Barreira sanitária para prevenir o avanço da Covid-19 funcionaram até o domingo de Páscoa.
Barreira sanitária para prevenir o avanço da Covid-19 funcionaram até o domingo de Páscoa.| Foto: Facebook prefeitura de Guaratuba

Guaratuba, no litoral do Paraná, teve redução de 61% na média móvel de casos de coronavírus no intervalo entre 19 de março e 5 de abril. O dado foi divulgado pela prefeitura, que atribui a diminuição expressiva às medidas restritivas adotadas ao longo do último mês e meio para tentar conter o avanço acelerado da pandemia.

Receba notícias do Paraná no seu WhatsApp

No fim de semana entre os dias 19 e 22 de março Guaratuba decretou um lockdown mais rígido do que o adotado nas cidades vizinhas: por 77 horas, somente farmácias e serviços de saúde foram autorizados a abrir e a circulação de pessoas na rua era permitida apenas em casos de emergência. Restaurantes e mercados não puderam funcionar nem mesmo na modalidade de entregas.

Além disso, desde o dia 15 de março foram instaladas barreiras sanitárias nas entradas da cidade. Somente moradores e prestadores de serviços essenciais podiam passar. As barreiras permaneceram restringindo o acesso até o último domingo (4), feriado de Páscoa.

“Para a gente ficou muito clara a relação entre essas 77 horas sem circulação de pessoas e a diminuição drástica de casos 15 dias depois. Lockdown funciona, o problema é que um prefeito sozinho não consegue sustentar isso por muito tempo", defende o prefeito do município, Roberto Justus (DEM).  

Segundo a prefeitura, a média de mortes também caiu no período. Foram seis óbitos registrados na semana passada, contra uma média de 12 em cada uma das semanas anteriores de março. No boletim epidemiológico de terça-feira (5), nenhum caso novo de Covid-19 foi registrado na cidade, enquanto 22 pacientes aguardavam o resultado de exames. No dia 19 de março, foram 30 confirmações e 137 suspeitas da doença.

Barreiras acabaram, mas podem voltar

As restrições foram adotadas depois que a cidade viu explodir o número de casos da Covid-19. Somente entre 1º de janeiro e 15 de março a cidade ultrapassou os números da pandemia ao longo de todo o ano de 2020. Nesse período, foram 1.952 novas infecções e 52 mortes, enquanto que em 2020 Guaratuba teve 1.413 infectados e 34 óbitos.

Com o fim do feriado de Páscoa e o registro de redução de casos, a entrada nos municípios da região litorânea voltou a ser livre. Guaratuba deve decretar ainda nesta quarta-feira (7) a reabertura de praias e praças públicas para a circulação de visitantes.

"Apesar de não ser o mais recomendado, a gente tem permitido o funcionamento das atividades essenciais e não essenciais no município. Temos uma relação respeitosa com os setores econômicos. Tanto é que durante os períodos mais restritos a gente teve mais problemas com reuniões e festas ilegais do que com o desrespeito no comércio”, afirma Justus.

Apesar do "respiro" nos números da pandemia, o prefeito não descarta a adoção de novas barreiras e decretos de restrição se os índices casos voltarem a subir.

Colapso do atendimento de saúde

Um dos principais indicadores que influenciaram na decisão de restringir atividades, segundo a prefeitura, foi o colapso no sistema de saúde do município, que não tem hospital público nem leitos de UTI. “Chegamos ao ponto de ter paciente no respirador sentado numa cadeira de plástico no corredor da nossa Unidade de Saúde, além de paciente intubado em leito clínico, aguardando sete dias por uma transferência para UTI”, diz o prefeito.

As sete cidades do litoral paranaense têm como referência para internamentos em UTI apenas o Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá. Segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), terça-feira, 26 das 35 vagas de UTI estavam ocupadas.

Com população estimada em pouco mais de 37,5 mil pessoas, Guaratuba contabiliza atualmente 3.787 casos confirmados de Covid-19, entre eles 2.866 recuperados, além 118 óbitos pela doença.

15 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]