i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Os velhos entraves ao crescimento

  • PorGazeta do Povo
  • 10/12/2020 22:44
Estrada
A precária infraestrutura física é um dos muitos gargalos que derrubam a produtividade do Brasil.| Foto: Arquivo/Gazeta do Povo

No início deste mês de dezembro, o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) divulgou informações originadas em seus levantamentos e análises sobre a economia brasileira, que apresentam dados preocupantes. Se a queda do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 ficar em 4,7%, a renda por habitante cairá 5,4%, e será a maior queda desde 1981. Para o país voltar a ter, em 2023, a mesma renda por habitante que tinha em 2019, o PIB precisará crescer à taxa anual de 3,3% em 2021 e 2022. Assim, as simulações estatísticas indicam que somente em 2030 o país voltará a ter a mesma renda por pessoa de 2013, que foi o melhor desse indicador nesta segunda década do século 21.

De início, a queda do PIB em 2020 se revela mais trágica em razão da forte recessão de 2015 e 2016, quando a queda acumulada foi de 9%. Esse panorama agrava o encolhimento da economia brasileira causado pela recessão derivada da pandemia, mas é importante observar que as projeções fracas refletem velhos problemas estruturais que impedem o crescimento do PIB e da renda por pessoa (que é o PIB dividido pelo total de habitantes do país), mesmo com o crescimento populacional tendo se desacelerado.

A imprensa internacional especializada em economia vem divulgando informações sobre o Brasil e chamando a atenção para a dificuldade do país em remover velhos obstáculos à retomada do crescimento. Vale lembrar que, em 2009, a revista The Economist, umas das mais famosas publicações na área, apresentou o Brasil como promessa, trazendo em uma capa a imagem do Cristo Redentor impulsionada por um foguete. Na onda do crescimento interno, o PIB cresceu 7,5% em 2010 e dava a impressão de que o país seguiria crescendo consistentemente nos anos seguintes. Infelizmente, as previsões não se confirmaram e, segundo o Ibre/FGV, uma das razões para tanto é que a crise, desde 2014, deixou fortes sequelas na produtividade (produto por hora de trabalho) e no capital humano.

O Brasil não tem uma economia livre de mercado verdadeira; o grau de estatização e intervencionismo estatal é elevado, e os negócios são engessados por alta regulação e um amontoado de medidas casuísticas

Após 2009, a Economist continuou apostando no Brasil até que, reconhecendo as fragilidades da economia nacional, a revista fez nova matéria sobre o país em 2013 – quando, apesar de todo o negacionismo petista, economistas mais perspicazes já viam para onde a “nova matriz econômica” levaria –, ostentando na capa as palavras “estragou tudo”; em 2016, voltou a se referir ao Brasil na capa, desta vez com a palavra “traição”, mostrando que, de economia promissora, o Brasil havia passado a um caso de decepção, sem que se pudesse culpar a situação internacional. O país havia acumulado bons indicadores entre 2000 e 2013, não conseguiu sustentá-los e acumulou, nos anos que se seguiram, recordes negativos nos mesmos indicadores, revelando a incapacidade econômica e política de construir um crescimento sustentável.

As análises sobre o fraco desempenho e a incapacidade de sustentar o crescimento começam pela afirmação de que o Brasil não tem uma economia livre de mercado verdadeira; ao contrário, o grau de estatização e intervencionismo estatal é elevado, e os negócios são engessados por alta regulação e um amontoado de medidas casuísticas. Além disso, a sempre prometida recuperação da infraestrutura física ou nunca acontece ou, quando acontece, anda a passos lentos, de forma que a qualquer momento em que se analisa a economia brasileira aparece o crescente gargalo da infraestrutura física impedindo a expansão do PIB.

Em uma de suas matérias, a revista The Economist repete o que vem sendo dito por analistas respeitados quanto à eterna disposição do governo para intervir no mercado de forma precipitada, confusa e errada. Dois erros relevantes cometidos ainda na era petista são a dilapidação das finanças da Petrobras pela recusa em autorizar reajustes nos preços dos derivados de petróleo e o prejuízo causado à Eletrobrás para manter baixo o preço da energia.

Outras publicações internacionais têm batido na velha questão de que, apesar da abundante riqueza natural, o Brasil continua com três doenças graves que impedem o país de superar o atraso e a pobreza: a já mencionada precária infraestrutura física (insuficiente em tamanho e envelhecida em termos tecnológicos), a baixa qualidade da educação e a corrupção espalhada por todos os níveis de governo. Essas doenças juntas agravam substancialmente dois problemas fatais para o crescimento da economia: a produtividade e o capital humano. Tanto as crises econômicas quanto as doenças do aparelho produtivo, estatal e privado, não podem ser vistas apenas sob os aspectos contábeis, financeiros e jurídicos, pois tudo tem ligação com a política, a cultura, as leis, os costumes e as chances de um futuro promissor.

O Ibre/FGV insiste na importância da qualidade do capital humano e produtividade para o crescimento econômico e o desenvolvimento social. E o Brasil está mal nesses dois fatores, pois o país já perdeu o bônus demográfico em função do rápido envelhecimento da população, e os jovens em idade de trabalhar estão entre os que mais sofreram com o desemprego e o desalento em relação ao mercado de trabalho. Ter elevada fração da população fora do mercado em razão da idade, aposentadoria e doença já é algo prejudicial ao crescimento. Se, além disso, o país tem a população jovem com desemprego superior a 20%, torna-se praticamente impossível fazer a economia crescer. Os desafios brasileiros estão diagnosticados, mas o país não tem conseguido superar os obstáculos ao crescimento e à melhoria social dele derivada.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • L

    Luca

    12/12/2020 12:28:31

    Enquanto não acabar a cultura que pra se dar bem tem que passar num concurso público nada vai mudar

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • E

      Esio

      12/12/2020 0:53:59

      Para o Brasil sair do crescimento voo de galinha precisa que tenhamos um ministro da economia, apoiado pelo presidente da república e vontade política do congresso nacional, com o espírito da “dama de ferro”, Margarethe tatcher privatizando absolutamente tudo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        MICHAEL GUSTAV ADOLF MULL

        11/12/2020 18:13:39

        Em suma: Custo Brasil , incluindo a carga fiscal. Ainda , para "deleite" dos Esquerdistas , o tombo de 2015-16 foi no (des)governo da Dilma Rousseff , ex-terrorista e esquerdista. A idéia de ensacar vento não deu certo...

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • A

          Alexandre

          11/12/2020 13:34:06

          Em outras palavras: Menos Estado regulando a vida da sociedade brasileira ajudaria muito.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • S

            Spartacus

            11/12/2020 13:26:18

            Por falta de infraestrutura viária larguei meu carro e comprei uma Hilux, que não quebra. Os que podem dar 240 mil na Hilux estão fazendo o mesmo

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • N

              Nm

              11/12/2020 10:40:34

              Texto excelente! O maior entrave para o progresso é o Congresso Nacional ainda comandado por caciques como Sarney, Requião, Aécio Neves e muitos outros que não querem perder o poder. Vejam quanto tempo levam para votar as leis mais básicas para termos economia de Mercado. a do gás, volta para a câmara, a do saneamento levou meses. Necessário desvincular as vebas do orçamento etc. Sem falar nos entraves criados pelo STF.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • B

                Bingo Two

                11/12/2020 6:38:13

                O velho entrave são as figuras patéticas incompententes eleitas pelo dedinho sujo do povo.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • L

                  LSB

                  11/12/2020 3:16:46

                  “...pois tudo tem ligação com a política, a cultura, as leis, os costumes e as chances de um futuro promissor.” Esse trecho resume tudo! Excelente texto!!

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.