i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A inflação desacelera

  • PorGazeta do Povo
  • 27/06/2019 19:18
A inflação desacelera
| Foto: Gilson Abreu/ANPr

A inflação, que havia acelerado no primeiro quadrimestre de 2019, parece estar dando uma trégua nos últimos dois meses, segundo os dados do IBGE. Depois dos sustos de março e abril, quando o IPCA, índice oficial de inflação, chegou a 0,75% e 0,57%, respectivamente, em maio a elevação desacelerou para 0,13%. Nesta terça-feira, o IBGE divulgou o IPCA-15 de junho, que ficou em apenas 0,06%. O IPCA-15 é considerado uma “prévia” do índice oficial, sendo calculado entre o dia 15 de um mês e o dia 15 do mês seguinte, daí o nome.

Com o índice de maio, o IPCA acumulado em 12 meses está em 4,66% depois de ter chegado a quase 5% em abril. O número segue acima dos 4,25% estabelecidos pelo Banco Central como a meta para 2019, mas o Relatório Trimestral de Inflação, divulgado nesta quinta-feira pelo BC, estima que o IPCA terminará o ano em 3,6%, abaixo do centro da meta. Por mais que tenhamos deixado para trás os dias de descontrole inflacionário herdados das gestões petistas, ainda não se pode dizer que um acumulado de 12 meses que oscile entre os 4% e os 5% seja exatamente uma inflação baixa – especialmente quando o alto desemprego, que continua vitimando mais de 10 milhões de brasileiros, indica que o lado da demanda não está tão aquecido, fator que também ajuda a jogar os preços para baixo.

Apenas um cenário favorável de inflação não é suficiente para que a taxa Selic fique abaixo dos atuais 6,5%

Por outro lado, não se pode negar que, pelo menos, a inflação parece estar sob controle, algo que beneficia especialmente os mais pobres, aqueles que não têm recursos sobrando ao fim do mês para se defender do aumento de preços por meio de uma poupança, e por isso não têm como suportar as consequências de uma inflação em alta. O fato de o grupo de alimentos e bebidas ter registrado deflações de 0,56% no IPCA de maio e 0,64% no IPCA-15 de junho também é um alento especialmente para a população de baixa renda.

A inflação sob controle também oferece uma oportunidade ao governo. Sem ter diante de si uma emergência inflacionária que exija atenção prioritária, o Planalto e a equipe econômica podem se dedicar à articulação para a aprovação das reformas e em promover outras medidas de reaquecimento da economia, ainda mais urgentes depois do encolhimento do PIB no primeiro trimestre de 2019. O Comitê de Política Econômica (Copom) do Banco Central tem afirmado repetidamente, nos comunicados e atas de suas reuniões, que apenas um cenário favorável de inflação não é suficiente para que a taxa Selic fique abaixo dos atuais 6,5%. É preciso que surja uma nova conjuntura que permita juros mais baixos, e ela só virá com as reformas que deem sustentabilidade fiscal ao Brasil no longo prazo.

Leia também: Sem ajuste fiscal, a inflação pode voltar com força (artigo de Karlo Marques Junior e Alejandro Cintado, publicado em 22 de novembro de 2018)

José Pio Martins: O índice de miséria (13 de junho de 2013)

O país espera pela votação do parecer do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), relator da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara, e a grande dúvida gira em torno do quanto sobreviverá da proposta do governo, já atenuada no relatório de Moreira. Na questão dos funcionalismos estaduais e municipais, o primeiro round foi vencido pelos parlamentares que, fazendo cálculos eleitoreiros de curto prazo, não querem se indispor com servidores, mesmo que para isso tenham de prejudicar um país inteiro. Deputados ligados a determinadas categorias profissionais continuam pleiteando exigências mais brandas ou benefícios maiores. Há os que desejam uma reforma mitigada, que gere uma economia insuficiente aos cofres públicos, apenas para prejudicar o presidente Jair Bolsonaro. E há os que, por cegueira ideológica, continuam negando a necessidade de mudanças urgentes na Previdência. O choque de interesses levou a um impasse que fez a Comissão Especial perder uma semana inteira, adiando a votação do parecer para o início de julho.

Se todas essas forças prevalecerem, o fim da história será o descontrole total das contas públicas, já que o governo se verá incapaz de gastar em áreas essenciais ou de fazer investimentos, tendo seu orçamento dominado pelo pagamento de aposentadorias e pensões. As reformas precisam ser feitas enquanto ainda não chegamos a um ponto sem volta. Do contrário, restarão apenas as saídas “fáceis” como a explosão do endividamento e a emissão desenfreada de moeda, cujas consequências trarão à memória de muitos brasileiros tempos que pareciam definitivamente superados.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • E

    Elza Janzen

    ± 1 minutos

    Inflação em queda é um ótimo resultado econômico, visto os problemas que asolan o Brasil. Eu acho hilario que o pessoal poem a culpa no governo de a economia ir ruim, mas por outro lado as reformas não andam. Sem reformas andarem não tem como melhorar nada. Ademas os atos de agora vão influenciar os acontecimento daqui a algum tempo só, não entendo imediatistas. Tudo é um jogo de longo prazo (1, 2, 5, 10 anos no futuro), por isso não entendo imediatistas.. Não sabem nada de economia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Michiro Kaizu

    ± 4 horas

    Que Infração é esta ???? sobe tudo de maneira de dois dígitos e salários não ? os combustíveis tem de entrar no meio de calculo de infração, onde se viu o Gás, luz, água, e pior combustíveis e outros. em consequência de combustíveis ?????? A realidade é essa. o teu salario não acompanhou os combustíveis que é primeira necessidade para produção. em consequência tudo sobe menos os salários. é por isso que estamos na recessão.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Elias Quadros

    ± 5 horas

    A inflação, o emprego, os investimentos, o crescimento, o PIB e a credibilidade desaceleram.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Brazilian

    ± 12 horas

    Só se for para vocês, ricos. Para quem vive a realidade não.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.