Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Trem da Ferroeste
Nova Ferroeste vai ligar Mato Grosso do Sul ao porto de Paranaguá.| Foto: Jaelson Lucas/ANPr

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) assinou na última segunda-feira (27) a autorização para a construção de mais um ramal ferroviário da Ferroeste. O ramal entre Guarapuava e Paranaguá é o quarto e último dos ramais cujas autorizações forma solicitadas pelo Governo do Paraná junto à Agência Reguladora. Os outros três ramais (Cascavel – Chapecó, Cascavel – Foz do Iguaçu e Dourados – Maracaju) já haviam sido autorizados no último dia 09. Com isso, o projeto da Nova Ferroeste, com todos os seus ramais, está liberado pela ANTT para ser licitado na Bolsa de Valores, o que o governo pretende fazer no segundo trimestre de 2022.

A autorização (novo modelo de concessões aprovado para ferrovias) dos ramais era fundamental para viabilizar o projeto de concessão da Ferroeste, uma vez que, em grande parte, são os ramais que vão garantir o transporte das mercadorias até o traçado principal para o escoamento da produção para o porto de Paranaguá. Hoje, o traçado da Ferroeste vai de Cascavel a Guarapuava. Quando concluída, a linha férrea terá 1.304 quilômetros ligando Maracaju (MS) a Paranaguá (PR).

O ramal entre Guarapuava e Paranaguá tem 407 quilômetros e vai transpor dois grandes gargalos no transporte ferroviário paranaense, com a construção de novas descidas da Serra da Esperança, no município de Inácio Martins e na Serra do Mar, entre São José dos Pinhais e Morretes.

Dividido em dois lotes – (Bolsa Nova - Paranaguá e Guarapuava – Balsa Nova) o projeto prevê R$ 9,6 bilhões em investimentos e um tempo estimado de construção de 5 anos para o primeiro lote (que será o primeiro a ser executado) e mais três anos para o segundo lote. Toda a obra já será executada pela empresa vencedora do leilão de concessão.

Vencida a questão dos ramais, o Governo do Paraná aguarda, agora, a aprovação do Estudo de Impacto Ambiental pelo Ibama, para, posteriormente, promover audiências públicas sobre a concessão e, após essas etapas, elaborar o edital para a licitação, que pretendo promover no segundo semestre de 2022.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]