i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Alívio no sistema

Depois de beirar o colapso, ocupação de UTIs desacelera em Curitiba e no estado

  • 31/08/2020 19:17
Oferta de UTIs no estado vem variando de acordo com ativação de leitos
Oferta de UTIs no estado vem variando de acordo com ativação de leitos| Foto: Divulgação CHC

A ocupação de leitos de UTI específicos para Covid-19 no estado e, principalmente, na capital, foi por muito tempo o indicador que causou maior preocupação nas autoridades de saúde nestes cinco meses de enfrentamento da pandemia de coronavírus. O esgotamento da capacidade de atendimento indicava o risco de colapso no sistema de saúde, com pacientes podendo ficar sem atendimento por falta de vaga em hospitais. Em Curitiba, a taxa de ocupação chegou a 95% em 16 de julho, mas, desde então, vem decrescendo. Nesta segunda-feira, 31 de agosto, a ocupação era de 81%, com 68 leitos disponíveis. É a menor ocupação e maior oferta de leitos vagos nos últimos dois meses.

As principais notícias do Paraná no seu whatsapp

Ao comentar a redução na ocupação dos leitos, a secretária municipal de saúde Márcia Huçulak afirmou, na última sexta-feira (28), na apresentação do boletim semanal do município, que a prefeitura poderá, a partir desta semana, reduzir o número de leitos exclusivos para Covid-19, mantendo a ocupação na margem de 80%, mas liberando leitos para atendimentos a outras situações de saúde. “Nós ativamos 355 e agora vamos desativar para voltar algumas atividades que já discutimos com nossos pares. Retomar algumas cirurgias eletivas que nós paramos nesse momento de pandemia. Entendemos que também precisamos dar conta de outras situações de saúde da população”, disse.

A suspensão das cirurgias eletivas foi uma das medidas tomadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para evitar que pacientes no pós-operatório ocupassem leitos de UTI, liberando mais vagas para pacientes com Covid-19. Na sequência, em 24 de julho, o governo do estado decretou a suspensão dos procedimentos também na rede particular, para reduzir o consumo de medicamentos sedativos e anestésicos necessários para a intubação de pacientes graves de Covid-19 e que chegaram a faltar em alguns hospitais do estado. Tal decreto foi flexibilizado há 10 dias, quando o estado restringiu apenas os procedimentos que demandem terapia intensiva no pós-operatório ou em pacientes sob anestesia geral.

A situação das UTIs no estado não chegou a ficar tão crítica como na capital. A maior ocupação foi registrada em 28 de julho, com 79% dos leitos em uso. Mas, em algumas regiões, houve risco de colapso. A ocupação na regional Leste (Região Metropolitana de Curitiba, Litoral e Campos Gerais) chegou a 92%. Na regional Oeste, a taxa chegou a 83%, mas cidades como Toledo e Francisco Beltrão viram seus hospitais lotarem e precisaram transferir pacientes para outras localidades. Hoje, a ocupação é de 71% no estado, com 316 leitos livres.

O diretor de Gestão em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde, Vinícius Filipak, explicou que à medida que o estado constate a vacância de leitos acima de uma margem de segurança de oferta, eles deverão ser desabilitados. “O estado fez uma ampliação de leitos que não será mantida depois da pandemia. Poucos leitos Covid passarão para a rede, a maior parte será desativada, não há disponibilidade orçamentária para mantes essa ativação para a rede pública”, afirmou, lembrando que cada leito de UTI habilitado custa R$ 800,00 por dia para os cofres públicos, quando desocupado, e R$ 1600,00 quando ocupado. Assim, os leitos habilitados junto a hospitais particulares e filantrópicos deverão ser “devolvidos” para uso particular dos hospitais.

Filipak comentou também que a restrição às cirurgias eletivas, hoje, deve-se muito mais ao problema com o abastecimento de medicamentos do que pela escassez de leitos. “A situação dos medicamentos anestésicos está bem mais favorável agora, mas o risco ainda não foi eliminado, por isso ampliamos a possibilidade de retorno dos procedimentos eletivos sem anestesia geral e sem a utilização de UTI, para economizar no medicamento. A situação mais urgente é a de medicamentos, não a de leitos”, concluiu.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • N

    NELSON UMEDA

    ± 0 minutos

    Será que não foi porque a população começou a se tratar preventivamente tomando cloroquina e ivermectina? Tanto é que não se encontra estes medicamentos nas farmácias. Mas nas unidades de saúde o protocolo seguido ainda é o do Mandetta, isto é: fica em casa aguardando o agravamento, daí procure os hospitais. Todos; secretário de saúde do Estado (que por sinal é do PT) e secretária da saúde municipal, continuam sendo contra a cloroquina.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luis Renato Queiroz

    ± 1 dias

    Leiam os dados sem paixão política ou pessoal : o gerenciamento foi, e está sendo, bem feito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Dias

    ± 1 dias

    Graças a Deus. Pois não foi graças aos gestores da saúde pública.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JJP

    ± 1 dias

    que ótima notícia! só tem que mandar embora essa secretária ********, mau caráter...... e etb enfiar ozônio no ú dela! incompetente, só está preocupada em releeleger o grecanalha!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]