Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Chance de Dilma se eleger senadora pelo RS é mínima, aponta pesquisa

eleições 2018

Chance de Dilma se eleger senadora pelo RS é mínima, aponta pesquisa

Ex-presidente petista, alvo de um impeachment em 2016, figura em terceiro lugar em sondagem para o Senado, atrás do próprio colega de partido Paulo Paim

  • Durval Ramos, especial para Gazeta do Povo
Com apenas 11,4% das intenções de voto, Dilma  teria dificuldades até mesmo de convencer o PT a colocá-la como candidata no lugar da Paulo Paim. | Evaristo Sá/AFP
Com apenas 11,4% das intenções de voto, Dilma teria dificuldades até mesmo de convencer o PT a colocá-la como candidata no lugar da Paulo Paim. Evaristo Sá/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Se tentasse voltar à vida pública hoje, a ex-presidente Dilma Rousseff dificilmente conseguiria se eleger. De acordo com levantamento da Paraná Pesquisas, em uma eventual disputa por uma das duas vagas no Senado pelo Rio Grande do Sul, a petista teria apenas 11,4% das intenções de votos, tendo desempenho inferior ao de outros nomes mais fortes na região – incluindo até colegas de partido.

Os dados levaram em conta a opinião de 1.508 pessoas de 68 municípios gaúchos, entrevistados entre os dias 2 e 5 de maio, e mostram o quanto a imagem de Dilma saiu desgastada do processo de impeachment. Segundo o levantamento, ela ficaria atrás dos atuais senadores Ana Amélia (PP) e Paulo Paim (PT), que têm, respectivamente, 38,4% e 26% das intenções, e estaria em um empate técnico com o ex-governador Germano Rigotto (PMDB), que aparece na lista com 13,1% – a margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

Apesar de ter seu mandato cassado no ano passado, Dilma manteve intactos os seus direitos políticos, o que permitiria a participação na disputa de 2018. Em fevereiro, Dilma comentou, em entrevista à agência de notícias France-Presse (AFP), que cogita pleitear um cargo no Legislativo. Contudo, ao contrário do que acontece com Lula, todo o desgaste da Lava Jato e das manifestações dos últimos dois anos fizeram dela uma carta fora do baralho do PT.

Segundo o cientista político da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Gustavo Grohmann, é realmente muito complicado para a ex-presidente conquistar o cargo em 2018 por uma série de motivos. O principal deles, de acordo com o especialista, é o simples fato de que Dilma não tem o mesmo apelo de Lula para escapar das acusações e revertê-las em capital político. “Em uma eleição para o Senado, não é o Brasil inteiro. O Nordeste desaparece da conta e o Rio Grande do Sul tem sido contra o PT e todo esse setor nas últimas eleições”, diz.

Essa rejeição é algo que a própria pesquisa evidencia em números. Além do índice geral relativamente baixo, uma análise dos dados estratificados em gênero, classe social e escolaridade mostra que a petista não tem maioria em nenhuma camada da sociedade gaúcha. Em paralelo a isso, o número de pessoas que consideram as acusações de que ela estaria envolvida em corrupção são verdadeiras é de 68,3% da população. E menos de um quarto dos entrevistados (22,7%) disse que elas são falsas.

Disputa interna

Grohmann destaca ainda que a própria disputa interna dentro do PT deve acabar com uma possível pretensão de Dilma ao Senado. Isso porque o índice de aprovação de Paulo Paim é bastante elevado e dificilmente o partido iria retirá-lo da disputa para apostar em alguém tão incerto quanto a ex-presidente. “Ele é considerado uma aposta certa para esta eleição, principalmente porque a senadora Ana Amélia deve concorrer ao governo do estado”, aponta o cientista político. “Além disso, Dilma não tem tradição no PT do Rio Grande do Sul.”

Para o professor da UFRGS, a maior chance da ex-presidente seria caso a oposição se fragmentasse, dividindo os votos. “Mas, não tendo isso e a disputa se concentrando em um ou dois candidatos de centro e direita, as coisas vão ficar bem difíceis”, ressalta. E, nesses casos, ele destaca que o desempenho dos atuais senadores vai ser fundamental para desenhar o cenário de 2018. Segundo Grohmann, o senador Lasier Martins (PSD) foi uma alternativa para quem não queria votar no PT e o seu posicionamento ao longo dos próximos meses vai mostrar à população se vale ou não apostar nesses novatos.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE