i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
editorial 1

O ano pela metade

  • Por
  • 06/02/2010 21:17

O Congresso Nacional começa este ano legislativo com uma pauta de votação repleta de projetos importantes encaminhados pelo governo federal. O governo quer votar a inclusão de 600 mil novas famílias no programa Bolsa Família, a Conso­­lidação de Leis Sociais (CLS), os projetos do Pré-Sal, o que inclui a criação de uma nova estatal e um regime de distribuição de royalties, entre outras propostas. São matérias que exigem debate aprofundado dos parlamentares. Mas haverá menos de seis meses para isso. A partir de julho, senadores e deputados federais devem abandonar Brasília em virtude da campanha para as eleições de outubro.

Em ano de eleições federais, os parlamentares ficam concentrados em sobreviver na política, relegando os interesses nacionais a segundo plano. Ficam também muito sensíveis à pressão de sindicatos e categorias profissionais, inclinados em aprovar quaisquer projetos que possam lhes render votos.

Tentando diminuir a resistência da oposição para aprovar seus projetos, o governo federal também pode usar o ano eleitoral como objeto de persuasão. Esse é o caso do projeto da Consolidação de Leis Sociais. O presidente Lula pretende consolidar em um único documento seus programas sociais, como o Bolsa Família e o Saúde da Família. Assim, quer transformar seus programas de governo em políticas de Estado.

A oposição classifica a proposta de eleitoreira por entender que já tramitam projetos semelhantes no Congresso e que a CLS será usada como uma marca petista nas eleições de outubro. Ao mesmo tempo, fica em uma posição delicada. É difícil ir contra propostas que beneficiam as classes C, D e E sem se tornar antipático a ela.

Porém, o debate não deveria estar concentrado nas eleições deste ano. Ao invés de se discutir o uso político de projetos que tramitam no Congresso, os parlamentares deveriam estar discutindo a utilidade deles para a sociedade. Deveriam questionar, por exemplo, se as políticas implantadas pelo governo Lula são as melhores possíveis. Ou então se é prudente consolidar todas as leis sociais em um único documento.

Com apenas seis meses para discutir uma série de projetos importantes, é difícil imaginar que haverá discussão. Atropela-se o debate de assuntos que repercutirão profundamente na vida da população em função de interesses político-partidários. Prática nociva para a de­­mocracia.

O Congresso Nacional não pode funcionar seis meses no ano porque parlamentares vão concorrer nas eleições. Até porque os parlamentares não deixarão de receber salários e verbas indenizatórias no restante do ano. Uma das principais funções do Congresso é fiscalizar a atuação do Poder Executivo, o que significa analisar de forma aprofundada os projetos encaminhados pelo governo federal. E mais uma vez o exercício dessa função deverá ficar prejudicado pela disputa eleitoral.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.