i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lava jato

Moro confirma prisão de Léo Pinheiro, após condenação em 2ª instância

Juiz da Lava Jato ordenou expedição de mandado de custódia contra o empreiteiro da OAS que já está recolhido desde setembro de 2016 e busca acordo de delação premiada

    • São Paulo
    • Agência Estado
    • 20/09/2017 18:58
     | Paulo Lisboa/Brazil Photo Press/Folhapress
    | Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press/Folhapress

    O juiz federal Sergio Moro ordenou a expedição de mandado de prisão para execução provisória de pena para os empreiteiros ligados à OAS. José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, e Agenor Franklin Magalhães Medeiros, tiveram o recurso em segunda instância rejeitado. Os executivos foram sentenciados pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) a 26 anos e 7 meses de prisão por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

    Léo Pinheiro foi preso uma primeira vez na Operação Juízo Final, 7.ª fase da Lava Jato deflagrada em novembro de 2015. Ganhou prisão domiciliar, por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), e voltou para o regime fechado em 5 de setembro de 2016.

    Ele e Agenor foram condenados em ação penal sobre propina de R$ 29.223.961,00 à Diretoria de Abastecimento da Petrobras por contratos da Refinaria Getúlio Vargas (Repar) e da Refinaria Abreu e Lima (Rnest).

    A decisão de Moro é de 13 de setembro. Ao mandar prender Léo Pinheiro, o juiz da Lava Jato afirmou que “a execução após a condenação em segundo grau impõe-se sob pena de dar causa a processos sem fim e a, na prática, impunidade de sérias condutas criminais”. As prisões ordenadas por Moro tiveram base em decisões do TRF4.

    “Obedecendo à Corte de Apelação, expeça a Secretaria o mandado de prisão para execução provisória das condenações de José Adelmário Pinheiro Filho e de Agenor Franklin Magalhães Medeiros”, afirmou o magistrado.

    Na decisão, Moro afirmou que os executivos colaboraram com a Lava Jato e decidiu deixá-los na carceragem da PF “para evitar riscos a ambos”. Léo Pinheiro já está preso na carceragem. O empreiteiro estava custodiado preventivamente.

    Dirigentes de entidades condenadas por lavagem de dinheiro também são presos

    Dirigentes do Centro Integrado e Apoio Profissional (CIAP), uma organização da sociedade civil, apropriaram-se e lavaram R$ 28.399.657,74 entre 2003 e 2010 em recursos públicos federais que haviam sido desviados de programas públicos de saúde e de educação nos estados do Paraná, Maranhão e Rio de Janeiro. Entre os condenados, encontra-se Dinocarme Aparecido Lima, preso na última quinta-feira (14).

    Dirigentes do Instituto Brasileiro de Integração e Desenvolvimento Pró-Cidadão (Ibidec) e da Agência de Desenvolvimento Educacional e Social Brasileira (Adesobras), também organizações da sociedade civil, apropriaram-se e lavaram de R$ 9.535.764,00 que haviam desviado de programas públicos de saúde e de segurança pública. Entre o condenados está Robert Bedros Fernezlian e o ex-coordenador nacional do Pronasci do Ministério da Justiça, Francisco Narbal Alves Rodrigues, presos em dezembro de 2016 e em março de 2017, respectivamente.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.