i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Juros em queda, mas ciclo perto do fim

  • PorGazeta do Povo
  • 01/11/2019 18:00
Sede do Banco Central em Brasília
| Foto: Rodrigo Oliveira/Caixa Econômica Federal

Quando emitiu seu comunicado após a reunião de meados de setembro, ao reduzir a taxa Selic para 5,5% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avisou que “a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo” – em outras palavras, se não houvesse nenhum solavanco interno ou externo, os juros poderiam cair ainda mais. Foi exatamente o que ocorreu no fim de outubro, quando o Copom promoveu outro corte de meio ponto porcentual. Agora, a Selic está em 5%, um novo recorde de taxa mais baixa desde 1999, para o bem do país, especialmente do setor produtivo.

O comunicado desta última reunião, divulgado na noite de quarta-feira, é praticamente idêntico ao da reunião anterior; afinal, não houve mudanças radicais no cenário, para o bem e para o mal. A inflação continua sob controle, com as expectativas para os próximos quatro anos permanecendo abaixo dos 4%. O cenário externo segue favorável às economias emergentes: a guerra comercial entre superpotências parece ter entrado em um período de trégua, e os Estados Unidos também cortaram seus juros nesta semana. A reforma da Previdência foi finalmente aprovada pelo Congresso Nacional, faltando apenas sua promulgação – o impasse sobre a data em que isso ocorrerá é a última chance de os parlamentares ainda tentarem arrancar alguma concessão do governo.

A queda dos juros facilita os investimentos que gerarão emprego e renda, mas não faz milagres

O que também não mudou, infelizmente, foi o ritmo “gradual” – um eufemismo do Copom para “lento” – da recuperação da economia brasileira. A produção industrial, apesar de alta de 0,3% em setembro, ainda acumula queda de 1,4% no acumulado de 12 meses, segundo o IBGE. O desemprego continua alto, em 11,8%, acima das expectativas do mercado: são 12,5 milhões de brasileiros procurando emprego, enquanto outros 38,8 milhões estão trabalhando por conta própria ou sem carteira assinada. O enfraquecimento na demanda é parte da explicação para a inflação baixa, e o “nível de ociosidade elevado” voltou a ser citado pelos autores do relatório do Copom como um dos fatores que poderá manter a inflação sob controle mesmo em caso de um reaquecimento mais forte da economia.

Mas, diferentemente do relatório de setembro, desta vez o Copom dá a entender que este novo ciclo de queda nos juros pode estar perto do fim. No relatório de setembro afirmava-se que “o comitê avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo”; o texto de quarta-feira repete a frase, mas acrescenta um “de igual magnitude” e a expressão “o Copom entende que o atual estágio do ciclo econômico  recomenda cautela em eventuais novos ajustes no grau de estímulo”, antecipando que pode haver um novo corte de meio ponto na última reunião do ano, em dezembro, mas novas reduções depois disso terão de ser muito bem ponderadas, pois também será preciso observar os efeitos da atual política de estímulo monetário, que não vêm imediatamente.

A queda dos juros facilita os investimentos que gerarão emprego e renda, mas não faz milagres. Para que esses investimentos ocorram, o setor produtivo precisa estar confiante a ponto de empenhar dinheiro em melhorias, ampliações e contratações. O fim da novela da reforma da Previdência é um ponto positivo; o Congresso Nacional discute a reforma tributária, enquanto o Poder Executivo estuda uma reforma administrativa e um pacote de estímulo ao emprego. Quanto mais reformas liberalizantes e menos intervencionismo estatal sobre a produção e o consumo, mais próximo estará o ponto de virada.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    J A Schmidt

    ± 2 horas

    A reforma administrativa "se" aprovada nos moldes propostos vai aliviar o caixa do governo, permitindo mais investimentos, a baixa dos juros estimula a retomada do investimento privado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.