i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Magistério

Piso dos professores sobe acima da inflação e pressiona prefeituras

Reclamação também é pela falta de suporte do governo federal, que tem a obrigação legal de repassar recursos adicionais para as administrações que não conseguem pagar o mínimo

  • PorKatia Brembatti
  • 09/01/2018 19:00
 | Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo
| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo

Não é por falta de vontade. Brasil afora, prefeitos alegam que deixam de pagar o piso salarial para os professores porque os valores não cabem nas finanças municipais. O mesmo discurso é repetido no Paraná. Em coro, afirmam que reconhecem a necessidade de valorizar os profissionais da educação – e de cumprir a lei –, mas que esbarram em uma série de dificuldades.

Um dos problemas mais citados é o fato de que o piso aumenta, ano a ano, bem acima da inflação. Outro aspecto recorrentemente destacado é a falta de suporte do governo federal, que tem a obrigação legal de repassar recursos adicionais para as prefeituras que comprovarem não conseguir atingir o piso.

CONSULTE: Veja qual é o piso que sua cidade paga a um professor

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, destaca que o piso é necessário, mas que a prefeituras não conseguem bancar a atual fórmula de reajuste (baseada num conjunto de fatores que envolve o custo anual por aluno). Ele argumenta que o piso, desde 2009, aumentou 157% enquanto que o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), principal fonte de salários para as prefeituras, subiu apenas 95% no mesmo período.

A CNM defende que seja logo aprovado o projeto de lei, que tramita no Congresso, fixando o índice de inflação do ano como indicador para o reajuste do piso do magistério. Segundo Ziulkoski, o problema é que se trata de uma medida impopular, rejeitada por muitos congressistas que não querem “comprar briga” com os professores.

A situação financeira também é insustentável, na visão do presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), Marcel Henrique Micheletto. Segundo ele, no ritmo crescente das despesas obrigatórias, as prefeituras vão entrar em colapso em breve. “O futuro é a falência, a quebradeira, pode escrever isso aí”, crava. Segundo Micheletto, muitas vezes as prefeituras estão tirando de outras áreas importantes para cumprir a lei do piso. “Nenhum prefeito é contra valorização dos professores. Mas como gestores públicos, queremos mostrar que não estamos recebendo recursos na mesma proporção”, relata.

Ambas as entidades culpam o governo federal pela escassez de recursos para as prefeituras. O Ministério da Educação (MEC) foi procurado pela reportagem, mas a assessoria de imprensa informou que, como não elabora a política do piso, não iria se pronunciar. “O papel do MEC é fazer o cálculo baseado na lei e divulgar”, disse o comunicado, reforçando que a educação básica é constitucionalmente de gestão dos estados e dos municípios.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.