Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Entenda o “quadrilhão do PT”: quem é quem na teia de Janot

lava jato

Entenda o “quadrilhão do PT”: quem é quem na teia de Janot

Do líder aos arrecadadores da propina, saiba o papel de cada um dos petistas denunciados por Rodrigo Janot por formação de quadrilha no esquema descoberto pela Lava Jato

  • André Gonçalves
Lula, o líder do esquema. | Migiel Schincariol/AFP
Lula, o líder do esquema. Migiel Schincariol/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

As 209 páginas da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra a cúpula petista descrevem uma engenhosa máquina de corrupção. O “quadrilhão do PT”, na tese do Ministério Público Federal, tinha hierarquia, linha sucessória e clareza na distribuição de atribuições. Veja o papel de cada um dos sete denunciados ao Supremo Tribunal Federal (STF):

VEJA AINDA: O que diz a denúncia de Janot sobre o quadrilhão do PT

Lula, o grande líder e idealizador

Lula é definido como o “grande idealizador” da constituição da organização criminosa petista. A denúncia cita que ele negociou diretamente com empresas privadas o recebimento de valores para viabilizar sua campanha eleitoral à presidência da República em 2002. Em troca, ofereceu o compromisso de usar a máquina pública, caso eleito (como o foi), em favor dos interesses privados de grupos empresariais como Odebrecht, OAS, Andrade Gutierrez e JBS. ”Durante sua gestão, não apenas cumpriu com os compromissos assumidos junto a estes, como atuou diretamente e por intermédio de Antonio Palocci (ex-ministro da Fazenda), para que novas negociações ilícitas fossem entabuladas como forma de gerar maior arrecadação de propina”, descreve o texto.

Além disso, é apontado como o “grande responsável” pela coesão do núcleo político da organização criminosa e pela indicação de Dilma Rousseff como candidata do PT à Presidência da República em 2010. “Essa condição permitiu-lhe continuar a influenciar o governo da sua sucessora e a fazer disso mais um balcão de negócios para recebimento de vantagens ilícitas.”

Dilma, a sucessora

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Republica/Imagens/Vivo/88029FPIG3-2404582-992.jpg

Segundo a denúncia, integrou a organização criminosa a partir de 2003, quando assumiu a convite de Lula o Ministério de Minas e Energia. A partir disso, “contribuiu decisivamente” para que os interesses privados negociados em troca de propina pudessem ser atendidos, especialmente no âmbito da Petrobras, da qual foi Presidente do Conselho de Administração entre 2003 e 2010. Durante sua gestão, “deu seguimento a todas as tratativas ilícitas iniciadas no governo Lula, com destaque para a atuação direta que teve nas negociações junto ao grupo Odebrecht”. Outras vezes, atuou de forma indireta, por intermédio do então ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do tesoureiro do partido, Edinho Silva, “na cobrança de valores ilícitos junto a empresários”.

Palocci e Mantega, os interlocutores

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Republica/Imagens/Vivo/1472501.jpg

Para o MPF, os ex-ministros da Fazenda, Antonio Palocci e Guido Mantega eram os interlocutores diretos de Lula e Dilma nas negociações que envolviam a cobrança de propina em valores mais relevantes, como no caso do grupo Odebrecht e J&F que, só por intermédio de doação oficial, repassaram mais de R$ 500 milhões de reais de propina. Mantega foi indicado expressamente por Dilma a Marcelo Odebrecht como sendo seu interlocutor para tratar os interesses escusos do grupo com o governo. Já Palocci foi o principal intermediário de Lula para o recebimento de propina decorrente da denominada “Planilha Italiano” e na denominada “Subconta Amigo”.

Palocci também seria um “sócio-fundador” da organização, pois estava presente desde as primeiras negociações ilícitas por ocasião da campanha presidencial de Lula de 2002. Atuou também de forma decisiva na compra do apoio político de integrantes do PP e do PMDB.

Gleisi e Paulo Bernardo, o suporte técnico

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Republica/Imagens/Cortadas/15436773-kWFH-U202402368978wKI-1024x683@GP-Web.jpg

A denúncia aponta que Paulo Bernardo, nos tempos de ministro do Planejamento e de Comunicações (2005-2014), e Gleisi Hoffmann, enquanto Chefe da Casa Civil (2011-2014), não apenas davam suporte em suas respectivas pastas ao esquema ilícito montado, como também operaram diretamente a cobrança de propina. “Gleisi foi ainda uma das mais beneficiadas nos esquemas ilícitos mantidos pela organização criminosa na Petrobras, no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e junto à Odebrecht e à J&F”, diz a denúncia.

VEJA TAMBÉM: Esquema de Gleisi e Paulo Bernardo movimentou R$ 7 milhões, diz Janot

Vaccari, o cobrador

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Republica/Imagens/Cortadas/Vaccari88An-kWFH-U202402368978miG-1024x697@GP-Web.jpg

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto (preso em Curitiba desde 2015) é descrito na denúncia como responsável pela cobrança de propina no “varejo” junto às diversas empresas que se relacionavam com o governo federal durante as gestões Lula e Dilma. “Também direcionava como os pagamentos deveriam ser feitos, sendo que muitas vezes utilizou o próprio PT como ferramenta para receber os valores ilícitos, que eram depositados como se fossem doações eleitorais.” Segundo Janot, Vaccari operou também ilicitamente junto aos Fundos de pensão, em especial Funcef (dos funcionários da Caixa) e Petros (dos funcionários da Petrobras).

Edinho, o arrecadador eleitoral

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/09/06/Republica/Imagens/Vivo/Edinho Silva.jpg

O ex-ministro de Comunicação Social de Dilma Edinho Silva teve uma participação mais relevante na organização como coordenador da campanha presidencial de Dilma, em 2014. Segundo a denúncia, Edinho substituiu Vaccari na missão de arrecadar valores ilícitos em benefício daquela campanha. Além disso, atuou diretamente na compra de horário político gratuito junto às agremiações que integraram a chapa Dilma/Temer.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE