Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Queda nos preços dos combustíveis em abril fez a inflação oficial do Brasil cair para o menor patamar para o mês desde o início do Plano Real. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Queda nos preços dos combustíveis em abril fez a inflação oficial do Brasil cair para o menor patamar para o mês desde o início do Plano Real.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Com todas as atenções voltadas para o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Curitiba, o noticiário nacional ficou restrito à movimentação do petista na capital da Operação Lava Jato. Mas outras notícias tão ou mais importantes foram divulgadas nesta quarta-feira (10) sem que a maioria dos brasileiros tenha ficado sabendo. Inflação no centro da meta, Janot contra impeachment de Gilmar Mendes, tramitação da reforma trabalhista no Senado e Petrobras colocando a polêmica refinaria de Pasadena, nos EUA, à venda. Fique por dentro de tudo isso mais abaixo:

Inflação em queda

A queda nos preços da energia elétrica e dos combustíveis em abril fez a inflação oficial do Brasil acumulada nos últimos 12 meses ficar, pela primeira vez desde agosto de 2010, abaixo do centro da meta do ano estipulada pelo governo, que é de 4,5%. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,14% em abril, desacelerando frente aos 0,25% de março. No últimos 12 meses, o índice avançou 4,08%.

O resultado deve acelerar o ritmo de corte da taxa básica de juros da economia, a Selic. Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a taxa sofreu um corte de 1 ponto percentual, passando de 12,25% para 11,25%. A expectativa para a próxima reunião é de um corte de 1,25 ponto percentual.

Rodrigo Janot x Gilmar Mendes

Em meio à queda de braço que trava com Gilmar Mendes, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestou contra um pedido de impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). O parecer de Janot foi enviado ao Supremo no âmbito de mandado de segurança que um grupo de juristas – entre eles o ex-procurador-geral Claudio Fonteles – apresentou à Corte contra decisão da presidência do Senado que, em 2016, não abriu pedido de abertura do processo de impeachment de Mendes. Na ocasião, o Senado era presidido por Renan Calheiros (PMDB/AL), alvo da Lava Jato no Supremo.

Nesta semana, Janot foi à Corte com arguição de suspeição e impedimento de Gilmar no caso Eike Batista. Janot alega que Gilmar não pode atuar no caso Eike porque sua mulher trabalha no escritório do advogado do empresário.

Pasadena à venda

A Petrobras anunciou que decidiu incluir em seu programa de venda de ativos a polêmica refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, envolvida no caso de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. A estatal teve um prejuízo de US$ 792 milhões com o negócio, segundo dados do Tribunal de Contas da União (TCU).

A compra de Pasadena faz parte das investigações do escândalo de corrupção na Petrobras revelado pela Polícia Federal. Em delação premiada, o ex-diretor de negócios internacionais da Petrobras, Nestor Cerveró, afirmou que ocorreu pagamento de propina na compra da refinaria.

Inicialmente, em 2006, a Petrobras adquiriu 50% da refinaria, da companhia belga Astra Oil por US$ 360 milhões – valor bem superior aos US$ 42,5 milhões que a própria Astra tinha pago pela refinaria inteira no ano anterior. Depois, devido a desentendimentos entre os sócios, a Petrobras entrou na Justiça, e acabou pagando mais de US$ 882 milhões, pelos 50% restantes. Assim, a compra da refinaria de Pasadena acabou custando US$ 1,18 bilhão.

Reforma trabalhista

O Senado Federal iniciou a tramitação da reforma trabalhista. Na primeira audiência pública realizada pela casa, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, defendeu que as mudanças trarão segurança jurídica não só para as empresas mas também para o Judiciário, que terá uma linha clara entre o que pode e o que não pode. Ele defendeu a prevalência do acordado sobre o legislado e a definição de limites para indenizações trabalhistas, mas se colocou de forma contrária à terceirização ilimitada.

No mesmo dia, o diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Peter Poschen, disse que não há evidências de que a reforma trabalhista em estudo no Brasil conseguirá gerar empregos. O dirigente criticou o discurso de que o país vai “modernizar” a legislação trabalhista, mas sem estabelecer um objetivo. “Concordo em modernizar, mas parece que o objetivo é bem vago”, disse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]