Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Vereadores aprovam reajuste de 3,14% para servidores e conselheiros tutelares de Curitiba
Prédio-sede da prefeitura de Curitiba.| Foto: Albari Rosa/Arquivo/Gazeta do Povo

Por unanimidade, os vereadores de Curitiba aprovaram na manha desta terça-feira (1º) o reajuste linear de 3,14% proposto pelo prefeito Rafael Greca (DEM) na remuneração de servidores ativos, aposentados, pensionistas, empregados públicos e ocupantes de funções gratificadas e cargos em comissão e no subsídio de agentes políticos da administração municipal.

Receba as principais notícias do Paraná pelo WhatsApp

Também foi aprovado em consenso projeto que prevê reajuste, no mesmo índice, dos subsídios mensais dos conselheiros tutelares do município, que passarão a receber R$ 5.045,09. Ambas as proposições aprovadas tramitaram em regime de urgência e têm efeito retroativo ao dia 1º de novembro de 2020.

Ainda de acordo com a prefeitura, o reajuste vai gerar um impacto financeiro de R$ 22,5 milhões neste ano e, em 2021, de R$ 139 milhões. O governo garante ainda que a reposição salarial "não elevará a despesa pública acima do suportado pelo orçamento municipal" e que será respeitado o limite prudencial para gastos com pessoal, de 46% da receita corrente líquida.

O porcentual de 3,14% repõe perdas inflacionárias, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado no período de outubro de 2019 a setembro de 2020.

De acordo com a Lei Eleitoral, em ano de eleição é permitida exclusivamente a recomposição salarial, ou seja, o percentual correspondente à inflação. Além disso, a Lei de Responsabilidade Fiscal também desautoriza a concessão de aumento acima da inflação aos servidores nos últimos 180 dias da gestão. E a lei complementar 173/2020, que criou o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus, de maio deste ano, limitou à reposição da inflação medida pelo IPCA, qualquer reajuste de servidores."

Ainda assim, a base de cálculo foi questionada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc), que defendia a reposição do período de 1º de novembro de 2019 a 31 de outubro de 2020, o que resultaria em um reajuste de 3,92%.

Apesar disso, base e oposição concordaram com o porcentual proposto pelo Executivo. A líder da oposição, Professora Josete (PT), aproveitou a discussão do projeto para pedir ao prefeito a revisão dos planos de carreira dos servidores, congelados desde 2017. “Além de garantir esse reajuste, é fundamental que a administração municipal busque o diálogo com os servidores por meio das entidades sindicais que representam as diversas categorias, para que possamos retomar a discussão dos planos de carreira”, disse.

“Entendemos que, apesar de existir legislação que determina esse congelamento até 2021, é possível, dependendo da vontade política do prefeito, rever essa legislação e buscar fazer com que as discussões avancem”, afirmou a vereadora, a única a discutir o projeto.

Sinalização sonora e em braile em elevadores

Ainda na sessão desta terça (1º), a Câmara Municipal de Curitiba aprovou dois projetos de iniciativa individual de vereadores. A primeira, de autoria de Maria Letícia (PV), prevê que os elevadores da cidade devam dispor de sinalização sonora específica de voz, que informe em qual andar se encontra; e sinalização em braile junto às botoeiras externas do elevador, informando em qual andar da edificação a pessoa se encontra. Caso aprovado em segundo turno e sancionado pelo prefeito, empresas e administradoras responsáveis por elevadores terão prazo de 36 meses após a publicação para adequação.

Contratação de aprendizes pelo município

Outro projeto de lei aprovado dispõe sobre a contratação de aprendizes pelos órgãos da administração pública direta, indireta, autárquica e fundacional do Executivo municipal. Proposto pelo vereador Felipe Braga Côrtes (PSD), o texto tem como justificativa estimular, no poder público, a capacitação e a inserção dos jovens entre 14 e 24 anos de idade no mercado de trabalho. Caso sancionada, a lei entra em vigor 180 dias após a publicação em diário oficial e os porcentuais devem ser definidos pela própria prefeitura, por meio de decreto.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]