Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Sinceramente, a atriz deve sim se explicar sobre as ofensas dirigidas ao povo de Curitiba, bem como sobre o tipo de contrato de trabalho que ela fechou com o governo do estado. Se ela não gosta de nosso povo, deve ser informada de que a recíproca é verdadeira. Aliás, as declarações foram um modo de ela aparecer, pois ninguém havia sentido sua presença na cidade.

Carlos Barroso, Curitiba – PR

Íttala Nandi 2

Acho que a atriz Íttala Nandi, do alto dos seus 50 anos de experiência nas artes cênicas, foi muito feliz em algumas colocações e infeliz em outras. Já morei em Curitiba, onde fiz os meus estudos de nível superior e senti na pele toda essa repressão do povo curitibano, causa principal do provincianismo da capital paranaense. Mas isso faz mais de 20 anos; a cidade não tinha nem 1 milhão de habitantes. O curitibano deveria fazer uma autocrítica e relevar o caso pensando em uma possível mudança nos seus hábitos. De resto, não é verdade que o nosso estado é fascista.

Tirone Todeschini, farmacêutico-bioquímico, Pato Branco – PR

Melhorias na capital

Curitiba transformou-se em um grande canteiro de obras. Nota dez para o prefeito Beto Richa. No último encontro do prefeito com os moradores dos bairros Fany e Lindóia, ele comunicou que, com a criação da Linha Verde, serão asfaltadas as ruas Randolfo Sezerdelo e General Teodorico Guimarães. Acontece que os contribuintes da Omílio Monteiro Soares pedem há tempo o asfaltamento da via pública, uma vez que a parte baixa da rua era uma região de banhados. Há muitas rachaduras nas casas em razão do tráfego intenso. Não seria o caso de beneficiar também esses contribuintes?

Darci de Jesus Andrade, Curitiba – PR

Só no Brasil

Estamos atônitos com o que ocorre neste país. Vemos tantas coisas erradas, mas diante das leis nada podemos fazer. Agora mais uma: tenho uma amiga cuja sobrinha, agora com 7 anos, é surda-muda de nascença. Vimos na Gazeta do Povo notícia de que um médico, em Curitiba, realizou um implante coclear com sucesso e fez com que uma criança com 5 anos voltasse a escutar e, por conseguinte, a falar; isto é maravilhoso, é um avanço desmedido da tecnologia. No entanto, o custo desse aparelho gira em torno de R$ 55 mil, preço alto para a maioria. O SUS não cobre esse tipo de cirurgia. Ao mesmo tempo, tem um deputado que está propondo que a cirurgia para troca de sexo seja custeada pelo SUS. Eleitores deste Brasil, o que é mais importante como serviço público: um adulto trocar de sexo ou uma pequena criança começar a escutar e falar?

Nelson Scheer Junior, Curitiba – PR

Requião

Sou fã do governador Roberto Requião há anos. Votei nele em todas as eleições: para deputado, prefeito e governador. Isso porque ele sempre protegeu e prestigiou as pequenas empresas, fato que permitiu nosso crescimento. Por isso lhe sou muito grata e fiel. Gostaria que ele soubesse que estou à beira de fechar as portas de meu negócio por uma simples razão: a Receita Estadual não fornece mais blocos fiscais (modelo A-1) para empresas que migraram automaticamente para o Supersimples. Como sou distribuidora, não posso mais enviar mercadorias aos clientes lojistas. Fui à Receita e me deram uma senha que permite emitir 15 notas avulsas por mês, um número muito pequeno. Governador, peça para um técnico tentar emitir a nota e verá como é mal elaborada. Peço que investigue e tome providências pra que a economia retome a seu rumo normal.

Cíntia Polezzi, Curitiba – PR

Renovação de CNH

Por que a Ciretran ou o Detran do Paraná não criam uma regra específica para a renovação de carteira das pessoas com mais 10 anos de habilitação que não tenham cometido nenhuma infração grave? Poderia haver, nesses casos, um outro tipo de exame para renovar a carteira.

José Wionzek, Guarapuava – PR

PIB

É incrível imaginar que um país como o nosso tenha arrecadado cerca de R$ 2,3 trilhões somente com impostos, cerca de 34% de seu Produto Interno Bruto (PIB). E o pior que este dinheiro não volta para o contribuinte em forma de benefícios, mas sim em forma de prejuízo para o bolso do trabalhador.

Andreu Agostinho Silvestre, Curitiba – PR

Descaso

Na manhã de 19/8 fui a um supermercado do Jardim das Américas fazer compras. Na guarita que dá acesso ao estacionamento não havia ninguém fornecendo o cartão de controle de veículos. Se alguém fosse assaltado, quem responderia por essa desconsideração ao cliente? Soube que um mesmo funcionário cuida da entrada e saída de veículos e recolhe carrinhos. É preciso ser mágico para dar conta das duas tarefas.

Alcedino Munaro, Curitiba – PR

Sem lógica

Atualmente todos desejam um emprego público pela estabilidade. É enganação: bons profissionais entram nesse tipo de emprego e não desenvolvem seu potencial. Médicos, engenheiros, advogados e outros deixam para trás seus sonhos e vão se dedicar a funções básicas, que outros poderiam realizar. O governo deveria é abrir portas, com menos impostos e mais facilidades, para as empresas privadas crescerem.

Wellington Matta, Curitiba – PR

Carros públicos

Felicito o promotor público Leonardo S. Vilhena, de Ivaiporã, pela instalação de inquérito civil público. Não vejo razão para Câmara ter veículos com dinheiro da população. Fui vereador por nove anos, sem vencimentos. Ocupei a presidência da Câmara e nunca usei veículo público. Não tinha mordomia, nem um simples cafezinho. Trabalhava em sessões noturnas, de segunda a sexta. Não me arrependo. Que todos os promotores públicos do Paraná procedam como o dr. Vilhena.

Ireno Vicente, aposentado, Curitiba – PR

Prefeitura responde

Com relação às cartas contendo comentários sobre os serviços municipais, a Prefeitura de Municipal de Curitiba informa aos leitores:

Jarbas Roberto Batista: que as obras de dragagem no lago do Parque Barigüi são decididas depois de estudos técnicos e econômicos, que levam em conta a legislação ambiental vigente;

Antonio Siqueira: que a prefeitura tem um projeto que prevê a revitalização da Rua Deputado Waldemiro Pedroso e está buscando recursos para as obras, orçadas em R$ 9,4 milhões;

Mario Rocha: que além de intensificar a fiscalização feita pela Diretran na Rua Aluízio França, a Urbs está estudando, em conjunto com a associação dos moradores do Parque Barigüi, com o Batalhão de Trânsito da Polícia Militar e com a Guarda Municipal, medidas para solucionar o problema de racha e das arruaças que se repetem a cada domingo naquela rua.

Secretaria Municipal da Comunicação Social da Prefeitura de Curitiba

Transposição

Será mesmo necessária a transposição do Rio São Francisco? Na tevê, um documentário mostrou piscinões feitos na Ásia, antes de Cristo. Em períodos de chuva armazenavam para quando faltasse. E essas civilizações não pereceram por falta de água. Por que não cavar piscinões nas regiões áridas do Nordeste, empregando moradores locais e gerando milhares de empregos? Desnecessário construir comportas, barragens e outras grandes obras de engenharia. Cavando lagos-piscinões, a natureza fará o resto, aproveitando leito de rios que correm poucos meses no ano para construção de lagos artificiais. Já fazem cacimbas no Nordeste para aproveitar a água da chuva (nossos avós as faziam há um século, aqui em Curitiba, nas colônias). As empreiteiras dirão que é impossível por razões técnicas e sabemos bem o porquê. Soluções simples não interessam.

Gabriel Kalinovski Filho, Curitiba – PR

Fantasma

"A ‘explicação’ do prefeito para a saída do seu chefe de gabinete envolvido com o caso da ‘sogra-fantasma’, como consta na edição de 21/8 da Gazeta, demonstra muito bem como funciona (mal) a cabeça dos políticos tradicionais, para os quais a ética parece pouco importar."

José Nelson Dutra Fonseca, bancário aposentado, Curitiba – PR

***

Praça Carlos Gomes, 4CEP 80010-140 – Curitiba, PR Fax (041) 3321-5472

leitor@gazetadopovo.com.br

Em razão de espaço ou compreensão, os textos podem ser resumidos ou editados. O jornal se reserva o direito de publicar ou não as colaborações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]