i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça Federal

Juiz condena dono de frigorífico e mais 5 em ação penal da Operação Carne Fraca

    • Gazeta do Povo
    • 19/10/2020 20:55
    Juiz condena dono de frigorífico e mais 5 em ação penal da Operação Carne Fraca
    | Foto: Arquivo Gazeta do Povo

    O juiz federal Ricardo Rachid de Oliveira, da 14ª Vara Federal de Curitiba, condenou seis pessoas em uma ação penal derivada da Operação Carne Fraca, deflagrada em 2017 pela Polícia Federal e Ministério Público Federal com foco na relação entre empresários/funcionários de frigoríficos e servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

    RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

    A sentença foi assinada no último dia 14. Nela, além de condenar seis réus, o juiz federal também absolveu um e declarou extinta a punibilidade de outro. Trata-se da sétima sentença da Operação Carne Fraca, no âmbito da Justiça Federal paranaense.

    Além das penas de prisão, os seis condenados pagarão multas, a título de reparação de danos. Entre os condenados, está Idair Antônio Piccin, dono da Peccin Agroindustrial Ltda. Ele foi condenado a 12 anos e 5 meses de reclusão, em regime inicial fechado, por crimes como corrupção ativa e alteração de produtos alimentícios e emprego de substância não permitida.

    Em nota à imprensa, nesta segunda-feira (19), o advogado de Piccin, Elias Mattar Assad, informou que “discorda tecnicamente da sentença condenatória” e que vai recorrer ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4): “A defesa vislumbra graves nulidades no processo e erronia na apreciação das provas”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.