Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Estrada administrada pela Ecovia
Estrada administrada pela Ecovia| Foto: Divulgação/Ecovia

Daqui menos de 15 dias, chegam ao fim os contratos do governo do Paraná com as seis concessionárias de rodovias que atuam no Anel de Integração desde 1997 – período marcado por polêmicas que vão do valor da tarifa cobrada na praça de pedágio até as investigações ligadas à Operação Integração, do Ministério Público Federal (MPF). Mas, concessionárias de pedágio saem em defesa dos seus legados, reforçando números registrados ao longo de 24 anos de concessão, de socorro médico a obras. Responsável por administrar a BR-277, que é a principal ligação rodoviária entre Curitiba e o Litoral do Paraná, a concessionária Ecovia alega que encerra suas atividades “com resultados positivos”.

A Ecovia, que também administra as rodovias estaduais PR-407 (Pontal do Paraná) e PR-508 (Alexandra-Matinhos), calcula ter atendido mais de 800 mil ocorrências – das mais simples às mais complexas. A maior parte se refere a “panes e incidentes” e 60 mil são atendimentos pré-hospitalares (feridos em acidentes ou até auxílio a partos).

Segundo a empresa, foram mais de 130 milhões de motoristas de veículos leves e pesados que circularam de novembro de 1997 até setembro deste ano nas estradas entre a capital e Litoral.

No levantamento realizado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), do governo do Paraná, somente a receita da Ecovia com cobrança de pedágio, desde o início da concessão rodoviária até o ano passado, foi de quase R$ 5,5 bilhões, em valores corrigidos em 1º de dezembro de 2020.

ISS para municípios

A empresa também informa que “contribuiu com o desenvolvimento econômico e sustentável” dos oito municípios que fazem parte da concessão. São as cidades cortadas pelas rodovias administradas pela Ecovia e que receberam um total de mais de R$ 180 milhões em ISS (Imposto sobre Serviços) ao longo de 24 anos: Morretes (R$ 64 milhões), Paranaguá (R$ 48 milhões), São José dos Pinhais (R$ 30 milhões), Matinhos (R$ 12 milhões), Pontal do Paraná (R$ 11 milhões), Antonina (R$ 7 milhões), Curitiba (R$ 6 milhões) e Piraquara (R$ 1,7 milhão).

Obras

Em relação às obras, a Ecovia calcula mais de R$ 600 milhões em investimentos “nas obras de pavimentação, restauração, ampliação, sinalização horizontal e vertical, construção e recuperação de pontes e viadutos” ao longo das três rodovias – BR-277, PR-407 e PR-508.

A empresa destaca a construção dos viadutos sobre a Avenida Rui Barbosa, no km 74,3, e de Borda do Campo, no km 66, que são vias urbanas de acesso aos bairros do município de São José dos Pinhais, e sobre o acesso à cidade de Morretes, no km 29. Outra obra destacada pela empresa é a duplicação da PR-407, rodovia que liga a BR-277 ao município de Praia de Leste.

Para a travessia segura ao longo das rodovias, a Ecovia implantou 16 passarelas localizadas nos perímetros urbanos de Curitiba, São José dos Pinhais e na região do litoral. As mais recentes foram implantadas na avenida Ayrton Senna, em Paranaguá, e no km 61, em São José dos Pinhais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]