Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Curitiba

Prefeitura quer congelar tarifa mesmo com aumento de custos no sistema de ônibus

Reajuste dos motoristas e cobradores e acordo com empresários vão elevar o custo da tarifa técnica, mas prefeitura espera usar “gordura” para segurar tarifa dos passageiros em R$ 4,25

  • João Frey
 | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Albari Rosa/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Depois de reajustar em 15% o valor da passagem de ônibus em 2017, a prefeitura de Curitiba agora trabalha com o objetivo de congelar a tarifa em 2018 mesmo diante do aumento do custo da operação decorrente da data-base dos trabalhadores do transporte e de alguns pontos pactuados no acordo entre o Executivo e as empresas concessionárias.

“Certamente a tarifa técnica [valor repassado pela prefeitura às empresas] sofre ajuste. Nós temos os salários dos motoristas e cobradores e de todas as pessoas que compõem o transporte coletivo, o que deve ter um impacto sobre a tarifa técnica. Então é isso que nós vamos levar em consideração. Não é surpresa. Certamente vai ocorrer”, reconhece o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

CORTANDO CUSTOS:Por ônibus mais baratos, lixeiras, cores e parte traseira dos veículos devem mudar

Ele destaca, entretanto, que a recomendação do prefeito Rafael Greca (PMN) é a de não haver aumento na tarifa paga pelos passageiros em 2018. Para isso, a Urbs trabalha com certa “gordura” financeira acumulada ao longo de 2017 no Fundo de Urbanização de Curitiba. Atualmente, a prefeitura retém R$ 0,18 de cada tarifa de R$ 4,25 paga pelos passageiros. Essa retenção já foi maior ao longo do ano. Chegou a ser de R$ 0,27, mas o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis e o fim de um desconto que a Urbs fazia no repasse às empresas acabaram por aumentar o valor da Tarifa Técnica.

É nessa margem de R$ 0,18 por passagem que a Urbs pretende amortecer o aumento de custos que será gerado pelo reajuste dos motoristas e cobradores e pela retomada do pagamento da remuneração de capital das empresas – valo pago para amortizar os investimentos dos empresários em novos ônibus.

Como isso deve ser insuficiente, a Urbs trabalha também com um estudo de readequação de linhas com o objetivo de reduzir os custos de operação.

“Custos são como unha, temos que cortar sempre”, diz Ogeny Neto, parafraseando o empresário Jorge Paulo Lemann, famoso pela obsessão por custos baixos.

“Estamos trabalhando na adequação de linhas, otimizando, de maneira a adequar o carro ao transporte. Eu não posso usar um articulado onde precisa de um ônibus comum. Isso reduz centavos na Tarifa Técnica, mas é importante porque o que nós conseguirmos de redução é o que vai nos dar fôlego para manter a tarifa do passageiro que é o nosso objetivo” explica o presidente da Urbs.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE