Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 | Marcelo Andrade
Gazeta do Povo
| Foto: Marcelo Andrade Gazeta do Povo

A defesa do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), conseguiu suspender nesta segunda-feira (18) o inquérito 1093, em trâmite de forma sigilosa no Superior Tribunal de Justiça (STJ), e que pretendia apurar qual o envolvimento do tucano nos fatos revelados pela Operação Publicano. O pedido da defesa consta em um Habeas Corpus protocolado no Supremo Tribunal Federal (STF) na sexta-feira (15) última, e já acolhido pelo ministro Gilmar Mendes. O inquérito estava incluído na pauta desta terça-feira (19) da Corte Especial do STJ. 

Não é a primeira vez que o governador do Paraná contesta a existência do inquérito, aberto em março do ano passado. Para a defesa do tucano, o acordo de colaboração premiada do ex-auditor fiscal da Receita Estadual Luiz Antônio de Souza, ponto de partida do inquérito, não poderia ter sido firmado pelo Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR), nem homologado pela 3ª Vara Criminal de Londrina, já que os relatos mencionam o governador do Paraná, que, devido ao cargo que ocupa, tem foro especial no STJ. 

Luiz Antônio de Souza sustenta que o esquema de corrupção que funcionava na Receita Estadual também abasteceu um caixa 2 da campanha de reeleição de Beto Richa, em 2014. O tucano nega ter recebido dinheiro ilícito. 

Leia tudo sobre a Operação Publicano

Argumento semelhante já tinha sido utilizado pela defesa do tucano, mas não tinha prosperado no âmbito do STJ. Em decisão publicada em setembro, a Corte Especial do STJ negou o pedido de anulação da delação, mantendo a investigação contra Beto Richa pelos supostos crimes de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica para fins eleitorais e corrupção passiva. 

Para a relatora do caso no STJ, ministra Nancy Andrighi, Beto Richa não teria legitimidade para contestar o acordo de colaboração premiada, mesmo citado nos relatos. “O acordo de colaboração não se confunde com seu conteúdo e as cláusulas de referido acordo não repercutem, nem sequer remotamente, na esfera jurídica de terceiros, razão pela qual não têm esses terceiros interesse jurídico em sua impugnação”, explicou ela, na ocasião.

LEIA MAIS:  STJ retira inquérito contra Beto Richa da pauta

Nesta segunda-feira (18), Gilmar Mendes disse ter outra visão sobre o tema. “Ainda que, ordinariamente, seja negada ao delatado a possibilidade de impugnar o acordo, esse entendimento não se aplica em caso de homologação sem respeito à prerrogativa de foro”, escreve o ministro. 

“Em suma, o Ministério Público local não apenas invadiu a competência da Procuradoria-Geral da República e do Superior Tribunal de Justiça, mas também o fez oferecendo ao acusado benefícios sem embasamento legal, gerando uma delação pouco confiável e não corroborada por outros elementos, a qual foi reputada suficiente para a abertura das investigações contra o Governador do Estado. (...) A manutenção do trâmite de investigação sem um mínimo de justa causa contra o Governador do Estado compromete não apenas a honra do agente público, mas também coloca em risco o sistema político”, conclui Mendes.

Confira a decisão de Gilmar Mendes na íntegra

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]