Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ônibus cheios são potenciais focos de transmissão de Covid-19.
Ônibus cheios são potenciais focos de transmissão de Covid-19.| Foto: Colaboração

O estímulo ao uso do transporte coletivo em detrimento do transporte individual sempre foi considerado uma solução para problemas de mobilidade urbana em grandes centros. A pandemia do novo coronavírus mudou o jogo: colocar mais gente nos ônibus passou a ser um risco à saúde pública. Com a possibilidade de o vírus se tornar endêmico, o transporte público é mais um dos setores que deverá ser repensado em uma perspectiva de longo prazo.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

“Há muito tempo sabemos do papel do transporte público na disseminação de doenças virais infecciosas, principalmente a influenza e síndromes respiratórias”, explica o médico infectologista Bernardo Montesanti Machado de Almeida, do Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). “Mas, tirando períodos específicos, como da pandemia do H1N1, em 2009, o componente saúde não era tão relevante do ponto de vista de políticas públicas para a mobilidade urbana como é agora com o coronavirus.”

Mais do que aumentar a higienização dos ônibus, a solução deve passar pelo incentivo à multimodalidade e o desenvolvimento de polos regionais em grandes cidades, de modo a reduzir a necessidade de grandes deslocamentos. O compartilhamento de veículos e a adoção cada vez maior do home office também podem contribuir para a redução em problemas de tráfego nos centros urbanos.

“Em média, 20% das pessoas são responsáveis por 80% das transmissões do vírus”, explica o infectologista. “Quando há uma aglomeração, temos um potencial ambiente de supertransmissão que deve ser desestimulado, a menos que se adote um nível máximo de prevenção.”

Medidas preventivas, que ajudam a mitigar o problema, incluem o uso de máscaras respiratórias, higienização constante das mãos com álcool em gel e distanciamento de, no mínimo, um metro entre uma pessoa e outra. “Eu incluiria ainda evitar conversas dentro do transporte público”, diz Almeida. Na prática, no entanto, várias das recomendações não podem ser adotadas, uma vez que ônibus vazios, que permitam o distanciamento mínimo, geram prejuízo ao sistema de transporte.

Na China, uma pesquisa realizada pelo Ipsos com 1.620 participantes, revelou que a população deixou de priorizar o transporte público após o início do surto de Covid-19. Se antes 56% utilizavam ônibus ou metrô e apenas 34%, carros particulares; após o surgimento da doença, apenas 24% continuaram a usar o transporte coletivo, enquanto 66% passaram a se deslocar em um veículo particular.

Aumento no uso de carro particular pode levar trânsito a colapso

O que é certo é que incentivar o uso de veículos particulares não é viável em longo prazo. Em dez anos, a tendência é que o transporte de passageiros e de cargas entre em colapso caso seja mantido o ritmo de emplacamentos no Paraná, segundo o engenheiro civil Rafael Fontes Moretto, especialista em infraestrutura e transportes e diretor do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). “O ideal é a diversidade de modais”, afirma.

De acordo com o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), o número de veículos emplacados no estado cresceu 4% no período de fevereiro de 2019 a fevereiro de 2020, saltando de 7,23 milhões para 7,49 milhões. Na capital paranaense, o número de veículos – 1.456.576 –corresponde a 75% da população, estimada em 1.933.105, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O aumento no número de carros vem acompanhado de queda no total de usuários do transporte coletivo. Em quatro anos, o sistema de transporte público da região metropolitana de Curitiba perdeu 25% de seus passageiros: em 2015, eram 8,5 milhões de usuários, número que caiu para 6,3 milhões em 2019. A tendência se explicaria pelas altas no preço da passagem e pela regulamentação de aplicativos de transporte individual.

Com as medidas de isolamento social adotadas pelo governo do estado e prefeitura para reduzir a curva de transmissão do vírus da Covid-19, o número de passageiros despencou. “Desde o fim de março, estamos operando com 70% da frota para atender uma demanda de 30% do que era a média de passageiros”, diz Ogeny Pedro Maia Neto, presidente da Urbanização de Curitiba S.A. (Urbs), responsável pelo gerenciamento do transporte público na capital paranaense.

O cenário, claro, não se sustenta economicamente. Tanto é que o município arcará com aportes entre R$ 18 milhões e R$ 20 milhões mensais às empresas de ônibus para garantir o funcionamento do sistema, conforme especifica lei aprovada pela Câmara Municipal. O socorro está previsto para durar três meses, mas pode ser prorrogado dependendo da situação ao fim deste prazo inicial.

Polos regionais em grandes cidades

Para Maia Neto, o quadro de vulnerabilidade sanitária que a pandemia do coronavírus revelou deve levar as cidades a incentivarem um modelo de desenvolvimento de polos regionais, que reduza a necessidade de deslocamento das pessoas. “Curitiba é planejada para isso”, diz. “A maior parte dos trajetos poderia ser feita a pé ou de bicicleta, por exemplo, e o ônibus seria utilizado para distâncias maiores.”

Metrópoles como São Paulo e Cidade do México adotam esse modelo, que é defendido entre profissionais de saúde. “Do ponto de vista mais estrutural, o ideal é estimular outras formas de transporte”, diz o infectologista Bernardo Montesanti Machado de Almeida. Ele explica que a tendência é que o Sars-CoV-2 torne-se endêmico, ou seja, permaneça em circulação para sempre, em meio a tantos outros vírus.

A cidade de Milão, na Itália, uma das mais afetadas pelo coronavírus, anunciou que transformará 35 quilômetros de ruas em ciclovias, para evitar que as pessoas, com medo de utilizar o transporte público, voltem a usar carros no retorno às atividades. Bruxelas, na Bélgica, adotou medida semelhante, ampliando em 40 quilômetros a malha cicloviária. Outras cidades, como Vancouver, no Canadá; Budapeste, na Hungria; Nova York, nos Estados Unidos; e Bogotá, na Colômbia, fecharam ruas para permitir a circulação de bicicletas, por enquanto de modo provisório.

Outras medidas que poderiam ser adotadas para desafogar o transporte coletivo são o escalonamento em horários e dias de funcionamento de comércios e o compartilhamento de bicicletas e carros. “Muitos dos nossos hábitos de vida terão de ser adaptados”, afirma Almeida. “No planejamento dos sistemas de transporte público sempre foi priorizada a questão da capacidade, do tempo, do custo. Agora deve entrar mais essa variável: a redução dos danos provocados pela doença.”

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]