i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Ramalhete

Uma religião para todos?

  • Porcarlosgazeta@hsjonline.com
  • 05/09/2012 21:12

50 anos atrás, o grande estudioso do fenômeno religioso Mircea Eliade observou que se estava na etapa inicial de um novo tipo de "religião", baseada no secularismo radical, sem Deus ou deuses. Religião, afinal, é isso: é a ligação, ou busca de ligação, do homem com a ordem de todas as coisas. Nossa sociedade, vendo-se como autora da ordem do mundo, criou esta forma religiosa: uma religião ateia, em que o homem é seu próprio deus.

No paganismo clássico, os deuses são homens aumentados, inclusive em seus defeitos: Mercúrio, Loki ou Exu não são companhias agradáveis, por mais que com eles seja possível negociar. Nesta nova "religião", no entanto, o homem não é aumentado; ao contrário, suas funções fisiológicas e prazeres sensíveis tornam-se o objeto do culto. Busca-se a saciedade, não a perfeição.

Como observava Chesterton, contudo, quem não acredita em Deus acaba acreditando em qualquer besteira. Raros são os que conseguem se manter puros e duros nesta secularização radical; dentre os que tentam, quase sempre surgem fetiches – pensamento positivo, meias da sorte, bonequinhos do sucesso – para saciar a sede natural de um sagrado.

O resultado é uma "religião" que já nasce em crise e, apesar de ter atingido a quase unanimidade do discurso público – especialmente no Brasil, onde não é de bom tom retrucar à autoridade –, comporta-se como religião em decadência. Assim como no fim do Império Romano os cristãos foram atirados aos leões e após a Idade Média "bruxas" foram queimadas, hoje é atacado quem ouse divergir dos dogmas secularistas do momento.

Toleram-se, a contragosto, os parachoques de caminhão com suas frases religiosas e folcloriza-se esta ou aquela festa de padroeiro, mas sempre com uma visão paternalista, que percebe os pobres como ignorantes que ainda não acederam aos impolutos dogmas secularistas. Se, no entanto, o discurso político ou público não se atém à mais perfeita ortodoxia secularista, acendem-se as fogueiras, soltam-se os leões.

Vamos ver quanto tempo isso ainda dura.

Em tempo:

A grita levantada por alguns grupos de pressão contra a minha coluna da semana passada, em favor da adoção por famílias tradicionais, fez com que infelizmente alguns percebessem como ofensivas menções a certos grupos, como os professores, as famílias adotantes e as crianças vítimas de abusos ou bullying. Quem me lê sempre sabe da minha admiração pelos heróis e heroínas do magistério e da minha constante acusação contra qualquer forma de covardia e boçalidade. É em defesa dessas vítimas que sempre levanto a minha voz. Lamento e peço desculpas por qualquer mal-entendido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.