• Carregando...
Desconfiado das pessoas? Projeto aponta como vencer barreira crônica entre curitibanos
| Foto: Instituto Sivis/Divulgação

A falta de confiança no próximo e nas instituições formadas pela comunidade pode explicar a resistência do curitibano em buscar participação social. Além disso, a inexistência do sentimento de pertencer faz com que o cuidado com o que é de todos muitas vezes seja deixado de lado.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Essas são as principais conclusões de um trabalho de pesquisa realizado com mais de 100 lideranças da capital paranaense ao longo deste ano (2019). O levantamento foi feito pelo Instituto Sivis - antigo Instituto Atuação -, que está em Curitiba desde 2010 e tem o objetivo de fortalecer a democracia. Ao longo de 2019, encontros foram promovidos com líderes comunitários para buscar compreender a falta de engajamento dos curitibanos.

O Relações Institucionais do Sivis, Jamil Assis, explica que é preciso incentivar a participação nos processos coletivos. Para isso, garante, é necessário que as pessoas entendam que podem agir e promover mudanças no ambiente em que estão inseridas. “Um dos problemas é o sentimento de falta de eficácia, de ‘quem sou eu para transformar a sociedade’”, pontua.

Juntamente com essa sensação de incapacidade está a falta de confiança de que vale a pena o empenho e a dedicação em algo que é de todos. E essa falta de confiança é comprovada em números. Segundo pesquisa realizada no ano passado (2018) pelo Latinobarômetro, apenas 4% dos brasileiros confiam em outras pessoas. O levantamento mostrou que para 84,2% dos entrevistados somente amigos e familiares são confiáveis.

Mas há exemplos que mostram o quanto confiança e engajamento mudam a comunidade. Um desses exemplos vem do bairro Tatuquara, em Curitiba, e tem nome e sobrenome: Associação Vovô Vitorino. A entidade, sem fins lucrativos, atua há 27 anos com o objetivo de transformar a comunidade. E a missão tem dado certo.

Atualmente, aproximadamente 500 pessoas passam pela associação todos os meses. Há espaço para crianças, adolescentes, adultos e idosos. As atividades são diversas: projeto de educação infantil, projeto para interação de jovens e formação de líderes, oficinais que ajudam no aprendizado de novas habilidades para o mercado de trabalho. Isso sem citar as aulas de dança, artesanato, música, programas de reciclagem.

A coordenadora de projetos da Associação, Maria Julia Xavier, diz que o espaço é respeitado por todos no bairro. Para ela, os moradores sentem satisfação em contar com um local de apoio e, por isso, respeitam e se sentem parte dos projetos. “Nós temos um muro gigante e não temos nenhuma pichação. Há respeito pelo local, a própria comunidade ajuda a cuidar”, avalia.

A entidade atende uma média de 5 mil pessoas por ano. Todas as aulas, oficinas e eventos promovidos são gratuitos. O local tem parcerias com grandes empresas, mas não recebe recursos públicos.

A Associação Vovô Vitorino é uma das que participa de estudos e projetos constantes do Instituto Sivis. Os aprendizados obtidos pela entidade são compartilhados com outras pessoas e instituições. Para expandir e multiplicar ações de engajamento e colaboração, o Instituto Sivis lança, na semana que vem, o documento Agenda Comum. A publicação faz parte do programa Cidade Modelo, que pretende traçar possibilidades para fortalecer a cultura democrática e gerar impacto global.

O evento de lançamento do Agenda Comum é na próxima segunda-feira (25), no Encontro da Amazônia, rua Nilo Peçanha, 1907, bairro Bom Retiro, em Curitiba. Interessados precisam se inscrever por email: sara@sivis.org.br.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]