Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Agentes do Gaeco atuam na sede do IAP, em Curitiba | Henry Milléo/Gazeta do Povo /
Agentes do Gaeco atuam na sede do IAP, em Curitiba| Foto: Henry Milléo/Gazeta do Povo /

Os grupos de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e Especial de Proteção ao Patrimônio Público (Gepatria), do Ministério Público do Paraná (MP-PR), realizaram na manhã desta terça-feira (24) uma operação (Container) em Curitiba e cidades do interior contra fraudes em licitações envolvendo coleta de lixo. Os investigadores ainda apuram a prática de cartel, corrupção ativa e passiva e crimes contra o meio ambiente.

As investigações miram pelo menos 200 processos licitatórios de 11 cidades do Paraná desde 2014: Curitiba, Francisco Beltrão, Araucária, Guarapuava, Laranjeiras do Sul, Nova Esperança do Sudoeste, Dois Vizinhos, Enéas Marques, Salto do Lontra, Cafelândia e Umuarama. Ao todo, segundo o Gaeco, 36 mandados judiciais foram expedidos - entre eles, seis de prisão temporária e seis de prisão preventiva.

NO DETALHE:Investigação mira servidores do IAP e dois grupos empresariais do setor de lixo

Entre os alvos de mandados de prisão temporária estão um técnico do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) de Francisco Beltrão, no Sudoeste do estado, e uma pessoa ligada ao órgão em Curitiba, acusados de atuar em duplicidade para a entidade estatal e empresas interessadas nas licitações. Segundo Leonir Battisti, coordenador estadual do Gaeco, dois grupos empresariais com sede na região Sudoeste organizaram-se para fixar artificialmente o preço máximo das licitações de resíduos sólidos e regionalizar o mercado por municípios, o que caracteriza crime de cartel. “Essas duas pessoas que foram presas estavam atuando pelo IAP e há suspeita de recebimento de dinheiro por fora para facilitar para as empresas“, afirma.

“O que nós fizemos: analisamos esses 200 processos e verificamos que não havia concorrência, o que não é algo normal. É uma indicação de que poderia haver fraudes. Em alguns verdadeiramente não houve concorrência. Parte desses procedimentos sequer tinham orçamentos internos, o que indica que foram dirigidos por motivos variados que ainda estamos apurando”, completa Battisti. De acordo com o Gaeco, até o momento não houve indício de participação de agentes políticos no esquema.

LEIA TAMBÉM:Concurso para 160 vagas não vence déficit e IAP deve contratar mais

A ação foi feita em conjunto com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e com apoio da Polícia Militar (PM). Em Curitiba, quatro agentes do Gaeco cumpriram mandados em duas sedes no IAP, no bairro Rebouças.

Suposta prática de cartel

Segundo o Cade, 15 servidores do órgão participaram da operação realizada nesta terça-feira. A investigação aponta que, desde 2010, grupos empresariais estariam fazendo acertos para a apresentação de propostas nas licitações, de forma a dividir o mercado e que a carteira de contratos de cada empresa fosse preservada.

IAP se pronuncia

Em nota, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) informou que os investigadores do Gaeco fizeram buscas em processos de Licenciamento Ambiental em quatro sedes da empresa - duas em Curitiba e em Umuarama e Francisco Beltrão. O órgão confirma apenas uma prisão.

LEIA MAIS:  Após explicações da prefeitura, TCE libera licitação do lixo em Curitiba

“O IAP reforça que está à disposição dos investigadores e colabora com todas as informações necessárias. O instituto abrirá processo administrativo para apurar qualquer desvio de conduta de seus servidores e tomar devidas providências cabíveis”, diz o órgão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]