i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
operação INtegração

Alvo da Lava Jato, ex-diretor do DER do Paraná é solto

Libertação, que teria sido feita mediante uso de tornozeleira eletrônica, indica que pode ter sido fechado um acordo de delação premiada com o denunciado pela Operação Integração

  • PorKatia Brembatti e Catarina Scortecci
  • 29/05/2018 17:12
Nelson Leal Jr. (à esq) junto com Beto Richa (centro) e José Richa Filho, em comemoração pelos 70 anos do DER | Orlando Kissner/ANPr
Nelson Leal Jr. (à esq) junto com Beto Richa (centro) e José Richa Filho, em comemoração pelos 70 anos do DER| Foto: Orlando Kissner/ANPr

O ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) Nelson Leal Júnior deixou a carceragem da Polícia Federal na segunda-feira (28). Ele estava preso desde fevereiro, quando foi alvo da 48ª fase da Lava Jato, a Operação Integração, que apura negociações ilegais envolvendo o pedágio no Paraná.

A informação sobre a libertação foi confirmada pela Polícia Federal (PF). A reportagem fez contato com a defesa de Leal Júnior, que afirmou que não se posicionaria sobre o caso. No processo judicial da Integração, aberto para a consulta, não consta o alvará de soltura. Nessas situações, é comum que a libertação tenha sido negociada como parte de um acordo de delação premiada, ainda em sigilo. Leal teria sido libertado mediante uso de tornozeleira eletrônica, segundo informações do Bom Dia Paraná , da RPC.

Mesmo sem nenhuma confirmação de que o ex-presidente do DER tenha decidido colaborar com a investigação, no mês passado veio a público que ele contratou dois advogados que têm histórico em negociações de delação premiada. Tracy Reinaldet chegou a atuar, por exemplo, no acordo fechado pelo doleiro Alberto Youssef. Já Gustavo Sartor recentemente obteve um acordo de colaboração premiada para Maria do Rocio Nascimento, na Operação Carne Fraca.

VEJA TAMBÉM:O apartamento milionário de Camboriú que está no centro da investigação

Entenda o caso

No início de abril, o Ministério Público Federal (MPF) no Paraná ofereceu denúncia à Justiça Federal contra Leal e outras 17 pessoas investigadas na Operação Integração, acusadas pela prática dos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção, estelionato e lavagem de dinheiro. De acordo com o MPF, os denunciados implantaram um esquema de contratações fraudulentas, no âmbito da concessionária de pedágio Econorte, que geravam dinheiro em espécie para pagamento de vantagens indevidas a servidores públicos e também para enriquecimento dos próprios administradores e funcionários da empresa.

Ainda de acordo com o MPF, ao mesmo tempo em que eram realizados pagamentos a empresas relacionadas a operadores financeiros e agentes públicos, a Econorte foi contemplada com três termos aditivos “extremamente benéficos” aos interesses da concessionária de pedágio, pois garantiram aumentos de tarifa cobrada nos pedágios e supressão da execução de obras contratualmente previstas.

Nelson Leal Júnior é apontado pelo MPF como o principal responsável pelo esquema fraudulento no DER. Os investigadores escrevem que, ao mesmo tempo em que viabilizava os aditivos favoráveis à Econorte, Leal apresentou incremento patrimonial incompatível com seus rendimentos, usando recursos em espécie para aquisição de um apartamento de luxo em Balneário Camboriú (SC) e para depositar em suas contas pessoais. Segundo a acusação, Leal recebeu, entre 2013 e 2016, mais de R$ 2 milhões em depósitos em espécie, sem comprovação de origem, nas contas-correntes que controlava. Todos os citados negam as acusações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
  • Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.