i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Supremo

Inquérito investiga se PT comprou apoio de Renan e Requião com dinheiro da JBS

Ministro do STF Edson Fachin atendeu a pedido da Procuradoria-Geral da República para apurar repasse de R$ 46 milhões feito a oito senadores do antigo PMDB nas eleições de 2014

    • Estadão Conteúdo
    • 16/05/2018 16:45
     | Christian Rizzi/AFP
    | Foto: Christian Rizzi/AFP

    O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de inquérito para apurar um suposto esquema de pagamentos milionários do grupo J&F, controlador do frigorífico JBS, a senadores do antigo PMDB (atual MDB). As suspeitas foram levantadas nas delações premiadas do executivo Ricardo Saud e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

    Em sua delação, Saud disse ter havido pagamento da ordem de R$ 46 milhões a emedebistas do Senado, a pedido do PT. De acordo com o executivo, apesar de diversas doações terem sido oficiais, trata-se de “vantagem indevida”, já que dirigentes do PT estariam comprando o apoio de peemedebistas para as eleições de 2014 para garantir a aliança entre os dois partidos.

    Leia também: Presidente do INSS é demitido por contratar empresa com sede em depósito de bebidas

    Segundo o delator, o pagamento milionário tinha o objetivo de manter a unidade do MDB, devido ao risco na época dos fatos de que integrantes do partido passassem a apoiar formalmente a campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência da República em 2014.

    Saud cita que o esquema teria beneficiado os senadores Renan Calheiros (MDB-AL), Eduardo Braga (MDB-AM), Jader Barbalho (MDB-PA), Roberto Requião (MDB-PR), Eunicio Oliveira (MDB-CE), Valdir Raupp (MDB-RO), Edison Lobão (MDB-MA) e Romero Jucá (MDB-RR), além do atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rego.

    Leia também: Em vídeo, Temer diz ver ‘Casa de Papel’. ‘Fãs’ reagem propondo série sobre zumbis

    Sérgio Machado, por sua vez, declarou ouvir em reuniões ocorridas na residência de Renan, “que o grupo JBS iria fazer doações ao PMDB, a pedido do PT, na ordem de R$ 40 milhões”.

    Os gabinetes dos senadores foram procurados pela reportagem e não haviam se manifestado até a publicação deste texto. Em nota, o MDB informou repudiar “mais uma tentativa de criminalização da política”. “Esperamos que a conclusão deste inquérito seja rápida e acreditamos que ao final a verdade será restabelecida”, disse o partido. O PT ainda não se pronunciou.

    O inquérito também deve apurar pagamento ao então presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (MDB-RN), por meio de notas fiscais frias que teriam simulado prestação de serviços de empresas para a JBS.

    Leia o documento que autoriza abertura de inquérito

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.