i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O PIB anual e o valor do tempo

  • PorGazeta do Povo
  • 16/02/2021 18:00
O PIB anual e o valor do tempo
| Foto:

Quando a pandemia se espalhou e se agravou, culminando com o fechamento de várias atividades econômicas e as medidas de distanciamento em larga escala – o que se deu basicamente a partir de abril de 2020 –, a nação começou a trabalhar com hipóteses sobre quanto tempo duraria a paralisação de grande parte do sistema produtivo e, por decorrência, qual seria o tamanho da recessão. Dois indicadores, considerados os principais na macroeconomia, foram piorados fortemente a partir do segundo trimestre do ano: o Produto Interno Bruto (PIB) e o desemprego. Uma recessão é caracterizada essencialmente por queda substancial do PIB e aumento do desemprego, com todas as consequências dramáticas para as pessoas e as famílias em geral.

Estimativas iniciais feitas em maio de 2020 variavam entre 4,5% a 9% para a queda estimada do PIB no ano, com desemprego entre 15% e 20%. A possibilidade de o Brasil ver o PIB diminuir em 9% comparado com 2019 e aumentar o desemprego para 20% da população economicamente ativa criou um clima de pânico, no mínimo por duas razões: uma, como a renda por habitante brasileira é baixa, configurando o caráter de país pobre, a queda de 9% no PIB, associada ao crescimento da população no ano, teria um efeito catastrófico no agravamento da pobreza; a outra razão é que a taxa de desemprego é calculada tomando o total de pessoas sem emprego, não considerando as pessoas subempregadas, ou seja, aquelas com jornada parcial semanal e redução de renda. Se forem somados os trabalhadores subocupados, o desemprego é bem mais grave.

Será em função da velocidade de imunização da população e da confiança no retorno às atividades que a produção crescerá mais, ou menos, em 2021

Um inibidor do crescimento rápido é o fato de que aumentos do PIB ocorrem a taxas diárias baixas e de forma lenta em relação à passagem do tempo, o que faz da recuperação uma variável estritamente dependente do fator tempo. No fundo, a produtividade econômica de um país é o produto nacional por hora de trabalho, e é ela que distingue os países desenvolvidos dos países atrasados. Nos Estados Unidos, a produtividade já superou os US$ 55 por hora, enquanto no Brasil não passa dos US$ 11 por hora.

Essa comparação ilustra o quanto o país está longe de deixar a pobreza pra trás, oferecer um bom padrão de bem-estar social aos mais de 50 milhões de pobres e melhorar a renda média de toda sua população de 212,5 milhões. O PIB anual nada mais é que o resultado da multiplicação da produtividade pelo número de horas trabalhadas pela sociedade no ano. Já o desemprego, além do drama social que é, significa um gigantesco desperdício de força de trabalho; logo, menor produto, menos renda e menos impostos pagos, realidade que se faz mais dramática quando, ao lado de força de trabalho desocupada, há ociosidade da capacidade produtiva instalada.

O desempenho do PIB em 2021 é essencial para a arrancada inicial no pós-recessão e, se a recuperação atingisse 4,5% de crescimento sobre 2020, o Brasil voltaria a ter neste ano um produto total praticamente igual ao de 2019, considerando que, conforme as primeiras informações, a queda do PIB em 2020 foi de 4,5%, bem inferior à previsão mais pessimista, que era de 9%. A preocupação que vem incomodando as autoridades econômicas, inclusive o presidente do Banco Central, conforme suas declarações, é que a retomada pode demorar um pouco mais e, já indo para o fim do segundo mês do ano, o tempo para o PIB crescer vai se reduzindo.

Nesse sentido é que o ritmo da vacinação se torna fundamental, pois será em função da velocidade de imunização da população e da confiança no retorno às atividades que a produção crescerá mais, ou menos. O valor do tempo e a necessidade de o país não perder um único mês quanto ao crescimento do PIB resulta da recessão de 2020, mas também decorre de outros fatores presentes na vida brasileira: o aumento da população que, mesmo com a queda na taxa de natalidade, ainda deve aumentar em torno de 1,4 milhão de habitantes por ano; e os efeitos ainda presentes da recessão de 2015 e 2016.

Nos últimos seis anos, o Brasil passou três anos em recessão, enquanto a população seguia aumentando, combinação essa que agrava a redução do produto por habitante e impossibilita a diminuição da pobreza. Nesse cenário é importante haver consciência entre empresários, profissionais, intelectuais, políticos e autoridades públicas de que o fator tempo é o elemento principal tanto para definir a produtividade (o quanto o conjunto do país consegue produzir por hora trabalhada) como para adotar normas e práticas que impeçam o desperdício do tempo e ajudem a melhorar o uso do dele. Para isso, um papel importante é desempenhado pelo desenvolvimento tecnológico, inovações, qualificação profissional e hábitos culturais condizentes com o bom uso do tempo como fator de produção econômica e ganhos sociais, além da necessidade de apressar a tramitação dos projetos econômicos enviados ao Congresso Nacional para análise e votação.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    ALEX

    ± 5 horas

    Esse excelente artigo nos mostra que o incapaz do bolsonaro não entende nada de economia, aliás, isso o próprio já tinha dito em campanha. Temos um medíocre na presidência que demorou pra entender que vacina não diz respeito só a vida como também a saúde da economia do país .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      ROGERIO MARQUES SANTOS

      ± 8 horas

      Os bolsonaristas tem como certa a reeleição de Jair Bolsonaro em 2022, mas sabem, ou deveriam saber, que isso será muito difícil se a pandemia não for controlada e, dessa forma, a economia poder se recuperar a tempo de retomar o crescimento mínino necessário pra sairmos dessa recessão que tende a se agravar com o ritmo lento da vacinação e o caos na saúde pública. E não adianta o presidente culpar governadores e prefeitos. O governo federal é, ou deveria ser, o protagonista da vacinação em massa e, portanto, da recuperação econômica do país.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • S

        Sidney

        ± 11 horas

        Este artigo mostra a importância de não se perder tempo, preocupação básica para aumento da produtividade nas empresas. As empresas focam na solução de problemas, na redução de custos, e quando há conflito da gestão, ou se resolve rápido, ou a empresa quebra. Só que quando falamos de Brasil, há infelizmente atávica a mentalidade que um país não quebra e tem recursos ilimitados. Aí seus recursos são consumidos de forma improdutiva e desperdiçados. Típico do Estado brasileiro.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • F

          Fernando G Duarte

          ± 13 horas

          Uma ótima análise.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.