Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Começa a operação de derrocagem no porto de Paranaguá.
Começa a operação de derrocagem no porto de Paranaguá.| Foto: Claudio Neves

Depois de ser suspensa por decisão judicial e adiada por três vezes por condições climáticas adversas, a detonação das rochas submersas da Pedra da Palangana foi iniciada na última segunda-feira (6), no Porto de Paranaguá.

Cadastre-se e receba as principais notícias do Paraná pelo WhatsApp

Segundo a diretoria de engenharia e manutenção do porto, tudo ocorreu dentro do esperado, com sucesso, no primeiro dia de detonação. A operação prossegue nesta quarta-feira (8), a partir das 16 horas, a depender das condições operacionais, meteorológicas e ambientais, conforme informou a administração.

A previsão é que o procedimento completo, que inclui mobilização dos equipamentos, perfuração, desmonte e remoção das rochas, demore oito meses. Serão retirados cerca de 12% do complexo rochoso que forma a Pedra da Palangana, localizada no principal acesso ao terminal portuário, o Canal da Galheta. O porto informa que a operação é necessária para permitir ampliar a capacidade operacional, viabilizando a atracação de navios de grande porte e com grandes volumes de carga.

Esses navios têm maior calado (a medida da parte submersa da embarcação) e hoje não podem atracar devido ao tamanho das rochas. A detonação visa também questões de segurança para a navegação marítima, já que entre 2001 e 2013, aconteceram três acidentes com navios colidindo com o complexo rochoso.

A operação havia sido suspensa em junho desse ano por liminar em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual, que cassou a licença ambiental. O porto recorreu e a liminar foi derrubada pelo TRF4 em agosto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]