Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Edilson Rodrigues/Agência Senado
| Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Os senadores Roberto Requião (MDB-PR), Romero Jucá (MDB-RR) e Edison Lobão (MDB-MA) foram retirados do rol de investigados em novo inquérito aberto com base na delação do executivo da J&F, Ricardo Saud. Segundo manifestação da Procuradoria Geral da República (PGR), apesar de ter sido citado pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o nome deles não consta nos dados de corroboração da delação fornecidos pelo delator.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, respondeu a um pedido do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), e esclareceu quem deve ser investigado no inquérito que apura suposto esquema de pagamentos milionários do Grupo J&F, dono do frigorífico JBS, a parlamentares do MDB.

Leia também: Revisor libera ação contra Gleisi para julgamento. STF já pode marcar data

Raquel pediu que sejam investigados no inquérito os senadores emedebistas Jader Barbalho (PA), Eunício de Oliveira (CE), Renan Calheiros (AL), Valdir Raupp (RO), Eduardo Braga (AM), Dario Berger (SC), o ex-ministro da Integração Nacional Helder Barbalho, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo, então senador à época dos supostos pagamentos, e o ex-ministro Guido Mantega.

No despacho, a procuradora pede que se determine “expressamente” o desmembramento do inquérito em relação ao ex-deputado e ex-ministro Henrique Eduardo Alves (MDB-RN). Em 17 de maio, após abrir o inquérito, Fachin deu três dias para a PGR esclarecer quem deveria “efetivamente figurar como investigado” no inquérito. Segundo o ministro, a PGR não individualizou o rol de investigados.

As suspeitas que levaram à abertura de um novo inquérito foram levantadas nas delações premiadas de Saud e de Machado.

Em sua delação, Saud disse ter havido pagamento da ordem de R$ 46 milhões a senadores do então PMDB (atual MDB), a pedido do PT. Segundo o executivo, apesar de diversas doações terem sido oficiais, tratava-se na verdade de “vantagem indevida”, já que dirigentes do PT estariam comprando o apoio de emedebistas para as eleições de 2014 visando garantir a aliança entre os dois partidos.

Machado, por sua vez, declarou ouvir em reuniões ocorridas na casa de Renan “que o grupo JBS iria fazer doações ao PMDB, a pedido do PT, na ordem de R$ 40 milhões”.

Leia também: Da cadeia, Lula dita carta sobre candidatura e quer vice de outro partido

Segundo Raquel, quanto a Mantega, apesar de não ter a prerrogativa de foro, não é possível desmembrar seu caso das investigações que correm no STF “porque o colaborador aponta que ele teria autorizado o repasse da vantagem indevida a todos os demais investigados”.

A procuradora também aponta que a conduta de Helder Barbalho seria “intrinsecamente” ligada às de Jader, porque o senador teria pedido o pagamento de vantagem indevida em favor de seu filho, que foi ministro. “Assim, não é possível, ao menos por ora, o desmembramento do feito”.

Já sobre o ex-deputado Henrique Alves, a PGR esclarece que as investigações podem tramitar separadamente. “Inclusive já se compartilhou cópia dos Termos de Depoimento com o Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte”, diz a procuradora.

Leia a decisão na íntegra:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]