i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investigação sobre corrupção

Paraná gasta R$ 1,5 milhão por mês com salários de auditores afastados pela Publicano

Para especialista em direito administrativo, morosidade da Justiça beneficia investigados na operação que apura o esquema de corrupção na Receita Estadual

  • PorAna Caldas, especial para a Gazeta do Povo
  • 08/08/2017 16:07
A Coordenação da Receita Estadual do Paraná, em Curitiba | Hugo Harada/Gazeta do Povo
A Coordenação da Receita Estadual do Paraná, em Curitiba| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Dos 76 auditores fiscais afastados em 2015 pela Operação Publicano, que investiga um esquema de corrupção na Receita Estadual no Paraná, até agora apenas um foi demitido e todos os outros, com exceção de 13 aposentados, continuam recebendo salários que variam de R$ 12 mil a R$ 40 mil por mês. Somente no mês de junho deste ano, o governo do estado gastou cerca de R$ 1,5 milhão para o pagamento dos vencimentos de 62 servidores do órgão que seguem afastados da função pública.

Segundo informações da Secretaria do Estado da Fazenda (Sefa), apenas sete Procedimentos Administrativos Disciplinares (PADs) foram instaurados desde os primeiros afastamentos. Além do gasto mensal, também foi verificado pela reportagem da Gazeta do Povo, com base nos dados do Portal da Transparência, que houve aumentos significativos nos salários. Um dos auditores afastado recebia, em junho de 2015, em remuneração bruta de R$ 28.298,83 (R$ 19.233,46 com descontos). Já em junho de 2017, dois anos após seu afastamento, o salário bruto pulou para R$ 33.710,11 (líquido de R$ 22.725,08) . Somente em gratificações, este servidor recebeu no mês retrasado o valor de R$ 21.991,26.

LEIA MAIS:Juiz autoriza bloqueio de bens de envolvidos na Quadro Negro

Para o advogado e especialista em direito administrativo Marcelo Trindade, a lei 131/2010, que rege a carreira dos auditores fiscais, prevê a continuidade do pagamento de salários, “existindo uma alteração em dezembro de 2015, que determina o corte do prêmio produtividade para os funcionários que forem presos”. Em 2016, o secretário da Fazenda do Paraná, Mauro Ricardo Costa, se comprometeu em cumprir esta legislação, no caso da prisão de um dos envolvidos. Porém, até agora, apenas o ex-inspetor de fiscalização Luiz Antônio de Souza, foi preso e demitido. Ele foi o principal delator a colaborar com as investigações, e foi também o primeiro – e até aqui o único – servidor do órgão a perder o cargo público.

O que não pode ser considerado regular, segundo Trindade, é a demora para a instauração de procedimentos administrativos, que “gera prejuízo para a sociedade, já que estamos pagando a quem não está trabalhando”. E, além disso, ele afirma que “podemos considerar que os denunciados se beneficiam com a demora dos processos.”

LEIA MAIS:Auditor é preso acusado de tentar intimidar equipe da Operação Publicano

Procedimentos administrativos não tem data prevista para finalização

Em nota, a Secretaria do Estado da Fazenda, informa que “a finalização dos trabalhos desenvolvidos pela Comissão de PAD depende do volume, extensão e complexidade e que todas as medidas possíveis para a agilização das apurações dos processos vem sendo tomadas. Foram designados três auxiliares técnicos para imprimir maior celeridade na apuração dos fatos.” Ainda que “todos os Processos Administrativos Disciplinares em andamento estão dentro do prazo legal de conclusão, com exceção apenas do processo instaurado pela Resolução Sefa nº 1103/2015, por ser mais complexo, envolvendo 62 auditores fiscais e 100 fatos nos quais apura-se possível ocorrência de corrupção passiva”. Entre os sete PADs instaurados, quatro são referentes à Operação Publicano I e II, um pertinente à Operação Publicano III, um relativo à Operação Publicano IV e um da Operação Publicano V. Não há data prevista, segundo informa a pasta, para finalização dos trabalhos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
  • Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.