i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ressarcimento

TJ derruba liminares contra deputados por uso da verba de alimentação

  • PorCatarina Scortecci
  • 02/08/2019 18:52
Presidente da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano (PSDB)
Presidente da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano (PSDB)| Foto: Dálie Felberg/Alep

O desembargador Wellington Emanuel Coimbra de Moura, presidente em exercício do Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná, suspendeu todas as liminares concedidas no bojo de processos que contestam notas fiscais de despesas com alimentação feitas por deputados estaduais e ressarcidas pela Assembleia Legislativa. A decisão é desta sexta-feira (2) e atende a um pedido do presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Ademar Traiano (PSDB).

Autora das ações civis públicas que geraram as liminares, a ONG Vigilantes da Gestão Pública defende que a Assembleia Legislativa não deveria pagar por gastos com alimentação em Curitiba, onde está a sede do Poder Legislativo, ou na base eleitoral do parlamentar. Para a ONG, somente gastos com alimentação em viagens poderiam ser ressarcidos. Já a Assembleia Legislativa argumenta que, ao fazer o ressarcimento de tais notas fiscais, a Casa não está descumprindo a regra.

Uma das liminares atingiu o atual deputado federal e ex-deputado estadual Felipe Francischini (PSL) – em abril, a 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba bloqueou mais de R$ 100 mil do político por gastos feitos na legislatura encerrada em janeiro deste ano. Por causa disso, a própria Assembleia entrou com um pedido de suspensão da liminar ao TJ.

Ao analisar o pedido da Assembleia, Coimbra de Moura suspendeu a liminar contra Francischini e estendeu a mesma decisão para todos os demais casos - mais seis liminares que tinham sido concedidas no âmbito do primeiro grau do Judiciário contra os deputados estaduais reeleitos Francisco Buhrer (PSD), Ricardo Arruda (PSL), Professor Lemos (PT), Marcio Nunes (PSD), Annibelli Neto (MDB) e Plauto Miró (DEM). Marcio Nunes está licenciado para o comando da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, da gestão Ratinho Junior (PSD).

Na maioria dos casos, as liminares determinaram o bloqueio provisório de bens dos parlamentares, até o julgamento do mérito das ações civis públicas. Agora, com a suspensão determinada pelo TJ, os bens devem ser desbloqueados.

Em seu pedido, a Assembleia defendeu que as liminares "adentram indevidamente os atos de caráter interna corporis da Assembleia, substituindo de forma indevida o administrador público".

O desembargador acolheu o argumento. “Constata-se a existência de lesão à ordem pública, em sua acepção jurídico-administrativa, tendo em vista que a decisão impugnada impede que os agentes políticos que hoje compõe a Assembleia Legislativa exerçam em plenitude seus mandatos eleitorais”, escreveu o presidente em exercício do TJ.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    ALCIONE PRA

    ± 0 minutos

    TEM QUE DAR NS CARA DESSES *********S: JUIZES CORRUPTOS E DE****DOS CORRUPTOS! FARINHA DO MESMO **** PAÍS ENTERRADO NAS MÃOS DE ********** QUE SÓ ENCHEM SEUS BOLSOS E DIZEM QUE OS SERVIDORES SÃO OS CULPADOS! VAMOS MATAR ESSES VAGABUNDOS!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcelo Martins

    ± 1 horas

    São os glutões chafurdando nos impostos do povo. Todos comendo na mesma lama!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz Fernando K.

    ± 11 horas

    Interessante, quando o estado mete a mão no bolso do cidadão, aí todos os " magistrados "autorizam . Esta República de Curitiba me envergonha. Esta mais para Capitania de Curitiba.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    William Munny

    ± 13 horas

    É o “sistema” de condescendência entre "compadres" dos três poderes agindo para garantir as benesses através de “troca de favores” em momentos oportunos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 14 horas

    Ué, foi o povão que escolheu de livre e espontânea vontade estes “representantes do povo”, inclusive reelegendo a maioria, e agora ficam reclamando??

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • V

      VivaoBrasil

      ± 13 horas

      Maquiavel: Dê uma sugestão. Apenas uma. TODOS não prestam.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • M

      Maquiavel

      ± 14 horas

      Na próxima eleição aprendam a votar....

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 14 horas

    Vontade de vomitar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 14 horas

    "O desembargador acolheu o argumento. “Constata-se a existência de lesão à ordem pública, em sua acepção jurídico-administrativa, tendo em vista que a decisão impugnada impede que os agentes políticos que hoje compõe a Assembleia Legislativa exerçam em plenitude seus mandatos eleitorais”, escreveu o presidente em exercício do TJ." PUHTAQUESPARTIU... VTNC

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    HERMES CARLOS BOLLMANN

    ± 14 horas

    Parece A CONTINUIDADE DO GOVERNO ""BETO LIXO"", mas também COM ESSE TRAÍRA (TRAIANO) no comando, SÓ PODERIA DAR isso mesmo;; Presidente da ASSEMBLÉIA. NÃO TEM VERGONHA NA CARA DEFENDER ESSA VERGONHA DOS DE****DOS?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JULIANO RIBAS DEA

    ± 14 horas

    Como? Ficar sem o "vale picanha", sem a o "vale costela do Gato Preto", afronta a.... ordem pública? É isso mesmo produção?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.