i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Alep

Servidores do Legislativo também podem ficar sem licença-prêmio no Paraná

  • PorCarlos Coelho
  • 17/09/2019 20:02
Assembleia Legislativa do Paraná
| Foto: Nani Gois/Alep

A possível substituição da licença especial dos servidores do Executivo por uma licença-capacitação poderá mexer também com o regime dos servidores de outro Poder, o Legislativo. É que o projeto de lei complementar proposto pelo governo do estado (PLC 9/2019) altera as normas de uma legislação que também é aplicada aos funcionários estáveis da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

RECEBA as notícias de Paraná pelo messenger do Facebook

A Alep até tem uma lei própria para os seus funcionários. É a 18.135, de 2014. No entanto, tal texto dispõe apenas sobre algumas normas e remete os outros assuntos à Lei 6.174, que é o estatuto do servidor do Executivo -- o texto que o PLC da licença-prêmio pretende alterar. Entre os assuntos remetidos está a licença especial (ou licença-prêmio).

Por e-mail, a assessoria de comunicação da Alep apontou que "o referido projeto trata exclusivamente da questão no âmbito do Poder Executivo. Com relação ao Poder Legislativo não há nenhum encaminhamento sobre o tema". No entanto, a assessoria ainda não respondeu sobre o respaldo jurídico para tal afirmação, já que a lei a ser alterada vale para ambos os Poderes.

Vice-líder do governo na Alep e relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o deputado Tiago Amaral (PSB) aponta que o projeto vai, sim, alterar o regimento dos servidores do Legislativo. À Gazeta do Povo, ele apontou que "não foi a intenção" do texto mexer no regime do Legislativo, mas que é uma "consequência" da legislação mista utilizada pelo Poder.

De acordo com seu portal da transparência, a Assembleia tinha 223 servidores estáveis em julho, que estariam sujeitos à alteração. Pelo portal, não é possível saber se o servidor tem licenças especiais já vencidas ou próximas do vencimento. A reportagem ainda aguarda resposta da Casa sobre se há passivo (servidores a serem indenizados, caso a lei seja aprovada) e qual seria seu valor. Os pagamentos devem sair do orçamento do Legislativo, destaca Amaral.

O projeto de lei complementar segue na CCJ, para análise de sua constitucionalidade. O parecer favorável, de Amaral, deverá ser votado na sessão da terça-feira (24).

Especial: presídios privados no Brasil

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • P

    PAULOFUR

    ± 0 minutos

    Certamente, só valerá para o Executivo. Os demais Poderes legislam em causa própria e darão o seu "jeitinho" para manter a mamata. Essa licença-capacitação não passa de conversa prá boi dormir.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • K

    kkc_h@hotmail.com

    ± 7 horas

    Eu duvido!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André

    ± 10 horas

    "Não era intenção mexer no regime legislativo". A intenção era tirar a licença só dos policiais e deixar os bravos guerreiros da Alep com sua licença quinquenal para que possam se recuperar psicologicamente dos traumas do serviço. Kkk

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Meg Litton

    ± 11 horas

    Por quê "regime diferenciado" para o funcionalismo??? E por quê os contribuintes tem que sustentar este tipo de "privilégio"????

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.