Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Comissão da Câmara aprova texto que restringe foro privilegiado de políticos

emenda constitucional

Comissão da Câmara aprova texto que restringe foro privilegiado de políticos

Relatório apresentado na semana passada reduz o foro a cinco autoridades: presidente da República e o vice e mais os presidentes da Câmara, Senado e STF. Votação em plenário só em 2019

  • Da Redação
  • Atualizado em às
 | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisou a proposta de emenda constitucional (PEC) que reduz o foro privilegiado de políticos aprovou o parecer do relator, deputado Efraim Filho (DEM-PB), nesta terça-feira 911). O chamado foro privilegiado é o direito que algumas autoridades têm de ser julgada pelas instâncias superiores, seja o Supremo Tribunal Federal (STF) ou o Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O relatório, apresentado na semana passada, reduz o foro a cinco autoridades: o presidente da República e o vice mais os presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado e do Supremo Tribunal Federal. Hoje, cerca de 55 mil autoridades federais, estaduais e municipais são beneficiados pela prerrogativa de foro.

LEIA TAMBÉM: Com Moro na plateia, novo presidente do TCU faz agradecimento a Lula

Com o texto de Efraim Filho, deixam de ter foro privilegiado em crimes comuns ministros, governadores, prefeitos, chefes das Forças Armadas e todos os integrantes, em qualquer esfera de poder, do Legislativo, do Ministério Público, do Judiciário e dos Tribunais de Contas.

Na semana passada, o Instituto Não Aceito Corrupção entregou à comissão um manifesto com cerca de 715 mil assinaturas pedindo a aprovação do texto.

Aprovado pelo Senado em maio do ano passado, a PEC segue para análise do plenário da Câmara. Com intervenção federal em vigor no Rio de Janeiro e em Roraima, o Congresso não pode votar alterações na Constituição. Com isso, a votação do texto em plenário vai ficar para 2019.

A tramitação da proposta foi iniciada no ano passado, depois que o STF começou a discutir a restrição do foro para parlamentares. Em maio deste ano, o Supremo decidiu restringir o foro especial para deputados federais e senadores.

Entenda o que foi aprovado

A proposta aprovada na comissão extingue o foro especial para todas as autoridades em crimes comuns, com exceção dos presidentes da República, da Câmara, do Senado e do STF, além do vice-presidente da República. Estes continuariam a ser julgados pelo Supremo. Todos as demais autoridades – incluindo ministros, parlamentares, governadores e prefeitos- poderiam ser processados na Justiça de primeira instância.

Pela legislação atual, ministros, senadores e deputados federais só podem ser julgados pelo STF. Já governadores e deputados estaduais só podem ser processados pelo STJ.

O texto aprovado também extingue o foro privilegiado nos casos de crimes comuns cometidos pelo Procurador-Geral da República, por membros do Ministério Público da União, desembargadores dos Tribunais de Justiça e membros de Tribunais de Contas estaduais e municipais.

Para votar a proposta, os deputados fizeram um acordo para suspender as votações no plenário principal da Casa na tarde desta terça. Isso porque comissões não podem deliberar enquanto o plenário vota projetos.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE