222224

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. Paraná
  4. 2,9 mil ações que pedem restituição do ICMS na conta de luz estão suspensas no Paraná

Judiciário

2,9 mil ações que pedem restituição do ICMS na conta de luz estão suspensas no Paraná

Associação nacional de consumidores contesta a cobrança do imposto sobre a transmissão, distribuição e encargos setoriais sobre as tarifas de energia elétrica

  • Maria Luiza Piccoli, da Tribuna
O Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pode ou não ser cobrado na fatura de energia elétrica? | Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo
O Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pode ou não ser cobrado na fatura de energia elétrica? Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Na hora de pagar a conta de luz nem sempre é fácil decifrar tudo o que está sendo cobrado. A descrição dos “valores faturados” inclui itens como energia, distribuição, transmissão, tributos e outros encargos. Um desses custos, em especial, tem sido questionado por órgãos nacionais de defesa do consumidor. A questão é polêmica, e os tribunais do país estão divididos: afinal, o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pode ou não ser cobrado na fatura de energia elétrica?

O questionamento surgiu a partir de uma iniciativa da associação de consumidores Proteste, que contesta a cobrança do imposto sobre a transmissão, distribuição e encargos setoriais sobre as tarifas de energia elétrica. De acordo com a associação, o ICMS é um imposto que deve ser cobrado somente sobre o valor da mercadoria, no caso, apenas sobre energia elétrica consumida. O órgão defende que os demais itens – como “encargos setoriais” – não seriam classificados como tal.

No Paraná, os pedidos de restituição do ICMS que chegaram ao Tribunal de Justiça foram categorizados como sujeitos à Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR). Ou seja, devido à semelhança entre os pedidos, as ações foram agrupadas, temporariamente suspensas, e permanecem aguardando uma decisão única que sirva para todas. A solução é prevista em lei e serve para desafogar o Judiciário quando existem muitos pedidos da mesma natureza.

Segundo o TJ, estão suspensos no estado aproximadamente 2.901 processos relacionados à restituição do ICMS. O IRDR tramita perante a Seção Cível e foi redistribuído ao desembargador Ramon de Medeiros Nogueira. Em nota, o TJ informou que a questão sobre a cobrança do ICMS na tarifa de energia elétrica depende do julgamento do IRDR no estado.

LEIA MAIS: Sem zerar ICMS, Paraná pode ficar de fora de boom da energia “caseira”

Calcule

Para ajudar o consumidor a entender o que o reembolso representaria, a Proteste lançou uma calculadora online na qual se pode ter uma ideia dos valores a serem recebidos, com base no gasto mensal por residência nos últimos cinco anos. Caso fosse aplicada sobre a base de cálculo da conta de luz, a economia seria de 7,5% a 15% no valor de cada fatura mensal. Por exemplo: em uma residência na qual o valor médio da conta foi de R$ 150 por mês, nos últimos cinco anos, o valor total a ser devolvido seria de R$ 1.012,50.

Quer o reembolso?

A advogada especialista em direito tributário e professora da UFPR Betina Treiger Grupenmacher explica que a questão ainda é prematura e que até hoje a maioria dos tribunais do país entende que o ICMS pode ser cobrado sobre tarifa de energia elétrica.

“A Constituição Federal prevê que a energia elétrica é mercadoria, para fins de tributação, e há muitos anos o tributo é cobrado com aval dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. A questão merece ser discutida, mas para que o direito à essa restituição seja reconhecido de forma igualitária em todos os estados é necessário que os tribunais superiores cheguem a uma decisão”, afirma Betina.

Por meio de nota, a Proteste orienta quem quiser o reembolso a ajuizar individualmente uma ação de restituição sobre valores cobrados indevidamente, sobre o ICMS, mediante um advogado tributarista ou defensoria pública. A associação explica que as ações devem ser impetradas contra o Estado, e não contra as companhias distribuidoras de energia.

Em nota, a Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel) informa que “atua somente como arrecadadora do ICMS, não podendo opinar sobre o tema”. A Copel também reforça que, havendo decisão reconhecendo o direito dos consumidores ao reembolso, vai “atuar rigorosamente de acordo com a Justiça”.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>