i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Um novo mundo complexo

  • PorGazeta do Povo
  • 20/06/2019 18:00
Um novo mundo complexo
| Foto: Divulgação/Audi

Tão logo termine o ano de 2020, daqui a 18 meses, o mundo terá vivido as duas primeiras décadas do século 21 com acontecimentos que significarão mudanças profundas na vida econômica, social e política, e deixarão marcas radicais na conformação do meio ambiente, do sistema produtivo e do trabalho em todas as regiões. O mundo adentrará a terceira década do século com um elenco de problemas graves e complexos, e com uma lista de desafios que, conforme as soluções e as condutas sociais, moldarão a vida humana para o progresso e felicidade ou para o atraso e sofrimento. Os problemas complexos são muitos, mas entre eles existem dois que estão entre os principais: a crise do emprego e a falência financeira do setor estatal na maior parte dos países.

O mundo caminha para chegar ao ano de 2030 com uma população de quase 9 bilhões, o que exigirá soluções ainda desconhecidas, principalmente tendo-se em conta que em 1930 o total de habitantes da Terra era de apenas 2 bilhões. De um lado, há o desafio de alimentar e prover os bens e serviços necessários à sobrevivência dos 9 bilhões de habitantes e, de outro lado, o difícil desafio de gerar emprego e renda para todas as pessoas em condições de trabalhar, em torno de 4,5 bilhões. Um raciocínio simples pode induzir à crença de que é justamente o sistema de produção dos bens e serviços necessários para uma população tão grande que se encarregará de usar todas – ou quase todas – as pessoas em condições de trabalhar.

O fantasma do desemprego é talvez o maior desafio que a humanidade terá de enfrentar

O raciocínio de que as pessoas serão empregadas na produção do que elas mesmas comprarão para seu consumo era válido quando o ser humano somente se alimentava, se vestia e se abrigava com os produtos feitos por suas próprias mãos. Entretanto, o progresso da ciência, os novos inventos e a explosão da quarta revolução tecnológica moderna – com os avanços na biotecnologia, na inteligência artificial e nos robôs cognitivos – estão levando o mundo a expandir a produção por máquinas e meios automatizados, portanto, com menos trabalhadores. As inovações estão se acelerando, de forma a substituir o trabalho humano em atividades produtivas as mais diversas.

Como exemplo, vale citar o que vem ocorrendo na agricultura nos últimos 60 anos. Os Estados Unidos têm hoje apenas 3% da população vivendo na zona rural e, nos próximos dez anos, essa taxa deverá ser de apenas 1%, ou seja, a agricultura norte-americana abastecerá o país e seguirá exportando alimento para o mundo com apenas 1% da população trabalhando no campo. Quanto ao Brasil, em 1970 o país tinha 46% da população vivendo na zona rural; hoje tem apenas 12,5%, e a estimativa é de que em dez anos apenas 5% dos brasileiros estarão vivendo no campo. Essa realidade cria enormes dificuldades para o sucesso do programa de reforma agrária e distribuição de terras. A ideia romântica de uma legião de famílias da cidade retornando à zona rural é apenas uma ideia romântica, mas inviável.

As máquinas e os robôs criados nas revoluções tecnológicas até 2010 competiam com o ser humano em habilidades físicas. Até então, as tarefas que exigiam habilidades cognitivas, aquelas de natureza intelectual e emocional, continuavam sendo feitas pelo trabalho humano. Agora, após o mundo entrar na quarta revolução tecnológica moderna, os robôs passarão a competir com o ser humano em habilidades cognitivas, de forma que a expansão da produção não levará ao aumento equivalente no número de empregos. O fantasma do desemprego é talvez o maior desafio que a humanidade terá de enfrentar. Um estudo interessante sobre como esse desafio será enfrentado foi produzido por uma das maiores empresas de consultoria do mundo, a McKinsey, sob o título "Jobs Lost, Jobs Gained: Workforce transitions in a time of automation".

Leia também: Desemprego 4.0 – não é pessimismo, é choque de realidade (artigo de Vinicius Maximiliano, publicado em 22 de dezembro de 2017)

Leia também: Esquecendo o necessário (editorial de 7 de maio de 2019)

O segundo problema complexo que o mundo deverá enfrentar refere-se à gigantesca dívida do setor estatal na maior parte dos países e à deterioração das finanças dos governos com seus déficits crônicos, cujo controle e contenção parecem mais difíceis do que inicialmente se podia imaginar. Após a grande depressão dos anos 1930, as ideias do economista John Maynard Keynes moldaram as atividades do setor público e justificaram a acelerada expansão da intervenção estatal nas atividades produtivas e o crescimento das máquinas governamentais. Com isso, os governos incharam, a carga tributária foi aumentada no mundo inteiro, os déficits fiscais se tornaram regra geral, os sistemas previdenciários se tornaram insolventes e a dívida pública explodiu.

O desafio de desmontar essa bomba vem se mostrando mais difícil do que o mais otimista poderia sugerir, inclusive o próprio Keynes, que justificava suas propostas dizendo que, uma vez vencida a recessão e retomado o crescimento, os governos voltariam ao equilíbrio orçamentário. O erro de Keynes foi não entender como funciona a política, os políticos e a burocracia estatal: uma vez expandida, a máquina pública não para de gastar, tributar e se endividar. Os desafios estão aí, e o novo mundo complexo exigirá novas soluções.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • S

    Samyr

    ± 0 minutos

    Fins dos Tempos! Simples assim!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Giancarlo Bento Antoniutti

    ± 6 horas

    Gente, mais uma matéria alarmista e com pouco fundamentação sólida...mais uma vez, os maiores perigos do mundo estão dentro do ser humano e tem relação com caracter e ética...nosso maior risco são ditaduras, corrupção, guerras e intolerância. Quem vai colocar este império automatizado para funcionar? Pra qual mercado consumidor? Se isso acontecer os produtos serão mais caros ou mais baratos? Com esse espaço de recursos humanos(pessoas) e capital($$$) o que será inventado para satisfazer as nossas próprias necessidades? Nos inventamos maquinas e automação para satisfazer a nossas necessidades e não para eliminar empregos.... chega de alarmismos...humanidade é capaz a toda hora!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • G

      Giancarlo Bento Antoniutti

      ± 6 horas

      Com esse espaço de recursos humanos(pessoas) e capital($$$) o que será inventado para satisfazer as nossas próximas necessidades? Nos inventamos maquinas e automação para satisfazer a nossas necessidades e não para eliminar empregos.... chega de alarmismos...humanidade é capaz de se reinventar a toda hora e ja provou várias vezes isso!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Deco Bamba

    ± 7 horas

    Esta é realmente uma das maiores ameaças do emprego : robotização e a informatização. O nosso grande carro chefe destruidor do meioa ambiente , a Agroinsdústria é toda informatizada e corre célere para robotização total. Serão milhares de ceifadoras automatizadas, fiscalizadas por Drones e controlada pro uma central com****dorizada. Teremos milhares de senhoria milionários e muitos milhões de desempregados. Este será o fim dos tempos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • L

      Luigi Tenco

      ± 6 horas

      Quanta sandice!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Biancogres Cerâmica SA

    ± 8 horas

    Tecnologia e automação criam empregos. O que tira vaga de trabalho é a “burrocracia” intervencionista estatal que pretende regular a tudo e a todos. Os EUA estão em pleno emprego usando automação para elevar a produtividade. A China segue no mesmo caminho. Aos que desejam gerar empregos em vez de produtividade, sugiro abolir o transporte mecanizado de cargas. Com milhares de pessoas transportando mercadorias “nas costas” estará criado o paraíso dos marxsistas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Meg Litton

    ± 9 horas

    O ser humano terá que se reinventar para concorrer com a tecnologia...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlana Roberta Silva dos Santos

    ± 10 horas

    Excelente reportagem.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.