurso de domingo à noite, logo após dizer que “o governo federal dará um passo atrás, reduzindo a sua estrutura e sua burocracia”. Que esse discurso tenha saído vencedor é admirável, considerando que algum tempo atrás somente as promessas de mais Estado e mais gastos públicos tinham sucesso eleitoral. E é preciso lembrar que Bolsonaro não foi o único a defender a plataforma liberal: ela foi o carro-chefe da campanha do Novo, partido estreante que conseguiu 2,5% dos votos válidos para a Presidência com João Amoêdo e venceu a disputa pelo governo de Minas Gerais.

Leia também: A vitória de Jair Bolsonaro e o amadurecimento democrático (editorial de 28 de outubro de 2018)

Leia também: A eleição e a importância dos temas morais (editorial de 10 de outubro de 2018)

Podemos dizer que 2018 foi o ano em que a “janela de Overton” brasileira se alargou. Esse conceito foi criado nos anos 90 por Joseph Overton e descreve um “intervalo” que compreendia as ideias que um candidato poderia defender para ter chances de vencer uma eleição. Algumas ideias seriam um consenso; outras seriam desejáveis, aceitáveis, toleráveis, até chegarmos ao radical, ao extremo, ao inaceitável. A pauta conservadora nunca esteve fora dessa janela: sempre foi um anseio do brasileiro, mas não havia quem a defendesse. Já o ideário liberal em economia chegou a ser visto por muito tempo como absurdo, como receita certa para o fracasso nas urnas – agora, não mais.

O brasileiro depositou um voto de confiança em candidatos portadores dessas ideias – tanto para a Presidência quanto para o Congresso; serão Bolsonaro e os novos deputados e senadores capazes de levá-las adiante? A defesa da vida e da família, a redução do tamanho do Estado e da burocracia estatal são objetivos que podem ser atingidos por diversos meios, e nem sempre aqueles propostos pelo governo serão os melhores; alguns podem até mesmo ser muito equivocados. Todo o debate parlamentar em torno desses temas faz parte do jogo democrático; apesar das décadas de experiência como deputado, Bolsonaro agora estará em outra posição, no Poder Executivo, e vários dos que comungam das mesmas ideias chegam ao Congresso como novatos. Tornar realidade os compromissos de campanha exigirá boas doses de competência e humildade para reconhecer quando for preciso corrigir rumos. Essas qualidades serão postas à prova, e os brasileiros esperam que Bolsonaro e seus apoiadores no Congresso passem pelos vários testes a que serão submetidos nos próximos quatro anos.

Mas não é só em Brasília que se decidirá o futuro do país. Bolsonaro, aliás, disse em seu discurso que desejava “mais Brasil e menos Brasília”. É por isso que, como explicou Bruno Garschagen em sua coluna na Gazeta do Povo, conservadores sabem que não há salvadores da pátria e não terceirizam suas responsabilidades a seus líderes. A grande força transformadora da sociedade é ela própria; e, tomando as rédeas do seu destino, ela assume protagonismo cada vez maior. Aos governantes cabe compreender o recado, as contribuições e também as críticas que virão nos momentos em que se desviarem do caminho.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.