Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ratinho e Moro
Sergio Moro, ao lado do governador do Paraná, Ratinho Junior, em visita a SJP.| Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná

Em um mês de implantação, o programa Em Frente Brasil, do governo federal, registra bons resultados em São José dos Pinhais, uma das cidades escolhidas para abrigar o projeto-piloto de segurança pública: redução no número de homicídios dolosos, de 5 para 3; e no de roubos, de 209 para 158 (ou seja, 24%) - comparado a setembro de 2018.

RECEBA as notícias de Paraná pelo messenger do Facebook

Foi para apresentar esses resultados e visitar as instalações da polícia integrada que o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, visitou a cidade da região metropolitana de Curitiba nesta sexta-feira (4).

Em conversa com jornalistas, Moro destacou que bons números têm sido registrados em todas as cinco cidades escolhidas para o projeto. Para ele, as força do programa são a integração das diferentes esferas de poder público - cidade, estado e união - e os estudos de inteligência que resultarão em insights para o combate à violência a longo prazo. "Não é uma corrida de 100 metros, é uma maratona", disse.

“A União Federal durante muito tempo atuava muito por demanda: havia uma crise de segurança no estado, manda para lá a Força Nacional. A ideia desse projeto era colocar a União mais próxima da criminalidade violenta”, apontou. “É um projeto-piloto. Queremos aprender com esses erros e acertos. Não queremos dar um passo maior do que nossas possibilidades. Muitos programas começaram bem e se perderam ao expandir em demasia sem que tivesse condições fiscais e de recursos humanos para agir dessa forma”.

Para cumprir esse papel, o governo federal enviou um efetivo de 100 homens da Força Nacional, que estão fazendo rondas e atuando ostensivamente no município. Em paralelo, um trabalho de inteligência está levantando itens tendem a propiciar a violência, destacou Moro, como escassez de programas sociais ou deficiências urbanísticas (postes sem luz, por exemplo).

Ao ser lançado, o programa havia sofrido críticas por incluir poucos municípios e poder causar uma migração da criminalidade para áreas vizinhas. O ministro que a aposta em poucos municípios não elimina o olhar sobre toda a região. Ele destacou a atuação de polícia federal e polícia rodoviária federal na apreensão de drogas e armas como uma ação que beneficia não só São José dos Pinhais, mas também outras cidades da RMC. "Não queremos que o bandido se mude de cidade. Queremos que ele mude para a cadeia", disse.

Não queremos que o bandido mude de cidade, queremos que se mude pra cadeia

Sergio Moro, ministro da Justiça e da Segurança Pública

A escolha de São José

A cidade na região metropolitana de Curitiba foi umas das únicas cinco do país escolhidas para ser piloto neste programa - as outras são Ananindeua (PA), Cariacica (ES), Goiânia (GO) e Paulista (PE).

Com isso, a cidade paranaense recebe efetivo da Força Nacional – polícia pertencente à União – e R$ 4 milhões para serem aplicados em ações que impactem na diminuição da criminalidade.

O objetivo do programa, diz o governo federal, é reduzir os homicídios. Em São José dos Pinhais, estes crimes são relacionados principalmente ao tráfico de drogas. A violência resultante de assaltos, porém, também preocupa os habitantes do município, como a reportagem observou no local.

Os números divulgados pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública mostra que o programa pode já ter surtido efeito no município. Além dos números citados no ínicio da reportagem, de janeiro até o dia 30 de setembro, São José teve 39 homicídios e 1.799 roubos. No mesmo período do ano passado, haviam sido 45 assassinatos e 2.208 roubos.

Quando analisada a média das cinco cidades participantes do programa, a redução nos homicídios no mês de setembro de 2019, comparado a setembro de 2018, foi de 36,7% (de 866 para 548).

Especial eleições: confira quem são os pré-candidatos nas principais cidades do PR

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]