i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
panos quentes

Em carta, Bolsonaro afirma prestigiar STF e que fala do filho foi ‘emocional’

Presidenciável enviou ofício ao ministro Celso de Mello, que chamou de “inconsequente e golpista” a declaração de Eduardo Bolsonaro sobre “fechar o STF”. “Temos todos que prestigiar a corte, disse Bolsonaro pai

  • PorDa Redação
  • 22/10/2018 21:00
Jair Bolsonaro afirma na carta que o STF é o “guardião da Constituição” e “todos temos que prestigiar a corte”.  | Fernando Frazão/Agência Brasil
Jair Bolsonaro afirma na carta que o STF é o “guardião da Constituição” e “todos temos que prestigiar a corte”. | Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) enviou uma carta ao ministro Celso de Mello, o decano do Supremo Tribunal Federal, na tentativa de desfazer o mal-estar causado pelas declarações do filho do presidenciável, o deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), sobre fechar o STF.

No texto, divulgado pelo site O Antagonista na noite desta segunda-feira (22), Bolsonaro pai afirma que o STF é o “guardião da Constituição” e “todos temos que prestigiar a corte”. Para o presidenciável, “manifestações mais emocionais, ocorridas nestes últimos tempos, se mostram fruto da angústia e das ameaças sofridas neste processo eleitoral”.

Magistrado mais antigo do STF, Celso de Mello classificou a afirmação de Eduardo Bolsonaro, de que bastam um soldado e um cabo para fechar a Corte, de “inconsequente e golpista”. Disse ainda que o fato do parlamentar ter tido uma votação expressiva nas eleições – ele recebeu quase 2 milhões de votos – não legitima “investidas contra a ordem político-jurídica”.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro quer criar “combo de ministérios”: 10 pastas se tornam 4. O que se sabe até agora?

Eduardo dava palestra para concurseiros que desejam ingressar na Polícia Federal num cursinho de Cascavel, no Paraná, no dia 9 de julho, quando foi gravado. O vídeo da palestra foi replicado nas redes sociais e no WhatsApp no último fim de semana, causando muita polêmica. 

A declaração sobre “fechar o Supremo” foi uma resposta a um enfermeiro que perguntou ao deputado o que poderia ocorrer caso a candidatura de Jair Bolsonaro fosse impugnada pelo STF.

Em entrevista ao Jornal da Record, divulgado em suas redes sociais, Bolsonaro pai reconheceu que seu filho errou em dar a polêmica declaração. “Ele errou. É jovem. Se tiver algo para pagar, que pague. Não é porque é meu filho que vai ficar isento”, declarou. “Eu já o adverti no tocante a isso e reitero aqui o meu compromisso de respeito e admiração por todos os Poderes da República”, acrescentou o presidenciável.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.