i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Um acordo para o auxílio emergencial

  • PorGazeta do Povo
  • 12/02/2021 17:55
Ministro Paulo Guedes almoçou com chefes do Congresso e definiu termos de um novo auxílio emergencial.
Ministro Paulo Guedes almoçou com chefes do Congresso e definiu termos de um novo auxílio emergencial.| Foto: Luiz Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente Jair Bolsonaro, a equipe econômica e o Congresso chegaram a dois consensos sobre a prorrogação do auxílio emergencial. O primeiro é o de que ela realmente ocorrerá, com a primeira parcela de R$ 250 sendo paga em março e com duração de quatro meses. O segundo é o de que o cenário ideal, de um corte de outros gastos no Orçamento da União para garantir os R$ 30 bilhões estimados como custo total do auxílio, está descartado, substituído por uma improvisação que garantirá o pagamento do benefício.

A equipe econômica comandada por Paulo Guedes, conformada com a inevitabilidade da extensão do auxílio, pretendia que ao menos ele ocorresse dentro de um cenário de responsabilidade fiscal ou, no mínimo, de segurança jurídica. “Se eu gastar sem autorização, é quebra da Lei de Responsabilidade Fiscal, é quebra da regra de ouro, é endividamento não permitido”, disse o ministro na quinta-feira durante um evento. E, nisso, ele ganhou a companhia do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. “Um pacote que leve a uma deterioração da situação fiscal pode levar a um desalinhamento de preços que pode afastar investimentos. Então pode ocorrer o resultado contrário, de contração da economia”, afirmou em palestra.

Resta esperar que o desenho final da proposta seja razoável e que o tempo de duração do novo auxílio emergencial seja suficiente para reforçar as condições necessárias à recuperação da economia

Por esses critérios, o melhor cenário seria a permissão para redução proporcional na jornada e salário dos servidores públicos, que está prevista na PEC Emergencial. O funcionalismo, é preciso lembrar, passou ileso pela catástrofe econômica da pandemia, tendo garantido o emprego e o salário integral, ao contrário de dezenas de milhões de trabalhadores da iniciativa privada. Mas Guedes também se mostrara conformado com o que considerava o mínimo aceitável: uma reedição da PEC do Orçamento de Guerra, que abre portas para despesas adicionais sem necessidade de cortes equivalentes, e também afasta o risco de rompimento do teto de gastos ou outros dispositivos legais.

Para a surpresa de praticamente ninguém, entre cortar gastos – ainda por cima, irritando uma categoria altamente mobilizada como o funcionalismo – e não precisar fazê-lo, a classe política já tinha sua preferência. Parlamentares chegaram ao cúmulo de defender novos impostos ou contribuições para bancar o auxílio, alegando que era preciso “dividir o custo entre a população”, nas palavras do deputado João Carlos Bacelar (PL-BA) – como se a população já não estivesse arcando com os custos do caos econômico desde março do ano passado. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não chegou a este extremo, e até disse que propostas de corte de gastos teriam tramitação rápida, mas não escondia sua predileção por um novo “orçamento de guerra”.

No fim, o pacote que ficou acertado entre o ministro da Economia e os presidentes da Câmara e do Senado contemplou pedidos e concessões de todos os lados: uma PEC semelhante (mas não idêntica) à de 2020, combinada com a adição de cláusula de calamidade pública na PEC do Pacto Federativo, com a vinculação do auxílio a medidas de ajuste e de contenção de gastos, como queria Guedes – mas a natureza exata das contrapartidas não foi divulgada pelo trio, o que ainda permite algum grau de incerteza sobre o alcance dessas medidas de contenção de gastos.

Resta esperar que o desenho final da proposta, prometido para o dia 18, seja razoável, e que o tempo de duração do novo auxílio emergencial seja suficiente para reforçar as condições necessárias à recuperação da economia. Lira disse, em entrevista, que em três ou quatro meses o Congresso conseguiria votar projetos que aumentem a confiança do investidor no Brasil e que facilitem a geração de emprego e renda. Além disso, a vacinação precisa acelerar seu ritmo e chegar a cada vez mais brasileiros. Se nada disso ocorrer, no meio de 2021 certamente estaremos mais uma vez discutindo uma nova extensão do auxílio.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Felipe

    ± 0 minutos

    Parabéns à Gazeta. Até quando vamos manter os trabalhadores do setor privado em precária situação e os milhões de desempregados passando fome à custa dos altos salários e penduricalhos, principalmente do judiciário e legislativo? Será que precisaremos ter um caos social com possível ruptura institucional para os privilegiados acordarem? É melhor perder os anéis e preservar os dedos !!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      Luca

      ± 42 minutos

      Pq não aprovam a pec emergencial em regime de urgência???? Como eles estão fazendo é uma bomba pra vc pobre trabalhador clt, empresário e autônomo

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        Joao Jose da Silva

        ± 51 minutos

        O Auxilio Emergencial de 2020 fez o PIB ir a 7% .....se o governo implantar o Imposto sobre grandes fortunas ....venda de terras a beira mar para os municipios ... corte nos altos salarios dos privilegiados do funcionalismo publico.......da pra manter o Auxilio por 2 anos...e teremos um PIB de 12 % !!!!!!!!!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          Juliano

          ± 4 horas

          Esse auxílio vai até as eleições de 22.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.