Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Christian Rizzi/ Gazeta do Povo
| Foto: Christian Rizzi/ Gazeta do Povo

O Ministério da Justiça autorizou o emprego da Força Nacional para policiamento de guarda e vigilância dentro do presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, a partir da próxima terça-feira (26). A autorização foi confirmada em uma portaria publicada nesta sexta-feira (22) no Diário Oficial da União. Os homens da Força Nacional vão atuar no presídio por seis meses.

O pedido foi feito pelo Departamento Penitenciário Nacional. O número do efetivo que vai participar da ação em Mossoró não foi informado. Quem assina a portaria é o secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Pontel de Souza. O ministro Sergio Moro está em Paris para uma reunião do Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo (Gafi). 

Na semana passada, o chefe do PCC, conhecido como Marcola, e outros 21 integrantes da facção criminosa foram transferidos de São Paulo para presídios federais de Brasília (DF), Mossoró (RN) e Porto Velho (RO). Oitos dos integrantes do PCC foram transferidos para Mossoró. 

LEIA TAMBÉM: Conheça as facções criminosas que Moro terá de enfrentar como ministro

 Segundo o diretor do Depen, Fabiano Bordignon, o governo federal realizou um planejamento para evitar retaliações do PCC por causa das transferências. “Todo o planejamento foi feito para evitar maiores problemas e existem outras medidas, que não vamos revelar, caso aconteça alguma crise a partir dessas remoções, o que a gente espera que não aconteça”, disse Bordignon em entrevista à Gazeta do Povo, na semana passada. 

 De acordo com Bordignon, existem medidas que podem ser adotadas para conter eventual rebelião nos presídios em retaliação à transferência de presos do PCC. 

SAIBA MAIS: Como é o combate ao crime e à corrupção hoje e o que muda com o pacote de Moro

Brasília e Rondônia já contam com apoio da Força Nacional

 A penitenciária de Brasília, que também recebeu parte dos presos do PCC, já conta com o apoio da Força Nacional desde a semana passada. O prazo para o efetivo permanecer no presídio é de 90 dias. 

 Na terça-feira (19), o ministro Sergio Moro também autorizou o emprego da Força Nacional em Rondônia, por 15 dias. A medida visa reforçar a segurança pública do estado, que faz fronteira com a Bolívia. 

Integrantes da Justiça e do Ministério Público paulista chegaram a mostrar preocupação com a transferência de Marcola para Porto Velho, já que a região é próxima de fronteira. O chefe do PCC planejava uma fuga em massa antes de ser transferido de São Paulo. 

VEJA TAMBÉM: Moro nega contradição em falas sobre caixa 2: “houve má interpretação”

 Segundo Bordignon, o governo federal tem a situação sob controle. “Foram informações e uma análise de inteligência que foi feito junto com o estado de São Paulo. Nós temos cinco penitenciárias federais”, disse o diretor do Depen. “Não quer dizer que ele [Marcola] vai ficar lá em Porto Velho. A inclusão se deu por Porto Velho, mas temos mais quatro unidades prisionais que podem eventualmente receber”, completou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]