Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Beto Richa (à esq.) e João Dória | Reprodução/Facebook
Beto Richa (à esq.) e João Dória| Foto: Reprodução/Facebook

Acuado por dois escândalos num intervalo de apenas quinze dias, o governador Beto Richa (PSDB) buscou colar sua imagem no tucano “sensação” do momento no país. Nesta quinta-feira (6), ele almoçou com o prefeito de São Paulo, João Doria, e fez questão de postar uma imagem do encontro no Facebook. Aprovado por 70% dos paulistanos, Doria é o nome preferido do eleitorado do estado vizinho para disputar a Presidência da República pelo PSDB em 2018.

Os últimos dias não têm sido de boas notícias para Richa. Em 15 de março, o Jornal Nacional divulgou que ele é um dos governadores que está na “segunda lista de Janot” entregue pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF). Ainda não se sabe em que circunstâncias, mas o nome do tucano foi citado nos acordos de colaboração premiada firmados com 77 executivos e ex-executivos das empresas Odebrecht e Braskem, no âmbito da Operação Lava Jato.

Algoz de petistas no PR, Lava Jato alveja Richa e joga incerteza sobre eleições de 2018

Caixa Zero: se decisão fosse hoje, Richa não sairia para o Senado, diz aliado

Leia o post completo

Já no dia 30, a ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), autorizou a abertura de mais um inquérito contra Richa – ele já é investigado há cerca de um ano no esquema de corrupção na Receita Estadual revelado pela Operação Publicano. Desta vez, a motivação diz respeito a irregularidades apuradas na concessão de licenças ambientais na região do Porto de Paranaguá, no Litoral do estado. Segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR), a situação envolve um grupo empresarial que teria relação com a família Richa.

Diante do quadro negativo, o político paranaense fez uma visita a João Doria e posou com ele para uma foto fazendo um “V” deitado com os dedos, numa referência à logomarca da campanha vitoriosa do prefeito de São Paulo no ano passado. Segundo a assessoria de Richa, os dois almoçaram e conversaram sobre as administrações no governo do Paraná e na capital paulista.

Doria: “não quero me sentir o rei da cocada preta”

Leia a matéria completa

Nome em ascensão

Com todos os presidenciáveis tucanos citados na Lava Jato – o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e os senadores José Serra (SP) e Aécio Neves (MG) –, Doria vem ganhando corpo como possível candidato do partido em 2018. Seu trunfo principal é justamente ser iniciante na política e, em tese, não poder ser alvo de ataques dos adversários. Por outro lado, porém, terá de mostrar serviço à frente da prefeitura para provar que tem condições de ser presidente.

Recente levantamento do Instituto Paraná Pesquisas aponta que 70,3% dos paulistanos aprovam a gestão Doria e 51,1% a consideram ótima ou boa. Além disso, no estado berço do PSDB e atualmente governado por um tucano, ele é o nome preferencial para disputar a Presidência pela legenda, com 32,5% – Alckmin vem em segundo, com 23,6%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]